O Risco da Covid-19: A Ameaça Silenciosa

Pandemia de Coronavírus: Contador em Tempo Real – Roylab Stats (acompanhar)

Acompanhe o painel com números em tempo real na Roylab Stats ou na Johns Hopkins University (versão para celular aqui).


O grande problema e desafio da Covid-19 para nós é seu contágio apresentar crescimento exponencial maior do que podemos suportar nos sistemas de saúde público e privado combinados e quaisquer esforços adicionais. O vírus que causa a Covid-19, o SARS-CoV-2, encontra via de transmissão fácil, um tempo razoável de “sobrevivência” fora de organismos e alta velocidade de replicação.

Se trata de uma ameaça silenciosa, 79% dos casos foram infectados por indivíduos que não apresentavam sintomas (link). A demora dos governos em reagir adequadamente permitiu o número de infectados dobrar a cada dois dias em alguns países. A escalada dos casos é abrupta.

Escalada em vários países (NBC News).

A Itália detectou os dois primeiros casos em 31 de Janeiro deste ano, uma semana depois um italiano que voltou de Wuhan também foi confirmado. Então, em 17 dias ela passou desses 3 casos para 17.660 e 1266 mortes e agora, enquanto escrevo isso, são 35.713 casos e 2.978 mortes. O Brasil registrou o primeiro caso em 26 de fevereiro. Hoje, 18 de Março, são 529 casos e 4 mortes. Os Estados Unidos passaram, no momento em que escrevo este texto, de 8438 (imagem) para 9235 casos.

Alguns dizem que é histeria desnecessária e que é algo que apenas prejudica a economia. Entretanto, se medidas simples de curta duração fossem adotadas antes (desde o fim de Janeiro), não seriam necessárias agora medidas drásticas de média e longa duração (com prejuízo humano e econômico muito maior). Podemos considerar que esse tipo de ignorância será responsável pela maior parte do impacto da pandemia em nosso país.

 


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 265 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*