Genética e Epigenética – Novos Problemas para o Darwinismo

Download PDF
Tempo de leitura: 11 min
Epigenética: além da herança genética tradicional.

Observação:: Há uma nota do tradutor sobre o significado do título no rodapé do texto.


Por Evolution News (adaptação)

Novas descobertas em genética e epigenética estão criando novos problemas para a evolução. A versão simplista do neodarwinismo espera que toda variação provenha de mutações genéticas, as quais são selecionadas pela aptidão. O DNA não-codificante foi relegado à pilha de lixo esquecida pela seleção natural, que privilegia o DNA que codifica as proteínas. Em uma noção chamada subfuncionalização, cópias de genes podem estar livres para sofrer mutação e se transformar em novas proteínas, ou decair em “pseudogenes”, um tipo de DNA lixo. Como de costume, as teorias simplistas costumam estar erradas.

Quantos genes?

O Projeto Genoma Humano terminou com um número surpreendentemente baixo de genes. Mas e se eles não perceberam alguns? Pesquisadores de Yale têm encontrado genes que foram identificados erroneamente como codificação não-proteica devido aos métodos que os pesquisadores anteriores usaram para classificá-los. Um dos genes recentemente identificados, dizem eles, desempenha um papel fundamental no sistema imunológico. Existem outros?

As descobertas sugerem que muito mais genes codificadores de proteínas e funções podem ser descobertos. “Uma grande parte dos genes importantes codificadores de proteínas foram perdidos em virtude de sua classificação”, disse o primeiro autor Ruaidhri Jackson. Sem investigar e identificar esses genes, “não podemos entender completamente o genoma codificador de proteínas ou rastrear adequadamente os genes para fins de saúde e doença” [ênfase adicionada].

A primeira sentença de seu artigo na Nature diz: “A anotação do genoma de codificação de proteína dos mamíferos é incompleta.” Eles identificaram um “grande número de RNAs que foram previamente anotados como ‘codificação não-proteica'”, alguns dos quais são “transcritos como potencialmente importantes” capazes de produzir proteínas. Métodos restritivos no passado “podem obscurecer o papel essencial de uma multiplicidade de genes codificadores de proteínas não descobertos anteriormente”.

Epigenética no Domínio Archaea

A herança epigenética e a regulação funcionam apenas em eucariontes? Não. Cientistas da Universidade de Nebraska-Lincoln descobriram que os membros do “simples” domínio Archaea também a possuem. Eles observaram que os micróbios herdam a extrema resistência aos ácidos em fontes termais de Yellowstone, não através da genética, mas através da epigenética.

A surpresa é que ela está nesses organismos relativamente primitivos, que sabemos ser antigos“, disse Blum, Charles Bessey Professor de Ciências Biológicas em Nebraska. “Temos pensado nisso como algo (evolutivamente) novo. Mas a epigenética não é uma recém-chegada ao planeta.

A descoberta “levanta questões … sobre como eucariontes e archaea passaram a adotar a epigenética como um método de herança”. Agora eles têm que confrontar se um ancestral comum ainda mais antigo a teve, ou se ela evoluiu duas vezes. “É um conceito realmente interessante do ponto de vista da evolução”, disse um estudante de doutorado envolvido na pesquisa. Já os críticos do neodarwinismo podem descrever essas alternativas de forma diferente de apenas “interessante”. Talvez como ridículas, talvez, ou falsificadoras.

Epigenética em plantas

Resumidamente, um artigo na PNAS considera que “a manutenção parcial de marcas epigenéticas específicas de órgãos durante a reprodução assexuada da planta leva a uma variação fenotípica hereditária”. Por que os clones, com genomas idênticos, diferem? A resposta é epigenética.

Descobrimos que a novidade fenotípica na progênie clonal estava ligada a impressões epigenéticas que refletem o órgão usado para regeneração. Algumas dessas impressões específicas de órgãos podem ser mantidas durante o processo de clonagem e subsequentes ciclos de meiose. Nossos achados são fundamentais para a compreensão do significado da variabilidade epigenética decorrente da reprodução assexuada e têm implicações significativas para futuras aplicações biotecnológicas.

Ordem Não Genética

Aqui está um fenômeno celular que realmente é interessante, porque revela uma ordem estrutural recém-descoberta na membrana celular. Essa ordem estrutural certamente é herdada de alguma forma, mas pode ter pouco a ver com genes. Os bioquímicos pensaram durante um século que o espaço interno na membrana é fluido e desordenado, mas as técnicas para sondar esse espaço têm sido difíceis porque os detergentes utilizados rompem a membrana. Agora, pesquisadores da Virginia Commonwealth University, em conjunto com Joachim Frank, usaram um novo método sem detergentes. Eles ficaram surpresos – não, abismados – em encontrar uma estrutura 3D ordenada hexagonal entre as moléculas na bicamada lipídica. Existe uma razão para essa estrutura ordenada?

Onde os modelos anteriores mostravam uma camada lipídica fluida, quase sem estrutura – um artigo de pesquisa frequentemente citado comparou-a a diferentes pesos de óleos juntos – a equipe liderada pela VCU ficou surpresa ao encontrar uma estrutura hexagonal distinta dentro da membrana. Isso levou os pesquisadores a propor que a camada lipídica poderia atuar como sensor e transdutor de energia dentro de um transportador de proteína de membrana.

“O resultado mais surpreendente é a alta ordem com que as moléculas lipídicas são organizadas, e a ideia de que elas podem até cooperar no ciclo funcional do canal de exportação”, disse Joachim Frank, Ph.D., da Columbia University, em 2017 Prêmio Nobel em química e co-autor do artigo. “É contra-intuitivo, uma vez que aprendemos que os lipídios são fluidos e desordenados na membrana.”

O trabalho deles na PNAS não diz nada sobre genética, então talvez isso aconteça através de interações físicas dos lipídios e dos canais de proteína. O que quer que cause este arranjo ordenado, parece interagir com os canais transmembrana, adaptando-se às mudanças conformacionais das proteínas, particularmente um transportador chamado AcrB. Sem a malha hexagonal ao redor do canal, e apenas um fluido desordenado, a ação dos canais pode ser menos eficiente, como um boxeador sem um parceiro de treino batendo no ar. Não só isso, a malha hexagonal também transmite a atividade do canal pela membrana para suas adjacências.

Através de contatos proteicos definidos, a bicamada lipídica detecta as mudanças conformacionais que ocorrem em cada domínio da transmembrana e, em seguida, transduz efeitos dessas mudanças através da bicamada lipídica para protomers vizinhos em uma interação viscosa entre os lipídios da cavidade e o trímero AcrB.

Outro Golpe no Dogma Central

Mauro Modesti dá sua perspectiva sobre uma nova descoberta na Science, “Uma pitada de RNA estimula o reparo do DNA.” O Dogma Central da genética que vê o DNA como a molécula mestra controlando tudo “rio abaixo”, sem feedback, vem sofrendo desde que foi ensinado pela primeira vez na década de 1960. Na mesma edição da Science, um artigo revela que o RNA desempenha um papel essencial no reparo do DNA. O que isto significa? Modesti explica:

Pryor et al. relatam a descoberta surpreendente de que ribonucleotídeos são freqüentemente incorporados em extremidades de DNA quebradas, o que realça o reparo. Esta descoberta importante anula o dogma central da biologia molecular, demonstrando que a incorporação temporária de ribonucleotídeos no DNA tem uma função biológica.

O Determinismo Genético Vive

A ideia de que os humanos são “peças de peões” de seus genes tem uma longa história, principalmente negativa. O determinismo genético mina o livre-arbítrio e o caráter, dando às pessoas algo físico para culpar por seus problemas. Os materialistas continuam com o mau hábito, como mostrado neste artigo na Nature Scientific Reports: “Uma perspectiva genética sobre a relação entre o bem-estar eudaimônico e o hedônico”. As notícias da Universidade de Amsterdã são francas: “Descoberta do primeiro variantes genéticas associadas ao significado na vidaMas algo psicológico ou espiritual pode ser reduzido a genes? 

Eles verificaram amostras de DNA de 220.000 indivíduos e fizeram com que respondessem a um questionário. As variantes genéticas, dizem, “são expressas principalmente no sistema nervoso central, mostrando o envolvimento de diferentes áreas do cérebro”.

“Esses resultados mostram que as diferenças genéticas entre as pessoas não apenas desempenham um papel nas diferenças de felicidade, mas também nas diferenças de significado na vida. Por um significado na vida, queremos dizer a busca de significado ou propósito de vida.

Esses pesquisadores já aprenderam que a correlação não é causalidade? Eles inspecionaram seus próprios genes? Eles responderam a um questionário dizendo que sentiam eudaimonia quando propunham determinismo genético? Seus genes determinaram sua própria filosofia da mente? Se sim, então como alguém pode acreditar neles? O que são universidades ensinando cientistas hoje em dia?

As noções simplistas de neodarwinismo pareciam mais plausíveis antes que novas técnicas descobrissem a evidência de um esplêndido design acontecendo nas células. Se a tendência continuar, 2019 será um ótimo ano para o design inteligente.


Nota do Tradutor: O título apresenta “novos problemas” ao público comum, a epigenética já pode ser vista como problema ao darwinismo desde sua descoberta, há cerca de 50 anos. Ainda que esse aspecto não tenha recebido atenção e nem tenha sido abordado criticamente, o fato é que hoje sabemos o tipo problema que temos.

Sobre a história da epigenética:

A primeira sugestão de que a metilação do DNA (ou desmetilação) poderia ter um importante papel biológico foi feita por Griffith e Mahler, que propuseram em 1969 que ela pudesse fornecer uma base para a memória de longo prazo no cérebro. Em 1975, dois artigos foram publicados, delineando um modelo molecular para a mudança de atividades gênicas, e também a herdabilidade da atividade gênica ou inatividade. Foi baseado na metilação enzimática da citosina no DNA, que também pode ser referida como modificação do DNA. As propostas de Riggs e Holliday e Pugh eram muito semelhantes, mas foram feitas de forma completamente independente uma da outra.

Robin Holliday. Epigenetics: A Historical Overview. 07 Apr 2006.

Original: Evolution News. Genetics and Epigenetics — New Problems for Darwinism. January 10, 2019.


Junior Eskelsen
Sobre Junior Eskelsen 168 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*