Complexidade Irredutível em Um Nível Informacional

Download PDF
Tempo de leitura: 4 min.
Um circuito. Exemplo de complexidade / ©

O conceito de complexidade irredutível consiste de um dos pilares do DI. Ele é abordado na biologia em relação aos aspectos funcionais e estruturais dos organismos, e em linhas gerais diz respeito a não possibilidade de remoção dos componentes de um organismo sem que isto afete ou até mesmo mitigue sua operacionalidade. Neste contexto, complexidade é entendida como a agregação de componentes individuais interligados a fim de formar o todo estável.

Neste texto este conceito será abordado por uma outra perspectiva, a da complexidade irredutível a um nível informacional. Para introduzir a discussão considere a frase: (I) “estamos vivendo momentos de crise em nosso país atualmente”. Esta frase pode ser reduzida para (II) “estamos vivendo momentos de crise em nosso país” sem que haja qualquer prejuízo no entendimento da mensagem transmitida. Ela pode ser reduzida ainda mais, (III) “estamos vivendo momentos crise nosso país”, e ainda possibilita um entendimento da mensagem transmitida, embora não soe bem. Ainda assim, mais uma redução pode ser executada, resultando em: (IV) “estamos vivendo crise nosso país”.

Se pretendemos codificar essas mensagens, simplesmente substituindo cada palavra por um código específico então temos algo conforme Tabela:

Palavra

Código

estamos

1

vivendo

2

momentos

3

de

4

crise

5

em

6

nosso

7

país

8

atualmente

9

Seguindo este esquema, as frases seriam assim codificadas: (I) 123456789, (II) 12345678, (III) 123578 e (IV) 12578. Visto que a frase (IV) não pode ser reduzida sem perder o significado completamente, então concluímos que o código 12578 é o cerne informacional da mensagem a ser transmitida, ou seja, mesmo que se deseje transmitir uma mensagem mais elaborada, mas com a mesma informação, este código deverá integrá-la. É claro que aqui estamos restringindo nosso alfabeto de comunicação e para um caso prático precisaríamos de uma codificação mais elaborada.

Então, se somente o cerne é suficiente para transmitir a informação, porque códigos adicionais são utilizados? No caso dos exemplos ilustrados, a codificação adicional reflete características de redundância que tendemos a apresentar, principalmente quando pretendemos ressaltar algo, ou ainda características estéticas pessoais. Por exemplo, a diferença entre as frases (I) e (II) é o código 9, o qual não acrescenta nenhuma informação a frase (II), pois os verbos conjugados no presente já realizam esta mesma função. Também poderíamos ter utilizado a expressão “situação de conflito extrema” no lugar da palavra crise, somente com a intenção de proporcionar uma exterioridade mais culta a frase, sem entretanto modificar seu significado.

Podemos observar que este exagero é típico de mentes inteligentes. Num projeto arquitetônico nem todos os componentes da estrutura tem utilidade funcional, mas alguns apenas estéticos. A natureza também não foge a estes exageros, ou você acha mesmo que é necessária toda a beleza natural que nos cerca?

O cerne informacional 12578 poderia ainda ser trasladado para outro contexto, por exemplo. “Moro na Argentina. Estamos vivendo crise nosso país”. Neste caso, o significado muda embora o cerne seja o mesmo, mas devido aos códigos antecedentes o cerne adquire outra função. Esta característica ocorre com frequência na natureza, onde podemos notar que os mesmos blocos de construção são utilizados em distintos sistemas (organismos).

Assim, de um modo geral, podemos entender que a complexidade irredutível é uma inevitabilidade funcional de muitos sistemas, sejam biológicos ou informacionais, e que extrapolando sua composição elementar podemos obter o mesmo objeto em termos funcionais, mas que na aparência apresenta distinção de seus homólogos.



Bruno Rodrigues de Oliveira
Sobre Bruno Rodrigues de Oliveira 4 Articles
Graduado em Matemática pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS, 2008). Mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP, 2015). Doutorado em andamento em Engenharia Elétrica pela mesma instituição. Atualmente é contador/distribuidor no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Tem experiência nos temas: Matemática, Processamento de Sinais via Transformada Wavelet, Análise Hierárquica de Processos, Teoria de Aprendizagem de Máquina e Inteligência Artificial. http://lattes.cnpq.br/7830342808763452

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*