Evolução, Design e COVID-19

Coronavírus por  Alissa Eckert e Dan Higgins / WC

Por Michael Behe (adaptado)

Me pediram para comentar sobre a epidemia e evolução do coronavírus. Muito do que escrevi seis anos atrás, durante um surto de vírus Ebola, também se aplica à situação atual.1 O ponto principal é que, embora o vírus seja perigoso, a situação pode ser comparada a uma forte tempestade no oceano. As ondas podem ser enormes e a superfície agitada, mas as águas mais profundas continuam como sempre, essencialmente imperturbáveis. De maneira semelhante, embora superficialmente mude muito rapidamente, alguns pesquisadores pensam que o coronavírus 2 e muitos outros tipos de vírus 3 permaneceram basicamente os mesmos por dezenas de milhões de anos.

O que é um vírus?

Os vírus são fragmentos de material genético (alguns compostos de DNA, outros de RNA, geralmente embrulhados em um revestimento proteico), cuja informação genética total varia de cerca de algumas milhares até um tanto mais de um milhão de pares de bases nitrogenadas de tamanho. Um vírus não pode se reproduzir sozinho; ao contrário, ele deve sequestrar o mecanismo molecular de uma célula hospedeira para fazer isso. O sistema imunológico o combate a cada passo, mas às vezes perde. Quando o vírus vence, a replicação e liberação de sua progênie podem destruir uma célula. Se muitas células são danificadas pela multiplicação de partículas, resultam em graves consequências para a saúde.

Para entrar na célula, uma proteína na superfície da partícula do vírus deve se ligar especificamente a uma proteína “receptora” saindo da superfície da célula. Pode ser comparada a uma chave-mestra que pode caber em alguns tipos de fechaduras, permitindo que um ladrão entre em uma casa. Uma vez dentro, o ladrão pode usar suas ferramentas padrão para saquear e roubar. Mas a chave é a chave – a menos que ela se encaixe, a casa estará segura. Mutações virais podem alterar a forma da chave-mestra aleatoriamente. Na maioria das vezes o processo não funciona, mas, de vez em quando, o vírus alcança o formato complementar. Em alguns casos, uma chave viral que se ligou a uma proteína de animal selvagem sofre mutação e se torna capaz de se ligar a uma proteína humana semelhante. Se um humano estiver em contato próximo com o animal, o vírus poderá o contaminar. Então, como uma espécie invasora em um novo ambiente, o vírus pode se multiplicar até que o sistema imunológico aprenda a lidar com ele. Várias linhagens comuns de coronavírus infectam seres humanos e causam os sintomas geralmente leves de resfriado comum. Mas quando uma cepa de coronavírus animal passa para humanos (como o vírus SARS do início dos anos 2000, o vírus MERS uma década depois e o atual COVID-19), ele pode ser muito mais virulento.4

Design Viral

Então, eu penso que os vírus foram projetados? Sim, eu certamente penso isso! Os vírus de que estamos cientes – incluindo os coronavírus, o Ebola e o HIV – são arranjados de maneira requintada e proposital, que é a clara assinatura do design inteligente. Bem, então isso significa que o designer é mau e quer que as pessoas sofram? Não, não necessariamente. Sou bioquímico, não filósofo. No entanto, não vejo razão para que um projetista, mesmo de coisas como vírus, deva ser classificado como ruim apenas nessa base. 

Comecei este post com uma analogia de uma tempestade no oceano. Certamente, se estivéssemos em um navio em uma forte tempestade, poderíamos ser desculpados por pensar que as tempestades são ruins. Mas, em momentos mais calmos, entendemos que, em geral, o oceano é muito bom e que, dado o oceano e as leis da natureza, tempestades surgirão de tempos em tempos. Da mesma forma, a maioria dos vírus não afeta os seres humanos e pode muito bem ter um papel positivo e necessário a desempenhar na natureza da qual não temos conhecimento atualmente.5 (Eu apostaria nisso.) De tempos em tempos, uma tempestade surge na virosfera e afeta os seres humanos. Mas isso não é motivo para pensar que os vírus não foram projetados ou que o criador dos vírus não é bom.


Original: Michael Behe. Evolution, Design, and COVID-19. March 10, 2020.

Referências:

  1. Behe, MJ 2014. Evolução e o vírus Ebola: Estimular uma gaiola pequena. Notícias da Evolução https://evolutionnews.org/2014/10/evolution_and_t/
  2. Wertheim, JO et al. 2013. Um caso para a origem antiga dos coronavírus. Journal of Virology 87: 7039-7045.
  3. Simmonds, P., Aiewsakun, P. e Katzourakis, A. 2019. Prisioneiros de guerra – adaptação do hospedeiro e suas restrições na evolução do vírus. Nature Reviews Microbiology 17: 321-328.
  4. Cui, J., Li, F. e Shi, Z. 2019. Origem e evolução dos coronavírus patogênicos. Nature Reviews Microbiology 17: 181-192.
  5. Roossinck, MJ 2011. Os bons vírus: simbioses mutualistas virais. Nature Reviews Microbiology 9: 99-108.


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 265 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*