Behe Sobre a Lista de Dissidentes: “Superestimar Darwinismo Significa Submestimar Suas Dificuldades”

Download PDF
Tempo de leitura: 6 min.
Lista de dissidentes do darwinismo é a ponta do iceberg / ©

Por David Klinghoffer

Para o Darwin Day, o bioquímico Michael Behe ​​toma nota da lista “Dissidência Científica do Darwinismo”, cujos signatários do PhD estão agora em mais de mil (a ponta de um iceberg). Por que a necessidade de tal lista? Na CNS News, Behe ​​escreve:

Acontece que a ação peculiar é necessária porque a teoria de Darwin é peculiar. Desde que foi proposta pela primeira vez, tem sido usado como uma arma nas guerras culturais. Em seu tempo, o biólogo Thomas Huxley, apelidado de “o buldogue de Darwin”, teve problemas com a Igreja da Inglaterra; ele e cientistas do século 19 que pensavam como eles formaram o “X Club” para promover a evolução e atacar a velha guarda inglesa dominada pelo clero. E no nosso tempo, os principais patrocinadores do Darwin Day incluem grupos com fortes visões religiosas ou anti-religiosas. Não creio que seja muito cínico suspeitar que os grupos se importem menos com a ciência do que em promover suas visões sobre as implicações filosóficas da teoria.

O uso da teoria como arma nas guerras culturais leva a que ela seja muito superestimada. Para se entender rapidamente que a teoria de Darwin é muito menos certa do que é frequentemente retratada, pense em estudos de nutrição. Os especialistas em ciência do governo notoriamente invertem as dúvidas sobre se certas substâncias dietéticas – colesterol, sal, gordura, leite – são boas ou ruins para você em maior ou menor quantidade. No entanto, se é tão difícil saber o que é saudável para os seres humanos modernos, que podem ser estudados facilmente em tempo real, como a ciência pode saber o que impulsionaria a evolução de animais extintos no passado distante – que não podem ser estudados quase tão facilmente como pessoas? A resposta simples: ela não pode. Afinal, se uma tarefa mais fácil é muito difícil, uma tarefa mais difícil certamente é muito mais. Alegações ao contrário são fanfarronice.

Superestimar o darwinismo significa subestimar suas dificuldades. Apesar das frequentes histórias da mídia de que é conhecimento certo, a teoria de Darwin não tem se saído muito bem ultimamente. Novas pesquisas sobre DNA mostram que a mutação aleatória e a seleção natural às vezes ajudam uma espécie, mas na maioria das vezes, degradam genes. Em outras palavras, eles ajudam  jogando informações genéticas pré-existentes que não são necessárias em um novo ambiente, ou que está interferindo positivamente na capacidade de adaptação de um organismo. É improvável que um processo tão fortemente des-evolutivo, para dizer o mínimo, construa uma biologia elegante. Como o site de um grupo de cientistas céticos afirma, a teoria de Darwin “ignora muitas evidências moleculares contemporâneas e invoca um conjunto de suposições não fundamentadas sobre a natureza acidental da variação hereditária”. Aposto que você não leu muita coisa sobre  isso.

Uma teoria peculiar, tudo bem

“Subestimar dificuldades” com a teoria evolucionista é a estratégia padrão dos evolucionistas, como vimos na revista Science do próximo livro de Behe, Darwin Devolves. Falando nisso, um dos co-autores, Joshua Swamidass, agora oferece uma declaração bizarra em seu blog, Peaceful Science. Fala sobre manchetes de duelo. Swamidass escreve: “Eu concordo com Behe“. O que?! Este é do mesmo cientista que outro dia assinou seu nome sob o título “A cruzada de um bioquímico para derrubar a evolução deturpa a teoria e ignora evidências” na Science. Agora, Swamidass na Peaceful Science diz: “Michael Behe ​​é um dos meus heróis.”

O diálogo só é possível se nós mantivermos pontos de vista em comum. Behe e eu temos uma  imensa  quantidade de pontos em comum. Ainda temos muito a discutir e quero que ele seja ouvido de forma justa.

Isso é realmente uma coisa estranha de se dizer, vindo de um co-autor de uma resenha que é uma detração total, falsamente ligando Behe ​​a “criacionistas”, descrevendo-o como numa busca “quixotesca” de “derrubar a moderna teoria evolucionária”, que defende a ideia do Design Inteligente “rejeitada justamente”. Ser ouvido de forma justa?

Como outros já observaram, a revisão é um “bom trabalho”. Sempre que possível, Swamidass, Lents e Lenski lançam as alegações de Behe ​​da pior maneira possível, parafraseiam seus escritos de maneira mais preconceituosa, retratam as afirmações dos críticos como inatacáveis ​​e insinuam que ele intencionalmente e enganosamente ignora as informações que julgam relevantes. Eles aludem a seus argumentos da maneira mais superficial e não mencionam nenhuma das evidências que Behe ​​cita. Praticamente toda a resenha é gasta criticando um argumento caricaturado, em grande parte não exposto e a pessoa que o fez. Agora venha e tenha um diálogo conosco, herói, já que “temos muito que discutir”?

Pois é… séria dissonância cognitiva. Mas, como Behe ​​observa, a evolução é uma “teoria peculiar” e, não surpreendentemente, produz um comportamento peculiar de seus proponentes. Retroceder e nos considerar objetivamente, sermos “ouvido de forma justa”, é o propósito da lista de dissidentes de Darwin.


Original: David Klinghoffer. Behe on Darwin Dissent List: “Overselling Darwinism Means Downplaying Its Difficulties”. February 12, 2019


Junior Eskelsen
Sobre Junior Eskelsen 218 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*