Analisando a Onda do Fake News na Pandemia

NÃO É FAKE, É FATO: BAHIA POPULAR PROVA QUE BANDEIRA ESTÁ SEM ...

Vamos analisar 3 iniciativas de medicina muitas vezes chamadas de fake news, para verificar se são mesmo fake ou são assuntos defendidos por grande número de publicações científicas.

1. Fitoterapia Antiviral contra o Covid-19
2. Ozonioterapia
3. Autohemoterapia e Autohemoozonioterapia

Introdução – A Mania de chamar tudo quanto há de Fake News

Parece que virou moda falar que toda novidade , solução, que não pertencer ao oficialato da industria farmacêutica (até porque só ela tem dinheiro pra bancar testes clínicos e definir o que pode ou não ser usado pelos humanos ) seja fake news.

Estas maneiras de se tratar na maioria das vezes são produtos  baratos que não geram receita de investimento nem para pagar 0,00001% do altíssimo custo das “trial clinical” e sempre vão andar na ciência pelo lado de fora , em testes em animais, práticas complementares, etc..

Na internet aparece toda sorte de  inquisitores de meia tigela , desde o público popular papagaio do que a TV comenta, até mesmo cientistas da mais alta patente , percebo que pelo menos a maioria deles , não compreende uma coisa: Que científico NÃO É apenas aquilo que passou por testes clínicos, os quais podem ser até DISPENSADOS em relação a práticas milenares (fitoterapia por exemplo), pois o caminho foi apenas pela confirmação do que se usa a milênios. Também protocolos que não representem LUCRO (pois neste caso não haverão investidores capazes de bancar os caríssimos “trial clinicals” que em geral bancam apenas os próprios produtos patenteados da industria, invalidando todo esforço neutro cientifico, dando lugar apenas ao viável e comercial e aliciando médicos e vozes de liderança para que em uníssono gritem: FAKE NEWS, FAKE NEWS

O nosso Brasil é um país de gente muito sem noção e medíocre.  Nossas mortes falam por si, nossa educação teórica que tem o dom de ensinar coisas inúteis, nossa posição educacional no ranking internacional , nosso IDH, nosso número de patentes,  nosso baixíssimo numero de médicos para cada 1000 pessoas, praticamente todos os índices nos levam a crer que somos um povo atrasadíssimo repleto de  pessoas que repetem as coisas sem antes analisar , e seguem regras e ondas feito boiadas assustadas para um lado extremo  e para outro.

1. Fitoterapia

A TV praticamente não mostra centenas de trabalhos a respeito de plantas medicinais  por mais que países que fazem muito uso das mesmas sofram menor número de mortes proporcionalmente falando.

Paises

Um relatório sobre prevalência de plantas medicinais deu destaque a um país pobre, Ghana, mas de 25.430 casos em uma população de 31 milhões ,  apenas 139 mortes por Covid-19 . Sub-notificação? Não,  pois o Japão super notificado com 136 milhões de habitantes , super conhecido por usar muito plantas medicinais, tem em torno de 1000 mortos apenas.   Diversos outros exemplos podemos citar na mesma situação. A ciência dos sintéticos domina principalmente em países mais ricos, mas parece que cada vez mais tem se encurvado a sabedoria da natureza ou do design. O seres vivos demonstram cada vez mais que o melhor projeto para que viva é voltar-se ao natural. Lembrando também  que quem de fato produz a vacina são seres vivos desafiados (expostos ao patógeno), ou seja, quanto mais o ser humano interagir com a natureza, tanto mais eficiente será suas soluções.

Esta observação, de que países que usam muito plantas medicinais apresentavam menor índice de mortes por Covid-19,  veio por acidente , pois estávamos procurando por plantas medicinais que podem contribuir para o controle de pressão arterial e diabetes para a construção de um questionário informativo a estes pacientes , uma vez que houveram publicações que alertaram que medicamentos sintéticos como losartana , enalapril e outros,  aumentavam expressões celulares que receptam o vírus da Covid-19,  e acidentalmente , comecei também a comparar índice de mortes por Covid-19 nos países de mais usavam plantas medicinais. Não era o Brasil nem EUA logicamente.

Por exemplo, tinha acabado de ler um artigo cientifico mostrando que em Marrocos tem alto índice de diabéticos e hipertensos (grupo de risco de Covid-19) e que um alto percentual da população se trata com plantas medicinais, Phytotherapy of hypertension and diabetes in oriental Morocco então fui verificar numero de mortes por Covid 19 em Marrocos e olha só: 259 até 15/07/2020,  numa população de 36 milhões .

Outra evidencia, na palestina onde só teve 44 mortes por Covid-19 relatadas , numa população 5 milhões, o “uso de terapias à base de plantas no diabetes é altamente prevalente na Palestina. Mais de 70% das pessoas que usam”.  Complementary and alternative medicine use amongst Palestinian diabetic patients

A evidência mais forte disto vem daqueles que representam a metade da população mundial onde se usa muito medicina alternativa e plantas medicinais: China e Índia. A própria Índia e China com seus 3 bilhões de habitantes , quase a metade do planeta, tem proporcionalmente , um número bem menor de mortes . Índia com 1,38 bilhão tem 25 mil mortes e China, 4700 (E apesar que desconheço quem  confia nos dados relatados da China, penso que eles não devem ter mais de 50 mil mortes, o que já seria um índice muito pequeno proporcionalmente).

O Japão tem altíssimo uso de plantas medicinais e medicina alternativa,  e teve com 136 milhões de habitantes , em torno de 1000 mortos por Covid-19 até agora. Australia tem 26 milhões de habitantes e tem  apenas 113 mortes , detalhe, sua legislação para fitoterapia e medicinas alternativas é bem mais liberal e diferenciada cooperando para que plantas tenham maior liberação.

Já os países onde a medicina é controlada por aquilo que passou pelos caríssimos  “trial clinica” 1, 2 e 3, testes clínicos estes que não saem menos de 300 milhões de  dólares,  onde somente a industria de sintéticos tem dinheiro pra bancar , e por isso quase apenas  medicamentos industriais patenteáveis que tenham exclusividade de fabricação é são recomendados, ficando de fora plantas, patentes vencidas, medicamentos já conhecidos por vários laboratoristas, e métodos alternativos baratos que não representem grandes percentuais e propinas nas vendas de equipamentos e prestação de serviço.

Como  EUA, Brasil, Reino Unido, Itália, França, etc, demonstram ser mais dominados pela ciência ocidental que é dominada comercialmente pela industria, o número de mortes  mortes assustam.

https://traditionalmedicine.pharmaceuticalconferences.com/ cruzando com https://www.worldometers.info/coronavirus/#countries
Traditional Medicine Conferences 2020 | Alternative Medicine ...Paises mortes

 

Alho e Cebola: Bem mais eficiente que a hidroxicloroquina

Este demonstrou que o alho é 4 vezes mais eficiente que a hidroxicloroquina
Computational screening approaches for investigating potential activity of phytoligands against SARS-CoV-2

A nova infecção por Coronavírus é responsável por inúmeras mortes em todo o mundo, e ainda não há vacina profilática aprovada ou tratamento específico disponível. Com base em evidências de estudos laboratoriais, animais e clínicos, a hidroxicloroquina é uma das opções de tratamento selecionadas em ‘Solidariedade’ – um ensaio clínico internacional para ajudar a encontrar um tratamento eficaz para o COVID-19, lançado pela Organização Mundial da Saúde e parceiros. No entanto, o medicamento reaproveitado, a hidroxicloroquina pode causar reações adversas ao medicamento e contra-indicações, incluindo cardiomiopatia, insuficiência hepática fulminante, vertigem e outras reações alérgicas. Sob tais circunstâncias, há uma necessidade urgente de rastrear novos leads naturais que exibam atividades antivirais específicas contra o SARS-CoV – 2. O presente estudo sugeriu que os fitoligandos derivados de ervas medicinais exibiam potenciais propriedades de ligação aos principais fatores de virulência da SARS-CoV – 2. As fitomoléculas selecionadas foram rastreadas com base em propriedades farmacocinéticas e semelhantes a drogas aceitáveis, tornando-as assim exploráveis ​​com segurança para o sistema de mitigação de Coronavírus. O presente estudo mostrou que a gama-glutamil-S-alilcisteína (GGA) exibia especificamente a energia de ligação mais significativa e a posição de acoplamento para os principais fatores de virulência viral (valor EGlicoproteína de pico GGA + pico = –578,57 Kcal / mol; Valor E GGA + protease principal viral = –493,53 Kcal / mol; Valor E GGA + endoribonuclease = –825,00 Kcal / mol) em comparação com a porção química conhecida hidroxicloroquina (valor E HCQ + glicoproteína de pico = –207,47 Kcal / mol; valor E HCQ + protease principal viral = –235,48 Kcal / mol; valor E HCQ + endoribonuclease = –213,54 Kcal / mol). Portanto, o presente estudo fornece implicações para o possível uso de gama-glutamil-S-alilcisteína (fonte à base de plantas: Allium sativum) como um candidato novo e prospectivo a medicamentos. Essa fitomolécula também é encontrada em outras espécies do gênero Allium ( A. cepae A. schoenoprasum). . Em vista da atual pandemia viral e da escassez de terapia eficaz, novos estudos devem ser urgentemente realizados, a fim de explorar o potencial terapêutico da gama-glutamil-S-alilcisteína contra SARS-CoV-2.Computational screening approaches for investigating potential activity of phytoligands against SARS-CoV-2

 

A Camellia sinensis (chá verde) e chá preto testaram ser potentes antivirais compatíveis tambem para o virus do Covid 19 https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/07391102.2020.1779818. 

“compostos polifenólicos e são galato de epigalocatequina (EGCG), epigalocatequina (EGC), galato de epicatequina (ECG), epicatequina galato (ECG), epicatequina (CE), galocatequina-3-galato (GCG), galocatecina (GC), catequina galato (CG) e catequina (C) (Ai et al., 2019) Esses polifenóis / catequinas do chá verde são compostos promissores na exibição de atividades antivirais. Eles mostram atividade antiviral contra uma ampla gama de vírus humanos, incluindo influenza, hepatite B, hepatite C, vírus do herpes simplex e HIV (Calland et al., 2012 ; Fassina et al., 2002 ; Ide et al., 2016 ; Lyu et al. ., 2005 ; Xu et al., 2008 ). Esses polifenóis são até ativos contra o vírus da dengue (DENV), vírus Chikungunya (CHIKV) e vírus Zika (ZIKV) (Carneiro et al., 2016 ; Ismail & Jusoh, 2017 ; Mahajan et al., 2020 ; Weber et al., 2015) “

Tabela 3. Porções de ervas selecionadas mostrando utilidade antiviral provável, avaliada pelo emprego de extenso aumento da literatura. (Tabela adaptada colocada informações e imagens retirada  do artigo https://www.researchsquare.com/article/rs-23206/v1)

Planta Princípio ativo mais estudado Efeitos Anti-Virais Foto
Alisma canaliculatum  A.Braun & CDBouchéorelha-de-mula e tanchagem Alisol A 24-Acetato Atividade anti-influenza observada à medida que a porção de ervas inativa o receptor de pico de hemaglutinina. Tanchagem: a melhor erva curandeira do planeta! Veja todos os usos ...
Allium cepa  L.Cebola Gama-Glutamil-S-alilcisteína Impede a ligação do vírus à célula hospedeira, altera a transcrição e tradução do genoma viral na célula hospedeira e também afeta a montagem viral. Expectorante limpa as vias respiratórias.“energia de ligação e a posição de acoplamento mais significativas em relação aos principais fatores de virulência viral (valor EGGA + glicoproteína de pico = –578,57 Kcal / mol; Valor E GGA + protease principal viral = –493,53 Kcal / mol; Valor E GGA + endoribonuclease = –825,00 Kcal / mol) em comparação com a porção química conhecida hidroxicloroquina (valor E HCQ + glicoproteína de pico = –207,47 Kcal / mol; valor E HCQ + protease principal viral = –235,48 Kcal / mol; valor E HCQ + endoribonuclease = –213,54 Kcal / mol)”. hiperideal.vteximg.com.br/arquivos/ids/170995-1...
Allium sativum  L.Alho AllicinaGama-Glutamil-S-alilcisteína Atua principalmente como inibidor da protease. Garlic (bulb) – Allium sativum
Artemisia capillaris  Thunb.losna Beta-cariofileno Alívio sintomático em caso de infecção pelo vírus da hepatite. Artemisia capillaries
Artemisia caruifolia  Buch. -Presunto. ex Roxb.losna Caruilignan Atividade do vírus anti-influenza e anti-herpes simplex; também inibe a protease do HIV-1. Artemísia. (Foto: Wikimedia Commons) (Crédito: )
Espargos racemosus  Willd. Isoasparagina Alívio sintomático em caso de infecção pelo vírus herpes. Espargos Racemosus: Usos, efeitos colaterais, interações, dosagem ...
Berberis aristata  DC.Bérberis, espinheiro-vinheto, uva-espim. Berberine Inibe a entrada e a replicação do enterovírus 71, regulando negativamente a via de sinalização MEK / ERK e a autofagia. Berberina - Para emagrecer e parar de espirrar, ufa! - GreenMe.com.br
Boswellia serrata  Roxb.Boswellin, salai guggal, olíbano, incenso, olibano. Ácido 11-ceto-beta-boswélico Inibe infecções por vírus da estomatite vesicular e Chikungunya, bloqueando sua entrada. Boswellia serrata (Salai) in Kinnarsani WS, AP W2 IMG 5840.jpg
Camellia sinensis  (L.) Kuntzechá-da-índia. Quercetina Suprimiu a entrada do vírus da hepatite C e também inibiu a replicação do RNA viral. As folhas de Caméllia Sinensis e seu poderoso Chá Verde | Blog da ...
Chlorophytum borivilianum  Santapau e RR Fern. Neotigogenina Potencial de modulação de citocinas. Planta
Curcuma longa  L.turmérico, raiz-de-sol, açafrão-da-índia, açafroa e gengibre amarelo Curcumina Inibe a entrada de vírus Chikungunya e estomatite vesicular. Curcuma longa – blog Tudo Sobre Plantas
Epimedium flavum  Stearn: Epimedii Wushanicariin Induziu a secreção de IFN tipo I e citocinas pró-inflamatórias. Epimedium | Ewé-Ó!
Gingko biloba  L. Amentoflavona Inibe a protease viral, especificamente em caso de infecção pelo HIV. 5 Sementes Fruta Raras Biloba Ginkgo P Mudas Bonsai Gramas - R$ 29 ...
Houttuynia cordata  Thunb. β-mirceno Inativação da proteinase do tipo 3C de Coronavírus murino e vírus da dengue. Houttynia cordata
Melissa officinalis  L.Erva-cidreira Citronelal Inibição da protease do HIV-1. Erva-cidreira: 5 maiores benefícios, dúvidas e como preparar o chá
Ocimum tenuiflorum  L.Tulsi, Manjericão-santo, Manjericão-real, Manjericão-sagrado Carvacrol Inativação da protease viral em caso de infecção pelo HIV. SiSTSP – Tulsi (Ocimum tenuiflorum) – blog Tudo Sobre Plantas
Paeonia lactiflora  Pall. Paeoniflorin Inibe a entrada viral em caso de infecção pelo vírus influenza. Branco Peônia Paeonia - Foto gratuita no Pixabay
Phyllanthus amarus  Schumach. & Thonn.Quebra-pedra Gallotannin Interrompe o processo de replicação viral em caso de infecção pelo vírus Herpes simplex. Quebra-pedra | Plantas Medicinais - Cultivando.com.br
Rheum rhabarbarum  L.ruibarbo Ácido málico Inibe a entrada viral interrompendo a fusão endossômica no caso do vírus influenza. Talos De Ruibarbo | Baixe Vetores, Fotos e arquivos PSD Grátis
Salvia miltiorrhiza  Bunge Ácido salvianólico Inibição da integrase e protease do HIV-1. Learn about Salvia miltiorrhiza | Danshen, Red Root Sage ...
Taxillus sutchuenensis  var. duclouxii (Lecomte) HSKiu Butenolida Inibição da serina protease NS3 viral da hepatite C e cessação da entrada viral. Sang Ji Sheng 桑寄生, Herba Taxilli, Chinese Taxillus Twig ...
Tinospora cordifolia  (Willd.) Hook.f. & ThomsonGuduchi Tinosporaside Atividade imunomoduladora; Atividade anti-HIV em que atua como inibidor da ribonuclease viral. Tinospora Cordifolia Manufacturer in Sonipat Haryana India by ...
Withania somnifera  (L.) DunalGinseng Indiano Withanolide Interrompe as interações entre o domínio de ligação do receptor da proteína S viral e o receptor do hospedeiro ACE2. 10 Sementes Ginseng Indiano Withania Somnifera Frete Barato - R ...
Zingiber officinale  RoscoeGengibre 6-Gingerol Inibe a protease do vírus da hepatite C. Quais são os efeitos da ingestão diária de gengibre? (infográfico ...
As plantas são selecionadas com base em uma extensa literatura, com foco específico em seus atributos etno-
medicinais, capacidade de provisão de alívio sintomático e atividade antiviral direta / indireta, se houver.

 

 

 

Cheiros aromáticos combatendo corona virus

Em 2004 usando o carro fechado como se fosse uma câmara, pingando menta no ventilador com ar quente ligado, ou fazendo máscara com óleo de menta , percebemos ação antiviral.

https://www.researchgate.net/profile/Ravi_Upadhyay5/publication/340916132_Thermal-Aroma-Organic-Carbon-Fusion_Therapy_An_Open_Air_Conventional_Method_for_Clearance_of_Nasal_Air_Passage_Trachea_Lungs_and_Immunity_Boosting_Against_Influenza_Virus/links/5ea3bb7992851c1a906d16b7/Thermal-Aroma-Organic-Carbon-Fusion-Therapy-An-Open-Air-Conventional-Method-for-Clearance-of-Nasal-Air-Passage-Trachea-Lungs-and-Immunity-Boosting-Against-Influenza-Virus.pdf

Este artigo cientifico defende que câmaras aromáticas podem matar o vírus:

“O presente artigo de pesquisa explica uma terapia de fusão térmica com aroma orgânico e carbono orgânico para
luta contra o vírus da gripe / vírus corona humano. O conceito principal por trás dessa terapia é matar vírus / inimigo invisível
usando moléculas de carbono e drogas altamente ativas, não rastreáveis ​​/ irreconhecíveis. No entanto, para fazer uma cumulativa
defesa contra o vírus da gripe, diferentes métodos foram utilizados. Ondas térmicas de alta energia (espectro de luz / radiação)
gerada pela lâmpada de óleo de mostarda desnaturará o vírus da gripe na zona de ar de alta temperatura criada acima da chama e
arredores. Além disso, os colóides de nanopartículas de carbono atingem a partícula do RNA do vírus e, devido ao super colusão do efeito Tyndall, ocorrem entre eles no ar quente. Assim, as ondas térmicas auxiliam colóides de carbono e componentes voláteis de óleo essencial infundir junto com o vírus no ar e neutralizar sua atividade. Além disso, a inalação deste ar quente limpará passagens, traquéia e pulmões com mais eficiência. Isso não apenas reduzirá a aderência / apego do vírus da gripe aos revestimento epitelial nasal e brônquico, mas também reduzem a carga viral. Além disso, o carbono orgânico presente no bhasma, a mistura com mel e alúmen forma uma massa coloidal espessa e pegajosa que se sobrepõe à mucosa intestinal após uso oral. isto pode aprisionar o vírus e inibir a ligação da proteína de pico de vírus aos receptores ACE-2 encontrados nas células humanas. No Além disso, o uso regular de xarope de ervas preparado a partir de constituintes naturais interromperá a formação de muco precipitado e dissolvê-lo por ação rápida. O uso adequado dessa terapia composta salvará os pacientes de espirros, coriza, tosse seca, enchimento de fluidos e citocina estouram nos pulmões e proíbem a infiltração de vírus no fígado, rim e outros tecidos. Reduzirá a morbidade e salvará o paciente da sepse que ocorre nos órgãos vitais. O uso regular de xarope orgânico irá gerar resposta imune humoral primária no paciente. Proporcionará longevidade para paciente além de 14 dias (até 28 dias) até que a defesa imunológica a longo prazo esteja sendo feita no corpo do paciente e infecção desaparecer completamente. Essa terapia reduzirá / reduzirá a necessidade do ventilador, mas será necessário desenvolvimento de tecnologia”.

Até que ponto a ciência comete crime contra a humanidade quando despreza estas sabedorias milenares, ao mesmo tempo que se serve delas para construção de suas hipóteses e até plagia seus princípios ativos? Na área do câncer lemos :

“Após o surgimento da moderna terapia antineoplásica, a comunidade médica é dividida em dois campos opostos, um deles afirmando absoluta necessidade de usar compostos químicos isolados ou sintetizados para tratamento eficiente do paciente e outro que defende terapias alternativas do câncer, em particular aquelas baseadas em fontes naturais, incluindo extratos de plantas. Parece, na realidade, que os dois campos são conciliáveis: enquanto fontes naturais, extratos de plantas ou sucos exercem um papel curativo e protetor, as drogas representam a última possibilidade de inibir ou reverter o desenvolvimento do tumor” https://link.springer.com/article/10.1007/s13659-014-0048-9

Os Efeitos colaterais desta rigidez científica com assuntos meio religiosos custou e ainda custa a vida de bilhões de pessoas, pois atingiu a medicina fitoterápica, chinesa, ayurvédica,  que demonstram ser superiores aos analitos patenteáveis tóxicos capazes de ser medianamente e frouxamente testados pela industria sintética de remédios.

O cientista, principalmente o ocidental, e o médico, foram ensinados a olhar com desconfiança sabedorias populares, orações e chazinhos, a chamá-las de pseudociência, mas se você verificar países com menor proporção de mortes por Covid-19, vai confirmar que é justamente onde mais se usa plantas medicinais e se respeita as sabedorias empíricas, populares, milenares.

2. Ozonioterapia

3. Autohemoterapia

Como pode a ANVISA E CFM se posicionar contra auto-hemoterapia se vc encontra 617 resultados quando escrever “autohemotherapy benefits” (beneficios da autohemoterapia) no Google scholar?

Estes resultados indicam que mILHARES DE artigos científicos estão citando diretamente ou indiretamente tal prática no mundo. Se vc procurar só “autohemotherapy ” vai ter 2.220.

Pegar seu sangue e colocar no músculo apenas simula um machucado, um acidente , e coloca todo seus sistema de defesa em alerta para corrigir o problema e combater (cicatrizar ) e defender seu corpo de invasão de patógenos que toda ferida gera.

mas nem este raciocínio auto-explicativo permitiria que se tratasse o tema com um mínimo de respeito. A ANVISA dona da verdade “farmacêutica” de preferência tratou logo de promover caça as bruxas , aos chazinhos, aos remédios fáceis de qualquer laboratório produzir, patentes vencidas , enfim, tudo que não tenha o selo super caro dos trial clínical específicos .

Por causa de burrices oficiais como esta, que temo pelo futuro do Brasil, sobretudo agora, quando auxílios importantes para nosso sistema imunológico, são desprezados por gente imbecil.

Existem milhares de artigos científicos defendendo auto-hemoterapia , mas este bando de imbecis condenou esta prática praticamente porque não tem testes clínicos reconhecedores (*** O detalhe que estes imbecis não reconhece, é que devido ao alto custo que representa testes clínicos , e que só grandes industrias consegue bancar , todo e qualquer protocolo ou produto que não traga retorno de investimento não se aprova investimento e NUNCA poderá bancar as caras “trial clinicals” )

Funciona assim, as grandes industrias vão priorizar o reconhecimento de produtos delas mesmas, vampirizando cientistas, universidades e hospitais clínicos, para simplesmente servir ao interesse dos seus investidores com produtos que contenham garantia de exclusividade de fabricação patenteáveis.

Por isso que você vai ler descobertas que ficam aguardando 10 anos alguma alma solidária ajudar , que não saem das prateleiras , ou no máximo , são aprovadas apenas para plantas e animais, pois testar em humanos é um processo muito caro ( não sai menos de 300 milhões de dólares no atual obsoleto sistema que já poderia ter sido substituído por acompanhamento online pelo celular a muito tempo)

50.000 soluções em saúde ficam no lixo ou na marginalidade como a auto-hemoterapia.

Engraçado que quando fui estudar esta polêmica, quem mais me ajudou na época a reconhecer sua validade cientifica, foi o próprio parecer negativo de um imbecil do CFM que simplesmente declarou que refutou exatamente 91 artigos científicos listado abaixo (No google scholar vcencontra milhares e cada vez mais defendendo a auto-hemoterapia e auto-hemo-ozonioterapia) mas aqui coloquei os 91 que o CFM diz que refutou usando o idiota argumento da falta de testes clínicos.

Biedunkiewicz B, Lizakowski S, Tylicki L, Skiboeska A, Nieweglowski T, Chamienia A, Debska-Slizien A, Rutkowski B.
Blood coagulation unaffected by ozonated autohemotherapy in patients on maintenance hemodialysis.
Arch Med Res. 2006 Nov;37(8):1034-7.
PMID: 17045123 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Di Paolo N, Bocci V, Salvo DP, Palasciano G, Biagioli M, Meini S, Galli F, Ciari I, Maccari F, Cappelletti F, Di Paolo M, Gaggiotti E.
Extracorporeal blood oxygenation and ozonation (EBOO): a controlled trial in patients with peripheral artery disease.
Int J Artif Organs. 2005 Oct;28(10):1039-50.
PMID: 16288443 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Steffen C.
Why a historical approach has clinical benefits: Staphylococcus toxoid and autohemotherapy.
Skinmed. 2005 Sep-Oct;4(5):316-9. No abstract available.
PMID: 16282756 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Faustini A, Capobianchi MR, Martinelli M, Abbate I, Cappiello G, Perucci CA.
A cluster of hepatitis C virus infections associated with ozone-enriched transfusion of autologous blood in Rome, Italy.
Infect Control Hosp Epidemiol. 2005 Sep;26(9):762-7.
PMID: 16209382 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Di Paolo N, Gaggiotti E, Galli F.
Extracorporeal blood oxygenation and ozonation: clinical and biological implications of ozone therapy.
Redox Rep. 2005;10(3):121-30. Review.
PMID: 16156950 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Hernandez Rosales FA, Calunga Fernandez JL, Turrent Figueras J, Menendez Cepero S, Montenegro Perdomo A.
Ozone therapy effects on biomarkers and lung function in asthma.
Arch Med Res. 2005 Sep-Oct;36(5):549-54.
PMID: 16099337 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Gracer RI, Bocci V.
Can the combination of localized “proliferative therapy” with “minor ozonated autohemotherapy” restore the natural healing process?
Med Hypotheses. 2005;65(4):752-9.
PMID: 15951134 [PubMed – indexed for MEDLINE]

de Monte A, van der Zee H, Bocci V.
Major ozonated autohemotherapy in chronic limb ischemia with ulcerations.
J Altern Complement Med. 2005 Apr;11(2):363-7.
PMID: 15865505 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Bocci V, Larini A, Micheli V.
Restoration of normoxia by ozone therapy may control neoplastic growth: a review and a working hypothesis.
J Altern Complement Med. 2005 Apr;11(2):257-65. Review.
PMID: 15865491 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Tylicki L, Biedunkiewicz B, Rachon D, Nieweglowski T, Hak L, Chamienia A, Debska-Slizien A, Aleksandrowicz E, Mysliwska J, Rutkowski B.
No effects of ozonated autohemotherapy on inflammation response in hemodialyzed patients.
Mediators Inflamm. 2004 Dec;13(5-6):377-80.
PMID: 15770057 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Petrosian NE, Nedel’ko NA, Gorbov LV, Petrosian EA.
[Use of multi-dimensional statistic analysis for integral evaluation of treatment quality in patients with suppurative-inflammatory diseases of maxillofacial region] Stomatologiia (Mosk). 2004;83(6):26-30. Russian.
PMID: 15602469 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Biedunkiewicz B, Tylicki L, Rachon D, Hak L, Nieweglowski T, Chamienia A, Debska-Slizien A, Mysliwska J, Rutkowski B.
Natural killer cell activity unaffected by ozonated autohemotherapy in patients with end-stage renal disease on maintenance renal replacement therapy.
Int J Artif Organs. 2004 Sep;27(9):766-71.
PMID: 15521216 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Bocci V, Aldinucci C.
Rational bases for using oxygen-ozonetherapy as a biological response modifier in sickle cell anemia and beta-thalassemia: a therapeutic perspective.
J Biol Regul Homeost Agents. 2004 Jan-Mar;18(1):38-44.
PMID: 15323359 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Tylicki L, Biedunkiewicz B, Nieweglowski T, Grabowska M, Chamienia A, Slizien AD, Rutkowski B.
Fistula function and dialysis adequacy during ozonotherapy in chronically hemodialyzed patients.
Artif Organs. 2004 May;28(5):513-7.
PMID: 15156869 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Biedunkiewicz B, Tylicki L, Nieweglowski T, Burakowski S, Rutkowski B.
Clinical efficacy of ozonated autohemotherapy in hemodialyzed patients with intermittent claudication: an oxygen-controlled study.
Int J Artif Organs. 2004 Jan;27(1):29-34.
PMID: 14984181 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Tylicki L, Biedunkiewicz B, Nieweglowski T, Chamienia A, Slizien AD, Luty J, Lysiak-Szydlowska W, Rutkowski B.
Ozonated autohemotherapy in patients on maintenance hemodialysis: influence on lipid profile and endothelium.
Artif Organs. 2004 Feb;28(2):234-7.
PMID: 14961966 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Tylicki L, Nieweglowski T, Biedunkiewicz B, Chamienia A, Debska-Slizien A, Aleksandrowicz E, Lysiak-Szydlowska W, Rutkowski B.
The influence of ozonated autohemotherapy on oxidative stress in hemodialyzed patients with atherosclerotic ischemia of lower limbs.
Int J Artif Organs. 2003 Apr;26(4):297-303.
PMID: 12757028 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Paradysz A, Fryczkowski M, Krauze-Balwinska Z, Gajewski D.
[Comparison of effectiveness of endoscopic injection of autologous blood and conservative therapy in the treatment of bilateral primary vesicoureteral reflux] Wiad Lek. 2002;55(7-8):404-10. Polish.
PMID: 12428568 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Margalit M, Attias E, Attias D, Elstein D, Zimran A, Matzner Y.
Effect of ozone on neutrophil function in vitro.
Clin Lab Haematol. 2001 Aug;23(4):243-7.
PMID: 11683785 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Tylicki L, Niew glowski T, Biedunkiewicz B, Burakowski S, Rutkowski B.
Beneficial clinical effects of ozonated autohemotherapy in chronically dialysed patients with atherosclerotic ischemia of the lower limbs–pilot study.
Int J Artif Organs. 2001 Feb;24(2):79-82.
PMID: 11256512 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Valacchi G, Bocci V.
Studies on the biological effects of ozone: 11. Release of factors from human endothelial cells.
Mediators Inflamm. 2000;9(6):271-6.
PMID: 11213910 [PubMed – indexed for MEDLINE

Di Paolo N, Bocci V, Garosi G, Borrelli E, Bravi A, Bruci A, Aldinucci C, Capotondo L.
Extracorporeal blood oxygenation and ozonation (EBOO) in man. preliminary report.
Int J Artif Organs. 2000 Feb;23(2):131-41.
PMID: 10741810 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Zimran A, Wasser G, Forman L, Gelbart T, Beutler E.
Effect of ozone on red blood cell enzymes and intermediates.
Acta Haematol. 2000;102(3):148-51.
PMID: 10692679 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Asefi M, Augustin M.
[Regulative therapy: treatment with nonspecific stimulants in dermatology in traditional and modern perspectives] Forsch Komplementarmed. 1999 Apr;6 Suppl 2:9-13. Review. German.
PMID: 10352375 [PubMed – indexed for MEDLINE

Shinriki N, Suzuki T, Takama K, Fukunaga K, Ohgiya S, Kubota K, Miura T.
Susceptibilities of plasma antioxidants and erythrocyte constituents to low levels of ozone.
Haematologia (Budap). 1998;29(3):229-39.
PMID: 10069448 [PubMed – indexed for MEDLINE]

26. Guerra Veranes X, Limonta Napoles Y, Contrera Hechavarria I, Freyre Luque R, Martinez Blanco C.

[The nurse’s work in the application of ozone therapy in retinitis pigmentosa. January-May 1996] Rev Cubana Enferm. 1998 May-Aug;14(2):99-102. Spanish.
PMID: 9934231 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Paradysz A, Hyla-Klekot L, Wielicki Z.
[Studies on the behavior of some immunologic parameters after local, endoscopic autohemotherapy in children treated for vesicoureteral reflux] Wiad Lek. 1998;51 Suppl 3:114-9. Polish.
PMID: 9814119 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Bocci V, Valacchi G, Corradeschi F, Aldinucci C, Silvestri S, Paccagnini E, Gerli R.
Studies on the biological effects of ozone: 7. Generation of reactive oxygen species (ROS) after exposure of human blood to ozone.
J Biol Regul Homeost Agents. 1998 Jul-Sep;12(3):67-75.
PMID: 9795834 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Olwin JH, Ratajczak HV, House RV.
Successful treatment of herpetic infections by autohemotherapy.
J Altern Complement Med. 1997 Summer;3(2):155-8.
PMID: 9395705 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Hernandez F, Menendez S, Wong R.
Decrease of blood cholesterol and stimulation of antioxidative response in cardiopathy patients treated with endovenous ozone therapy.
Free Radic Biol Med. 1995 Jul;19(1):115-9.
PMID: 7635353 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Grebnev EN, Shumskii AV.
[Immunocorrective therapy in the treatment of chronic herpetic stomatitis by using magnetic autohemotherapy] Stomatologiia (Mosk). 1995;74(2):37-9. Russian.
PMID: 7482606 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Bocci V, Luzzi E, Corradeschi F, Silvestri S.
Studies on the biological effects of ozone: 6. Production of transforming growth factor 1 by human blood after ozone treatment.
J Biol Regul Homeost Agents. 1994 Oct-Dec;8(4):108-12.
PMID: 7660851 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Bocci V, Luzzi E, Corradeschi F, Paulesu L, Di Stefano A.
Studies on the biological effects of ozone: 3. An attempt to define conditions for optimal induction of cytokines.
Lymphokine Cytokine Res. 1993 Apr;12(2):121-6.
PMID: 8324077 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Kiesewetter H, Jung F, Koscielny J, Pindur G, Wenzel E.
[Quality assurance in autologous blood collection from critically ill patients] Beitr Infusionsther. 1993;31:202-8. German.
PMID: 7693254 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Bocci V.
Ozonization of blood for the therapy of viral diseases and immunodeficiencies. A hypothesis.
Med Hypotheses. 1992 Sep;39(1):30-4.
PMID: 1435389 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Lenkiewicz E, Ferencowa A, Szewczykowa E.
[Subconjunctival autohemotherapy of eye burns in our cases] Klin Oczna. 1992 Apr;94(4):113-4. Polish.
PMID: 1405409 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Paulesu L, Luzzi E, Bocci V.
Studies on the biological effects of ozone: 2. Induction of tumor necrosis factor (TNF-alpha) on human leucocytes.
Lymphokine Cytokine Res. 1991 Oct;10(5):409-12.
PMID: 1768744 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Kadiev OA, Alekseev AA, Novitskaia SA, Smirnova VA, Shakhnazarov AI.
[Changes in immunological indicators in patients with surgical endotoxemia after UV-irradiation of blood] Khirurgiia (Mosk). 1990 Jun;(6):88-91. Russian.
PMID: 2214585 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Kurapov EP, Lykov AA, Zhuravka GV, Ziberova EF, Golubov SP.
[A method and the clinical effect of quantum ultraviolet autohemotherapy in resuscitation of children] Anesteziol Reanimatol. 1989 Jan-Feb;(1):31-4. Russian.
PMID: 2712381 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Gerig HJ.
[Peridural autohemotherapy of headache after lumbar puncture] Cah Anesthesiol. 1986 Oct;34(6):523-6. French. No abstract available.
PMID: 3801963 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Lur’e BL, Alekseev AA, Kadiev OA.
[Effect of UV-autohemotherapy on the level of medium-molecular peptides in the blood] Lab Delo. 1986;(8):466-8. Russian. No abstract available.
PMID: 2429048 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Xue QC.
[Autohemotherapy in the treatment of chemical and thermal burns of the eye (author’s transl)] Zhonghua Yan Ke Za Zhi. 1979;15(3):195-7. Chinese. No abstract available.
PMID: 122194 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Solov’ev MM, Vasil’ev AV, Alekhova TM.
[The mechanism of action of autohemotherapy in patients with chronic inflammatory diseases of the maxillofacial region] Stomatologiia (Mosk). 1974 Sep-Oct;53(5):86-7. Russian. No abstract available.
PMID: 4530511 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Gur’ianov AA.
[Treatment of spinal osteochondrosis patients with autohemotherapy] Voen Med Zh. 1974 Aug;0(8):80-1. Russian. No abstract available.
PMID: 4411355 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Frenkel G, Stellmach R.
Care and treatment of large cysts according to Partsch II, with autohemotherapy (Schulte).
Quintessence Int Dent Dig. 1973 Mar;4(3):11-20. No abstract available.
PMID: 4514084 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Schilovitz G, Payrau P.
[Nontraumatic conjunctival bands and their treatment by local autohemotherapy] Ann Ocul (Paris). 1971 Nov;204(11):1185-200. French. No abstract available.
PMID: 5158431 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Schwarz P.
[Modification of Theurer’s autohemotherapy. Treatment with antibody fragments (immunologic enhancement)] Z Allgemeinmed. 1971 Oct 31;47(30):1576-9. German. No abstract available.
PMID: 5129512 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Colucci G, D’Andrea A.
[Therapy of essential pruritus valvae and kraurosis vulvae with local autohemotherapy] Ann Ostet Ginecol Med Perinat. 1969 Sep;91(9):603-13. Italian. No abstract available.
PMID: 5386776 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Colucci G.
[Local autohemotherapy in idiopathic vulvar irritation] Friuli Med. 1967 May-Jun;22(3):571-80. Italian. No abstract available.
PMID: 5615193 [PubMed – indexed for MEDLINE]

Ter-Karapetiants NN.
[Complex treatment of psoriasis by pyrotherapy, autohemotherapy and laked blood] Sov Med. 1966 Dec;29(12):40-1. German. No abstract available.
PMID: 6015048 [PubMed – indexed for MEDLINE]

ALEZZANDRINI AA, GARCIA BAZARRA J.
[Autohemotherapy in the treatment of ocular burns caused by alkalies] Arch Oftalmol B Aires. 1965 Dec;40(12):397-400. Spanish. No abstract available.
PMID: 5888307 [PubMed – indexed for MEDLINE]

BACSKULIN J, BACSKULIN E.
Further experiences with subconjunctival autohemotherapy in fresh and old corrosions.
Am J Ophthalmol. 1965 Apr;59:674-80. No abstract available.
PMID: 14271003 [PubMed – indexed for MEDLINE]

53. MOLNAR L.
[The use of subconjunctival autohemotherapy in lime burns of the eye.] Vestn Oftalmol. 1961 Nov-Dec;74:37-40. Russian. No abstract available.
PMID: 14475264 [PubMed – OLDMEDLINE]

54. MONTI PC.
[Lysozyme therapy and autohemotherapy in otorhinolaryngology.] Sem Med. 1961 Sep 25;119:1038-42. Spanish. No abstract available.
PMID: 14475560 [PubMed – OLDMEDLINE]

55. SCHIFF BL.
Autohemotherapy in the treatment of post-herpetic pain.
R I Med J. 1960 Feb;43:104. No abstract available.
PMID: 14442736 [PubMed – indexed for MEDLINE]

56. BOLZANI L, ISOTTI M.
[Delirium tremens and autohemotherapy.] Riv Sper Freniatr Med Leg Alien Ment. 1959 Dec 31;83:1372-82. Italian. No abstract available.
PMID: 13802386 [PubMed – indexed for MEDLINE]

57. GEUENS J.
[Interpretation of relative adrenal insufficiency in asthma; variations of eosinophilia in asthma caused by certain disorders; autohemotherapy.] Scalpel (Brux). 1957 Mar 2;110(9):195-206. French. No abstract available.
PMID: 13432620 [PubMed – OLDMEDLINE]

58. ANSFIELD FJ, RENS JL.
Autohemotherapy; an effective treatment for herpes zoster.
Wis Med J. 1956 Dec;55(12):1319-20. No abstract available.
PMID: 13381143 [PubMed – indexed for MEDLINE]

59. STRAKOSCH W.
[Autohemotherapy in gynecology.] Zentralbl Gynakol. 1956 Nov 10;78(45):1783-6. German. No abstract available.
PMID: 13402180 [PubMed – indexed for MEDLINE]

60. OTTO E.
[Treatment of spontaneous pneumothorax with autohemotherapy.] Hippokrates. 1956 Apr 15;27(7):215-8. German. No abstract available.
PMID: 13331388 [PubMed – indexed for MEDLINE]

61. PORRAS T, PORRAS J.
[New contributions in autohemotherapy locus dolenti in septic processes.] Sem Med. 1956 Feb 9;108(6):200-3. Spanish. No abstract available.
PMID: 13298788 [PubMed – indexed for MEDLINE]

62. ORLOV TK, SHEVCHUK KS, SEN’KO VM.
[Use of penicillin with autohemotherapy.] Akush Ginekol (Mosk). 1956 Jan-Feb;32(1):69-70. Russian. No abstract available.
PMID: 13313392 [PubMed – indexed for MEDLINE]

63. HERBERGER W.
[The treatment of annoying axillary sweat with autohemotherapy in local injections.] Hippokrates. 1955 Jun 15;26(11):341-3. German. No abstract available.
PMID: 13242007 [PubMed – OLDMEDLINE]

64. ENKELMANN A.
[Clinical studies on the problem of autohemotherapy with irradiation.] Hippokrates. 1955 May 15;26(9):280-5. German. No abstract available.
PMID: 13241990 [PubMed – indexed for MEDLINE]

65. CANTONI L, CASSI E, SUPPA G.
[Research on auto-antibodies. II. Formation of auto-antibodies by experimentally induced auto-sensitization by autohemotherapy.] Boll Ist Sieroter Milan. 1955 May-Jun;34(5-6):273-83. Italian. No abstract available.
PMID: 13250066 [PubMed – indexed for MEDLINE]

66. REDDICK RH.
Autohemotherapy in psychiatry.
Md State Med J. 1955 Jan;4(1):22-31. No abstract available.
PMID: 13234852 [PubMed – indexed for MEDLINE]

67. FRANDSEN VA, SAMSOE-JENSEN T.
Investigations into the effect of autohemotherapy.
Acta Allergol. 1955;8(1):26-30. No abstract available.
PMID: 13227755 [PubMed – indexed for MEDLINE]

68. SCHWENDY J.
[Intracutaneous autohemotherapy of bronchial asthma.] Dtsch Gesundheitsw. 1954 May 6;9(18):562-5. German. No abstract available.
PMID: 13191070 [PubMed – indexed for MEDLINE]

69. FELDER H.
[Autohemotherapy with sodium citrate injections in therapy of hay fever; preliminary report.] Med Klin (Munich). 1954 Apr 30;49(18):748-9. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 13164942 [PubMed – indexed for MEDLINE]

70. CHAMORRO J.
[Treatment of malaria by autohemotherapy.] Rev Clin Esp. 1953 Apr 30;49(2):121-3. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 13074898 [PubMed – indexed for MEDLINE]

71. ZABELKOVA Z.
[Role of autohemotherapy in effectiveness of penicillin in pyoderma.] Bratisl Lek Listy. 1953;33(9):809-11. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 13140801 [PubMed – indexed for MEDLINE]

72. STRAKOSCH W.
[Autohemotherapy of ovarian migraine; preliminary report.] Zentralbl Gynakol. 1953;75(25):961-3. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 13103730 [PubMed – indexed for MEDLINE]

73. BERTAZZI CG.
[The results of treatment with triphenyl, sulfoidol and autohemotherapy in two cases of a chronic fever of unknown nature.] Acta Med Ital Mal Infett Parassit. 1952 Sep;7(9):225-8. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 13016200 [PubMed – indexed for MEDLINE]

74. MERCIER R.
[Autohemotherapy and antibiotic therapy (especially in tuberculosis).] Concours Med. 1952 Aug 30;74(35):2867-70. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 12988578 [PubMed – indexed for MEDLINE]

75. ALIBABA AP.
[Complex treatment of an acute angina catarrhalis with sodium salicylate with urotropin and autohemotherapy.] Vestn Otorinolaringol. 1952 May-Jun;14(3):93-4. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14951047 [PubMed – indexed for MEDLINE]

76. TEMKIN EI.
[Treatment of acute male gonorrheal urethritis with penicillin associated with citrated autohemotherapy with novocaine.] Vestn Venerol Dermatol. 1952 Mar-Apr;2:56-7. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14931874 [PubMed – indexed for MEDLINE]

77. KAPLAN MI, STEKHUN FI.
[Treatment of male gonorrhea with penicillin associated with autohemotherapy.] Vestn Venerol Dermatol. 1952 Mar-Apr;2:56. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14931873 [PubMed – indexed for MEDLINE]

78. LIPSKII IA, IAKHNIN GM, KHILKOVA VA, ANTIPOVA VI.
[Treatment of gonorrhea with penicillin and autohemotherapy.] Vestn Venerol Dermatol. 1952 Mar-Apr;2:55-6. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14931872 [PubMed – indexed for MEDLINE]

79. VINOKUROV IN.
[Penicillin concentration in the blood following administration with autohemotherapy in syphilis.] Vestn Venerol Dermatol. 1952 Mar-Apr;2:55. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14931870 [PubMed – indexed for MEDLINE]

80. HAFERKAMP H.
[Non-specific alterative therapy with special reference to autohemotherapy.] Hippokrates. 1952 Jan 31;23(2):29-33. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14906923 [PubMed – indexed for MEDLINE]

81. CUCINOTTI F.
[Autohemotherapy of wounds.] Riv Patol Clin. 1951 Dec;6(12):476-83. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14912985 [PubMed – indexed for MEDLINE]

82. GROF P.
[Data on the effects of nonspecific therapy. II. Blood histamine level changes in autohemotherapy.] Borgyogy Venerol Sz. 1951 Dec;5(6):183-6. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14895761 [PubMed – indexed for MEDLINE]

83. GROF P.
[Data on effects of nonspecific therapy. I. Blood histamine level changes in autohemotherapy.] Borgyogy Venerol Sz. 1951 Dec;5(6):174-6. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14895759 [PubMed – indexed for MEDLINE]

84. SAUER GC, SIMM F.
Evidence of adreno-cortical stimulation by autohemotherapy.
J Invest Dermatol. 1951 Mar;16(3):177-92. No abstract available.
PMID: 14824616 [PubMed – OLDMEDLINE]

85. MARIOTTI E.
[Cerebral arsenobenzol autohemotherapy in progressive paralysis; definitive cure in a case of grave paralytic dementia; considerations on cerebral autohemotherapy.] Osp Psichiatr. 1951 Jan-Mar;19(1):1-19. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14863933 [PubMed – indexed for MEDLINE]

86. REDDICK RH.
Autohemotherapy in chronic mental disorders; a preliminary report.
J Am Inst Homeopath. 1950 Dec;43(10):263-9. No abstract available.
PMID: 14803231 [PubMed – OLDMEDLINE]

87. FRUHAUF H.
[Autohemotherapy with ultraviolet rays irradiation.] Med Klin. 1950 Nov 17;45(46):1469-72. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14805943 [PubMed – OLDMEDLINE]

88. HAFERKAMP H.
[Effect of autohemotherapy on the blood and blood picture.] Hippokrates. 1950 Aug 31;21(15-16):475-8. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14773933 [PubMed – OLDMEDLINE]

89. SERANE J.
[Case of grave polyarticular gout; favorable effect of autohemotherapy.] Avenir Med. 1950 Jul-Sep;47(7):131-2. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 14772188 [PubMed – OLDMEDLINE]

90. ROJAS JC.
[Histaminic autohemotherapy.] Prensa Med Argent. 1950 Jun 30;37(26):1461-5. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 15440592 [PubMed – OLDMEDLINE]

91. DESMONTS T, RIERE N, SOURNIES G.
[Acute purpura in the course of brucellosis, intramedullary autohemotherapy, arrest of hemorrhage.] Sang. 1950;21(6):552-3. Undetermined Language. No abstract available.
PMID: 15430964 [PubMed – OLDMEDLINE]


Sodré Neto
Sobre Sodré Neto 20 Artigos
Sodré GB Neto Lattes: http://lattes.cnpq.br/2777670829319806 Orcid: https://orcid.org/0000-0002-8867-5429

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*