O Ódio Comum no Iluminismo e o Surgimento da regra do Naturalismo Metafísico

Por que os ateus queimaram uma Bíblia?

O ódio comum dos iluministas e dos Jesuítas a Bíblia, fabricou amizade entre os grupos e regras nas universidades católicas como “naturalismo metafísico” , para eliminar temas bíblicos da ciência e ao mesmo tempo apoiar tudo que a combatesse?

Não sei exatamente . Mas o iluminismo politico estava sendo produzido principalmente por meio de países protestantes[1]com Voltaire por exemplo podendo escrever exilado na Inglaterra , mas um ódio comum e uma rejeição comum transparecia, tanto nos céticos que abraçavam a revolução política (principalmente a revolução francesa que foi anti religiosa) , como também nos católicos ameaçados pela Bíblia como autoridade acima da Igreja e dos papas.

Então a Bíblia, que era um livro queimado pela Igreja católica e até mandado pra fogueira e/ou tortura quem a tivesse, era alvo tanto de céticos quanto de católicos.

Talvez o resultado deste ódio comum a Bíblia fez com que o iluminismo tivesse apoio da Igreja por meio de universidades , a maioria liderada por Jesuítas que tinham forte compromisso de combater a Bíblia dos protestantes, a tratar de eliminá-la da ciência.

E talvez deste ódio comum nasceu uma amizade comum e consenso que norteou toda revolução no pensamento humano, a partir dos poderosos Jesuítas em sua missão da contra-reforma e tudo poderia ser verdadeiro, racional e científico na revolução do pensamento, desde que se combatesse a Bíblia dos protestantes.

E assim a parte da Bíblia testável, falseável tanto quanto qualquer assunto, foi sistematicamente combatida como vemos nos livros de ciências hoje onde retratam o pensamento criacionista e do Design Inteligente da forma mais simplória e precária possível, elencando assuntos como o diluvio, onde sempre tivemos grandes discussões entre geólogos , ao lado de lendas de mula sem cabeça, papai Noel, etc enquanto que assuntos que competem, com as melhores imagens, gráficos, dizeres, etc.

Covid-19

Sabemos que a Bíblia condena se alimentar de morcegos do covid-19, e porcos do Hn1, condena comer macacos como o Rhesus do HIV, e recomenda usar plantas amargas depois das festas de Israel, e as folhas das plantas para a cura das nações, assim como ocorre menor numero de mortes por Covid-19 nos países que usam muito fitoterapia. A mesma Bíblia que fala de um “Design Inteligente” Criador que nos ajuda a entender as funções inteligentes dos órgãos, do DNA, de cada processo bioquímico repleto de “antevidência genial” (Eberlin, 2020).

Velas Substitutas e os novos papas infalíveis

Unido a isso, muitas crenças populares religiosas começaram a ser questionadas pelo método cientifico e/ou excluídas de antemão pelas regras naturalistas e pelo positivismo que quando for conveniente, exclui o metafisico e se concentra mais nos fatos testáveis.

Ninguém avisou dos efeitos colaterais disso, e que assim como a vida sempre encontra uma saída, a religião intrínseca na natureza antropológica do homem encontraria uma “saída” se expressando agora pela matéria, por sopas mágicas , por explosões criadoras, pela poderosa seleção natural que se parece mais um deus criador na academia, por milagres teóricos e por outros papas e reis infalíveis defendidos agora por um sacerdócio cientifico, este sim, também “infalível”.

Notas de rodapé