Publicações do Design e o Grande Firewall Evolucionário

Ilustração: cadeado

A literatura revisada por pares deve ser o padrão-ouro em qualquer campo científico, apesar de, às vezes, deixar passar a ciência inútil e em outras excluir a ciência sólida, seja por motivações ideológicas ou outras razões. Os  “porteiros” são apenas humanos, propensos a preconceitos ou desejos de realização. Os humanos que policiam os “porteiros” também são propensos a ter “alucinações”. Veja algumas postagens sobre esse assunto no início desta semana, aqui e aqui.

Tendo sido afirmadas essas condições, é claro que há valor nessa literatura. É por isso que o Evolution News gasta tanto tempo analisando-a. Não falamos sobre isso há algum tempo, mas o corpo de artigos revisados por pares que dão suporte ao design inteligente é impressionante. Você pode encontrar uma extensa discussão sobre isso aqui. Lembre-se, isso é apenas a literatura que apoia o design. A crítica também é valiosa e significativa. Temos um arquivo de uma centena de artigos científicos que citam Michael Behe e seu trabalho sobre o design. Sim, muitos são negativos, mas muitos também são positivos.

Três Observações

De qualquer forma, como as pesquisas recentes por e-mail deixaram claro, esse corpo de redação publicado exige alguns comentários adicionais.

Primeiro, todos esses artigos usam o termo “design inteligente” explicitamente? Não. Mas não deixe ninguém lhe dizer que isso desqualifica de alguma forma os artigos de nossa bibliografia como apoio direto ao DI. Todos esses trabalhos são de simpatizantes do design (pelo menos um autor, em cada caso) e todos apresentam argumentos de design ou apoiam explicitamente a inferência ao design. Alguns deles usam o termo “design inteligente”, mas outros usam termos como “teleológico” ou “direcionado a objetivos”, em vez de dizer explicitamente “design inteligente”. O significado pretendido é o mesmo. Além disso, muitos dos artigos fornecem suporte explícito aos conceitos principais do design inteligente, como informações complexas e especificadas, complexidade irredutível, informações prescritivas e similares, mesmo que não o chamem de “design inteligente”.

Segundo, é verdade que nem todo periódico é respeitado igualmente. Mas o fato de os proponentes do DI estarem publicando ideias legítimas orientadas ao DI em periódicos é o que conta. Revistas como CellNatureScience, e muitas outras publicações de alto nível nunca publicarão um artigo – não neste canto do multiverso – que seja pró-DI ou cite positivamente Michael Behe, Stephen Meyer ou William Dembski, não importa quão forte seja a evidência e não importa quão bom é o artigo. Os membros da comunidade do design inteligente sabem muito bem que às vezes você pode publicar críticas modestas de certas idéias evolutivas, mas no momento em que sugere que “design inteligente” possa estar envolvido ou que você fala favoravelmente do trabalho de um proponente do DI, o grande firewall evolutivo é ativado e bloqueia o artigo. Muitos cientistas amigos do DI que tentaram publicar tiveram essas experiências. O biólogo Jonathan Wells relembra uma conversa por correspondências com um editor de periódico:

Em 2003, enviei um artigo sobre um aspecto da biologia celular a uma revista de biologia muito importante no Reino Unido. Meu artigo não mencionou o design inteligente ou citou autores do assunto, mas apresentou uma hipótese baseada na perspectiva de design. O artigo passou com êxito na revisão por pares depois que eu respondi a algumas perguntas dos revisores, e o editor me escreveu que estava pronto para publicá-lo. Mas ele me perguntou se eu era o famoso Jonathan Wells do design inteligente. Quando eu respondi afirmativamente, ele enviou o artigo para uma última “revisão”, que era um trabalho desdenhoso de “machadadas” do começo ao fim. Com isso em mãos, o editor rejeitou meu artigo.

Mesmo tendo sido citado positivamente pelos defensores do design pode prejudicar as chances de um artigo. É por isso que a Evolution News hesita em discutir artigos de pré-impressão como os da bioRxiv. Um artigo lá, que ainda não foi revisado por pares ou publicado formalmente, pode se tornar ritualmente impuro se os darwinistas perceberem que os defensores do design o elogiaram. A perversidade e a injustiça dessa situação dificilmente precisam ser sublinhadas.

Terceiro, lembre-se do fenômeno nas mídias sociais chamado “subtweeting”. Isso se refere a criticar as pessoas sem nomeá-las, geralmente em comparação com falar sobre elas pelas costas. Do Urban Diction: “Tweetar indiretamente   algo sobre alguém sem mencionar seu nome. Mesmo que seu nome não seja mencionado, está claro a quem a pessoa que está twittando está se referindo.” Muitas vezes acontece que os periódicos científicos “subtweetam” sobre argumentos de design, os de Meyer, Behe ou Dembski, sem ter a coragem, francamente, de nomeá-los. Como exemplo, as muitas tentativas desesperadas de oferecer teorias explicando a explosão cambriana, a erupção geologicamente repentina de filos de animais no registro fóssil, evidentemente possuem o livro de Stephen Meyer, Darwin’s Doubt, em mente.

Duas suposições falsas

O ponto é o seguinte: se você deseja envolver as pessoas no tópico de publicações do design, não permita que elas forcem duas suposições falsas sobre você:

  1. Que, se um artigo não contiver o termo “design inteligente”, ele não poderá ser pró-DI. A verdade é: você pode facilmente ter um artigo pró design profissional que não use o termo “design inteligente”.
  2. Que a grande maioria dos periódicos acadêmicos está aberta à publicação de um artigo que contenha o termo “design inteligente”, se a evidência for forte. A verdade é: a grande maioria dos periódicos é abertamente hostil ao DI e nunca publicaria um artigo contendo o termo “design inteligente” simplesmente por princípio (ou falta dele). Portanto, o número de artigos do design em periódicos tem menos a ver com a qualidade do trabalho de identificação e mais com o grande firewall evolutivo.

Lembrando do julgamento de Dover

E essas observações se aplicam não apenas ao “design inteligente”, mas a outros termos que tendem a iniciar argumentos. Lembre-se do famoso julgamento de Dover. Os autores da ACLU e anti-DI citaram um artigo, Long et al., 2003, que eles disseram ao juiz John Jones mostrando como “nova informação genética” poderia evoluir. O problema? O artigo não continha a frase “nova informação genética”. Nem sequer continha o termo “informação genética”! O juiz Jones citou o artigo de qualquer maneira para afirmar que os autores haviam demonstrado que a evolução poderia produzir “novas informações genéticas”.

Mas tudo bem. De fato, isso não é uma crítica ao que eles fizeram, porque o artigo certamente foi relevante para discutir a origem de novas informações genéticas, e o fato de o artigo não conter o termo “informação genética” não impediu que o artigo fosse relevante, o que aconteceu. 

Dito isto, na realidade, o artigo de Long e seus colegas não é muito bem-sucedido em mostrar como novas informações surgem, embora certamente sejam relevantes de uma perspectiva evolutiva. Se você gostaria de ver algumas críticas do artigo, leia o capítulo 11 do Darwin’s Doubt Vemos novamente que as pesquisas por palavras costumam dizer muito pouco sobre as implicações de um artigo para evolução ou design. O que é necessário, sempre, é uma análise honesta e crítica, como tentamos fornecer aqui.


Original: Evolution News. ID Literature and the Great Evolutionary Firewall. February 7, 2020.


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 265 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*