A Biologia Está Se Aproximando do Limiar de Aceitação do Design?

Download PDF
Tempo de leitura: 8 min.
Uma lagartixa exibe seus dedos do pé soberbamente projetados / ©

Lenta mas seguramente, o movimento biomimético está tendo um efeito na biologia. A tendência é global e interdisciplinar, com quase todos os tipos de organismos, desde o vírus até as baleias-jubarte, fornecendo inspiração para o design thinking. Muitos projetos de pesquisa em biomimética também produzem aplicações frutíferas que melhoram a vida humana. É uma estratégia vencedora para pesquisa, porque não só aumenta a compreensão dos sistemas biológicos, mas também é divertida. É visualmente sublime para os alunos, que adoram ver aranhas, formigas e lagartixas e aprender como elas funcionam.

Simultaneamente, a biomimética cumpre um dos objetivos de Francis Bacon (1561-1626), o defensor da investigação sistemática e metódica do mundo natural.  No Aforismo 73 do Novum Organum, Bacon disse como melhor julgar a boa filosofia natural, o que chamamos de ciência: “De todos os signos não há nenhum mais certo ou digno do que o dos frutos produzidos: pois os frutos e efeitos são os aviamentos e comprovantes, por assim dizer, para a verdade da filosofia. ”Bons frutos estão surgindo da cornucópia do design de inspiração biológica. O que o darwinismo fez pelo mundo ultimamente?

Os desenhos da natureza inspiram a criatividade humana

Cinco pesquisadores da Universidade Técnica de Cartagena, na Espanha, publicaram um artigo sobre design industrial no PLOS ONE, com o título “Uma abordagem baseada em agentes para a aplicação das formas da natureza ao design conceitual de produto”. O artigo fica aquém de usar a expressão “design inteligente”, que ainda pode ser uma ponte longe demais para periódicos politicamente corretos. No entanto, o design, a inteligência e a agência permeiam este artigo sobre o “processo de design criativo e bioinspirado”. O objetivo dos autores é melhorar a criatividade entre técnicos, engenheiros e designers – e imitar os designs da natureza é uma das melhores maneiras de fazer isso.

O objetivo de um designer é criar formas, materiais, texturas, cores e estruturas que melhorem o ambiente ao produzir objetos utilitários, máquinas e ferramentas que satisfaçam nossas necessidades e confortos. O design industrial pode ser definido como um ato criativo relacionado ao design de objetos, pois concilia o aspecto funcional com a função estética. Criatividade, por sua vez, nos permite gerar novas idéias ou conceitos e associar idéias e conceitos já conhecidos que geralmente podem produzir soluções originais. Quando um designer industrial enfrenta o desafio de encontrar uma solução baseada em forma para projetar um produto, recursos ou fontes de inspiração podem ser necessários para ajudar a encontrar a forma mais adequada; uma dessas fontes pode ser a natureza. [Enfase adicionada.]

Com esses princípios em mente, eles projetaram uma ferramenta de aprendizado para ajudar designers industriais a encontrar formas naturais que sejam funcionais e esteticamente agradáveis. Seu trabalho se expande em ferramentas existentes, como Ask Nature, descrito como “um banco de dados de ‘patentes biológicas’ em que uma ampla gama de mecanismos biológicos e propriedades pode ser pesquisada para resolver problemas tecnológicos”. Diversos programas “baseados em agentes” ou “multi-agentes” têm sido usados ​​por estudantes de engenharia para ajudar na resolução de problemas. O que esses pesquisadores trazem para a comunidade de design industrial é um reconhecimento do elemento estético para projetar objetos que são funcionais e agradáveis ​​aos olhos. Olhar para as soluções da natureza, acreditam eles, aumenta a criatividade de um designer.

Embora este artigo não seja sobre explicar a origem dos projetos da natureza, ele reconhece claramente a presença do design na natureza como fonte de inspiração. Também reconhece o papel essencial do agente inteligente no design. Coloque tudo junto e você tem o “design inteligente” como conceito, mesmo que você não use o termo.

Conte as palavras de design no artigo:

  1. Design: 137
  2. Inteligente / Inteligência: 11 (seis nas referências)
  3. Agente / agência: 141
  4. Função: 15 
  5. Criativo / Criatividade: 27
  6. Informação: 33 (incluindo informação biológica, transferência de informação)
  7. Biomimética / biomimética: 17 (doze nas referências)
  8. Complexo / complexidade: 41 

Notavelmente ausentes do artigo, inversamente, estão as palavras sobre acaso, aleatoriedade ou evolução.

Testando o Paradigma

Acreditando no poder da natureza para inspirar o design, os autores criaram um programa para aumentar a criatividade de um designer. A ferramenta inclui, em um estágio no processo de design, uma etapa de biomimética, pedindo ao aluno para examinar formas naturais em sua funcionalidade e aspectos estéticos. Eles testaram sua nova ferramenta com 15 estudantes voluntários em programas de graduação em desenho assistido por computador para ver se aumentava a criatividade. Estudos de caso individuais contam como os alunos abordaram suas tarefas de desafio de design e como eles se saíram. “Em geral, um resultado satisfatório foi obtido em termos de gestão e todos consideraram que a ferramenta foi útil e favoreceu o processo criativo na fase de projeto conceitual”. Em conclusão, eles dizem:

Quando os designers enfrentam o desafio de moldar um produto, algumas fontes de inspiração são necessárias para melhorar o processo criativo. A natureza pode ser um recurso inesgotável de idéias, mas dado o vasto número de possibilidades disponíveis, pode ser uma tarefa complexa se determinados conceitos forem buscados. Para melhorar o trabalho dos designers, é necessário utilizar ferramentas de apoio na fase de projeto conceitual que promovam a criatividade graças aos estímulos visuais. Assim, a exposição a exemplos biológicos com a ajuda de símbolos e imagens pode melhorar a geração de novas idéias. Com base nesse conceito, uma nova abordagem é proposta para estabelecer relações cognitivas entre diferentes parâmetros de forma da natureza. O início do processo criativo começa com símbolos que representam as formas mais importantes encontradas na natureza. Depois de várias seleções terem sido feitas, a ferramenta oferece uma série de imagens de elementos da natureza que atendem a condições baseadas em forma previamente estabelecidas. Este processo cognitivo aumenta a criatividade, buscando a forma que melhor se adapte à estética de um produto a ser projetado.

Revoluções Científicas em Estágios

Este artigo trata do design industrial mais do que a biologia em si, mas considere os seguintes aspectos sobre os princípios expressos que podem encorajar a comunidade do Design Inteligente:

  • O design na natureza ganha respeito pelo seu valor funcional e estético.
  • O design em biologia aprimora o processo criativo.
  • O design é uma atividade mediada por agente.
  • O artigo passou pela revisão por pares sem mencionar a evolução, mas centenas de palavras de design.
  • O design natural é um tópico legítimo de pesquisa científica, sem suposições religiosas.

Revoluções científicas geralmente acontecem em etapas. Primeiro, acumulam-se evidências que estão em desacordo com o paradigma do consenso. Em seguida, mais e mais pesquisadores se sentem à vontade usando a nova linguagem de um paradigma alternativo. Finalmente, a maioria dos cientistas não vê razão para manter o velho paradigma, e a revolução está completa. 

Podemos estar vendo esse meio termo, onde a linguagem de design não é mais vista como uma ameaça em certos círculos, como a engenharia biomimética. Uma vez que a conexão lógica se torne inegável entre o que os agentes humanos fazem para projetar coisas que são funcionais e belas, e o que a natureza alcança com sua enorme vitrine de designs inspiradores, mais cientistas podem começar a sincronizar seus pensamentos: “Nós usamos nossas mentes para projetar, então deve haver uma mente por trás dos desenhos naturais. E deve ser uma mente superior, já que mal podemos chegar perto de seu desempenho”.


Original: Evolution News. A biologia está se aproximando do limiar da aceitação do design? 8 de janeiro de 2019, 3h45


Junior Eskelsen
Sobre Junior Eskelsen 228 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*