Teilhard de Chardin e a Natureza Incompleta da Teoria Evolutiva

Pierre Teilhard de Chardin em 1947 / Archives des jésuites de France ©

Nota: Dr. Shedinger é professor de religião no Luther College em Decorah, Iowa. Ele é autor de um livro recente que critica o triunfalismo darwiniano,  O Mistério dos Mecanismos Evolucionários: a Grande Narrativa do Triunfo da Biologia Darwiniana e a Subversão da Religião.


Por Robert F. Shedinger

Por que os defensores do design inteligente se preocupam com um padre jesuíta francês que morreu mais de 60 anos atrás? Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), além de sacerdote jesuíta, também era geólogo e paleontólogo que fez várias viagens à China para participar de trabalhos geológicos e paleontológicos (ele fazia parte da equipe que descobriu Piltdown Man, que mais tarde revelou ser um engano). Mas Teilhard é mais conhecido por seu livro The Phenomenon of Man, publicado em francês na década de 1930 e em inglês em 1955. Neste livro, Teilhard apresenta uma visão para o processo evolutivo que está em desacordo com a visão científica estabelecida, mas é consistente com suas próprias convicções religiosas.

Uma visão truncada

Teilhard argumentou que a ciência de seu tempo tinha uma visão truncada da evolução. Os cientistas estudaram o processo evolutivo como se fosse um filme sendo exibido em uma tela na frente deles, com os próprios cientistas como meros observadores passivos. Teilhard achava que a evolução precisava ser vista de dentro, vendo os humanos não apenas como observadores da evolução, mas também como seus produtos. Como tal, Teilhard concebeu a evolução como ocorrendo em quatro níveis, apenas dois dos quais foram reconhecidos pelos cientistas do establishment. 

O primeiro desses níveis ele chamou de cosmogênese, a evolução do universo físico. O segundo nível, ele rotulou de biogênese, a evolução da vida no universo físico. Segundo Teilhard, é aqui que tradicionalmente os biólogos evolucionários param. Mas ele acreditava que uma consideração completa do processo evolutivo exigia dois níveis adicionais: psicogênese, a evolução da consciência nos organismos biológicos e noogênese, a evolução do pensamento reflexivo, uma característica única dos seres humanos. Com a evolução dos seres humanos, Teilhard acreditava que a evolução havia cruzado o que ele chamou de “limiar de reflexão” que alteraria fundamentalmente o próprio curso da evolução. Em vez de uma tentativa e erro de bilhões de vezes, a evolução agora passaria mais intencionalmente através do exercício da mente humana. Devemos lembrar que Teilhard formulou essas ideias na década de 1930, muito antes de alguém ter concebido a possibilidade de engenharia genética. Teilhard foi presciente.

Sua ideia mais controversa

Tendo esclarecido completamente o processo evolutivo, Teilhard continuou a articular sua ideia mais controversa. Ele argumentou que, com o tempo, as mentes humanas acabariam formando uma rede de consciência reflexiva envolvendo a Terra (o que será que ele pensaria da Internet?). Ele chamou isso de noosfera. Com o tempo, a noosfera alcançaria um ponto ômega onde a consciência se fundiria completamente com o Deus que a criou. A visão de Teilhard da evolução era, portanto, altamente teleológica. O processo evolutivo existia com o objetivo de criar seres com a capacidade de pensamento reflexivo, para que pudessem se comunicar com seu Criador. Não há contingência darwiniana aqui!

Não é de surpreender que a maioria dos darwinistas uivou com desdém de Teilhard. Em resposta a The Phenomenon of Man, o Prêmio Nobel Peter Medawar publicou uma das mais devastadoras críticas de livros já escritas. Medawar chamou o livro de Teilhard de “absurdo, enganado com uma variedade de conceitos metafísicos, e seu autor pode ser desculpado de desonestidade apenas pelo fato de que antes de enganar os outros, ele se esforçou ao máximo para se enganar”. Para Medawar, ler Phenomenon trouxe sentimentos de “angústia real, até desespero”. Apesar disso, muitos filósofos e teólogos acharam o livro de Teilhard de grande interesse. Mas, de acordo com o arqui-darwiniano Daniel Dennett, a estima que os não cientistas têm do livro nada mais é do que um testemunho de sua “profunda aversão à ideia perigosa de Darwin, uma aversão tão grande que desculpa qualquer ilogicidade e tolera qualquer opacidade no que se pretende ser uma discussão.” A reação darwiniana à teologia evolucionária explícita de Teilhard é obviamente esperada. O que não esperamos é descobrir que esse desdém não foi compartilhado universalmente dentro do establishment darwiniano. 

“Nada em biologia …”

Começando com Teodósio Dobzhansky, talvez a figura mais importante na história da teoria da evolução depois de Darwin. Em seu ensaio frequentemente citado “Nada na biologia faz sentido, exceto à luz da evolução”, Dobzhansky inesperadamente chama Teilhard de “um dos grandes pensadores de nossa época”. Como homem de profunda fé cristã, Dobzhansky claramente ressoou com a tentativa de Teilhard de criar uma síntese entre evolução e pensamento religioso. De fato, Dobzhansky parece ter ficado tão impressionado com o trabalho de Teilhard que ele serviu por um ano como presidente da North American Teilhard Society (1969). Certamente, nunca aprenderemos com os livros didáticos que uma figura tão central na síntese evolutiva moderna quanto Dobzhansky parecia abraçar uma compreensão explicitamente teleológica e até teológica da evolução.

Um beco sem saída lógico

Obviamente, nem Teilhard nem Dobzhansky parecem ter apresentado um argumento explícito de design. Eles seriam melhor classificados como evolucionistas teístas. Para Dobzhansky, isso é confirmado quando, em seu ensaio citado anteriormente, ele afirma: “É claro que não há nada consciente ou intencional na ação da seleção natural”. Aqui Dobzhansky adere à história darwiniana padrão. No entanto, poucas linhas depois, ele observa a capacidade dos seres humanos de tomar decisões conscientes e intencionais e conclui: “É por isso que a espécie Homo sapiens é o ápice da evolução.” A incompatibilidade entre essas duas afirmações parece não ter ocorrido a Dobzhansky. Claramente, um processo sem direção ou propósito maior, por definição, não tem ápice. Sua tentativa de manter um ponto de vista ortodoxo darwiniano e um ponto de vista cristão ortodoxo dissolve-se simultaneamente em incoerência. Os esquemas evolutivos teístas parecem ser um beco sem saída lógico. 

Embora Pierre Teilhard de Chardin possa não ter sido o precursor do pensamento do design inteligente, por si só, o significado de apontar a natureza incompleta da teoria evolucionária de sua época não deve ser subestimado. Como Thomas Nagel argumentaria hoje, qualquer teoria da evolução que exclua a origem da mente e da consciência de consideração é, na melhor das hipóteses, meia teoria. Teilhard notou essa fraqueza da teoria evolutiva darwiniana há quase um século, e pelo menos um darwiniano muito proeminente pode muito bem ter concordado, mesmo que nunca a tenha admitido em público.


Original: Robert F. Shedinger. Teilhard de Chardin and the Incomplete Nature of Evolutionary Theory. February 13, 2020.


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 265 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*