O Verdadeiro Problema da Convergência

Download PDF
Tempo de leitura: 5 min.
Bebê de petauro-do-açúcar (Petaurus breviceps) / ©

Por Cornelius Hunter

A biologia está repleta de exemplos de convergência — projetos repetidos em espécies distantes. Marsupiais e placentários, por exemplo, são mamíferos com diferentes desenhos reprodutivos (os placentários têm crescimento significativo no estágio embrionário ligado à placenta rica em nutrientes, enquanto os marsupiais não têm placenta e experimentam desenvolvimento significativo após o nascimento), mas de alguma maneira possuem muitas espécies semelhantes.

O petauro-do-açúcar e o esquilo voador, por exemplo, têm semelhanças distintas, incluindo seus casacos que se estendem do pulso ao tornozelo, permitindo que planem longas distâncias. Mas os evolucionistas devem acreditar que essas semelhanças distintas evoluíram separadamente e independentemente porque um é marsupial e o outro é placentário, e esses dois grupos devem ter divergido muito antes na história evolutiva. Simplificando, as mutações aleatórias da evolução devem ter duplicado dezenas de projetos nesses dois grupos.

É como se um raio atingisse duas vezes o mesmo lugar, mas para os evolucionistas — que já aceitaram a ideia de que esquilos e todas as outras espécies surgiram por mutações ao acaso — não é difícil de acreditar. Simplesmente aconteceu duas vezes em vez de uma vez (ou várias vezes, nos casos de muitas convergências).

O que muitas vezes não é compreendido pelos evolucionistas ou por seus críticos é que a convergência apresenta um problema teórico completamente diferente. Simplificando, a evidência e motivação fundamentais para a evolução é o padrão de semelhanças e diferenças entre as espécies. Segundo essa teoria, as espécies se enquadram em um padrão evolutivo com grande precisão. Espécies no mesmo ramo da árvore da vida evolutiva compartilham uma relação próxima por descendência comum. Portanto, eles compartilham semelhanças entre si de maneira muito mais consistente do que com espécies de outros ramos.

Este é um padrão muito específico e pode ser usado para prever diferenças e semelhanças entre espécies, dado o conhecimento de onde elas estão na árvore evolutiva.

A convergência viola esse padrão. A convergência revela semelhanças impressionantes em diferentes ramos. Isso deixa os evolucionistas lutando para descobrir como “um raio poderia atingir duas vezes o mesmo lugar”, como ilustrado em um simpósio recente:

A convergência indica principalmente adaptação ou restrição? Com que frequência a convergência deve ser esperada? Existem princípios gerais que nos permitem prever onde, quando e por quais mecanismos a evolução convergente deve ocorrer? Qual o papel da história natural no avanço de nossa compreensão dos princípios evolutivos gerais?

Não é um bom sinal de que no século XXI os evolucionistas ainda estejam confusos com a convergência, que é galopante na biologia, e como isso poderia ocorrer. Isso certamente é um problema para a teoria.

Mas um problema mais fundamental, que os evolucionistas não consideraram, é que a convergência viola o padrão evolutivo. Independentemente das explicações de adaptação versus restrição, e quaisquer outros mecanismos que os evolucionistas possam imaginar, o fato básico permanece: a evidência e predição fundamentais da evolução são falsificadas.

As espécies não se enquadram no padrão evolutivo esperado.

O fracasso das previsões fundamentais — e esse é um fracasso difícil — é fatal para as teorias científicas. Deixa a evolução não como uma teoria científica, mas como um exercício narrativas ad hoc. As espécies revelam o padrão evolutivo esperado — exceto quando não revelam. Nesses casos, eles revelam algum outro padrão.

Portanto, independentemente de onde você se posicionar neste debate, entenda que as tentativas de explicar a convergência sob a teoria da evolução, embora sejam importantes na ciência normal, não fazem nada para remediar o problema teórico subjacente, que é devastador.


Original: Cornelius Hunter. The Real Problem With Convergence. May 25, 2017.


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 242 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

2 Comentários

  1. O maior problema da teoria da evolução é justamente a reprodução. Os evolucionistas dizem que o primeiro ser vivo era simples, mas como algo que se reproduz pode ser simples? Não é como uma fotocopiadora, é como um carro de última geração se dividir em outros 2 iguais, isto sendo bem conservador em matéria de complexidade.

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*