Datação pioneira do carbono 14C do âmbar de Wyoming e suas implicações para a Jovem Terra e a catástrofe global

âmbar

 PAVELKABRT A IDADE DA TERRA E DO UNIVERSO ESCREVA UM COMENTÁRIO

Datação pioneira do carbono 14C do âmbar de Wyoming e suas implicações para a jovem Terra e a catástrofe global

Hugh R. Miller, JR Michaels e Matt M. Miller

Traduzido do Creation Research Society Quarterly No. 2 , setembro de 2006, volume 43, pp. 84 – 92
Link Original : https://kreacionismus.cz/jantar-datovani-komplet/

Tradução : Sodré Neto

Resumo

Os geólogos têm problemas não apenas com carvão contendo quantidades extremamente grandes de 14C (= 14C), mas também com 14C em ossos de dinossauros, madeira carbonizada e âmbar. O objetivo deste artigo é 1) fornecer uma visão geral da datação por carbono radioativo 14C para madeira carbonizada e ossos de dinossauro, 2) introduzir o estudo do âmbar por métodos de carbono radioativo e infravermelho e 3) comparar a datação de âmbar e outras resinas naturais por carbono radioativo em tempo real.

Este é o primeiro caso conhecido em que “âmbar verdadeiro” é diretamente datado. Os dados de âmbar obtidos pelo método 14C estavam na faixa superior do método de datação AMS (Accelerator Mass Spectrometer). O âmbar Hanson Ranch depositado com tricerátopos é um pouco mais novo que o âmbar do Báltico usado para controle, mas todo âmbar verdadeiro tem aproximadamente a mesma idade do método do carbono radioativo que o carvão usado como amostra preliminar. Ossos de dinossauros e madeira carbonizada estavam todos dentro do escopo do método convencional e do método AMS. O produto químico primário no âmbar Hanson Ranch é o ácido succínico, e seus sais, âmbar e âmbar, são os mesmos que no âmbar do Báltico, como mostra as medidas por infravermelho. É claro que a deposição de dinossauros e âmbar no Hanson Ranch foi associada ao desastre.

Introdução

Dados de carbono radioativo (RU) foram obtidos para muitas amostras que eram anteriormente consideradas muito antigas para conter níveis detectáveis ​​de carbono 14 (14C). As amostras de carvão são em sua maioria 40.000 RU anos antes do presente (PS) (Rotta, 2004), bem como madeira carbonizada (Fields et al., 1990). A apatita com os ossos de cinco dinossauros diferentes do oeste dos Estados Unidos variou de 9.890 a 36.500 RU anos (Fields et al., 1990; Dahmer et al., 1990). O diamante tem menos de 58.000 anos de RU (Baumgardner et al., 2003). A madeira fossilizada em arenito antigo (supostamente 225-230 milhões de anos) deu a RU idade 33.720 (mais ou menos 430) RU anos PS (Snelling, 1999).

Esses resultados anômalos do 14C estão em clara contradição com as idéias comumente aceitas pelos geólogos em relação à idade das amostras testadas. Essas medições, combinadas com outras observações conflitantes, representam um sério desafio ao modelo geológico padrão.

O pensamento geológico contemporâneo está enfrentando um período de crise não muito diferente do período de crise da física na virada dos séculos 19 e 20. Na época, anomalias nas medidas de deslocamento de periélio de Mercúrio levaram os astrônomos a prever a existência de um planeta não descoberto em algum lugar entre Mercúrio e Vênus que atrai Mercúrio. O suposto planeta foi nomeado Vulcano.

Outras experiências malsucedidas foram as experiências muito famosas de Michaelson e Morley. Eles falharam em medir a velocidade da Terra enquanto passava por um éter hipotético (que se acreditava preencher o espaço vazio) com a ajuda dos raios de luz. Finalmente, houve outra anomalia em vários experimentos desse período, também em relação à natureza da luz – houve uma negação definitiva da teoria da luz então aceita como onda.

Todos esses três problemas intransponíveis foram resolvidos por um único cientista destacado – Albert Einstein. Einstein mostrou que as velhas teorias da luz, atração, espaço e tempo eram desproporcionais e precisavam ser substituídas por novas teorias capazes de explicar as observações anômalas de maneira natural. Essas novas teorias são a mecânica quântica e a relatividade especial e geral.

Uma crise semelhante afetou o modelo padrão de geologia hoje, pois dados extraordinários e outras observações geológicas hoje exigem um novo modelo que os explique com precisão. A ciência real busca entender todos os fatos reunidos pelas observações, não apenas os mais compatíveis com uma teoria específica. Também aceita anomalias comprovadas como um sinal de que a teoria atual é desproporcional. A descoberta de anomalias é parte integrante da natureza da cognição e, portanto, a substituição de teorias mais antigas por teorias mais novas e complexas é o que torna a ciência funcional, e negar a existência de medidas e observações anômalas válidas é um freio à ciência.

Os autores deste artigo tiveram a sorte de trabalhar com uma equipe que cavava um dinossauro no Wyoming de 5 a 14 de julho de 1996, durante e após as escavações. Avaliamos e fotografamos muitas amostras de âmbar e ajudamos os cientistas conectados à Academia Polonesa de Ciências com seus relatórios, macro fotografias de âmbar, nossas recomendações e amostras selecionadas de âmbar do Hanson Ranch para testar RU.

Por que testar âmbar com carbono radioativo?

Uma idade inesperada de 12.800 aC (PS) foi encontrada em um “galho queimado” depositado em uma camada de rocha cretácea no fundo do rio Paluxy, no Texas (Beierle, 1979). Isso significava que a amostra parecia 10.000 vezes mais jovem do que a idade em registros geológicos geralmente aceitos – 108 milhões de anos PS. Portanto, decidimos verificar a validade da controversa teoria da coexistência de seres humanos e dinossauros que datam RU. Medir uma idade relativamente jovem para o âmbar apoiaria a possibilidade de idades jovens relacionadas para dinossauros e épocas geológicas comuns em geral. Se essas idades mais jovens fossem realmente precisas, a verificação de pegadas humanas e de dinossauros encontradas juntas em fósseis seria uma descoberta científica monumental (Morris, 1980). Isso apenas forneceria mais evidências para nossa hipótese jovem da Terra. Portanto, essas questões estavam na vanguarda de todo o debate sobre o início da vida no final da década de 1970.

A verificação do fato de que fósseis contendo carbono (incluindo âmbar) também contêm 14C mensuráveis ​​confirmaria a visão de que dinossauros e seres humanos realmente viviam ao mesmo tempo – mesmo sem encontrar suas pegadas na mesma camada. Também seria mostrado que as camadas de giz de Glen Rose (também chamadas de “giz de Austin”) foram depositadas apenas alguns milhares de anos atrás. As consequências dessas declarações representariam um sério desafio para aqueles que pensam que a história da Terra é extremamente longa. Isso significaria que os alegados 65 milhões de anos de evolução nunca existiram desde a época dos dinossauros, e as tabelas geológicas baseadas em longos períodos entrariam em colapso. A maneira de resolver toda a disputa seria acelerar todas as pesquisas relevantes. E isso incluiria as áreas de paleoarqueologia e datação radiométrica.

Em termos de paleoarqueologia, alguns de nós escavamos os terraços costeiros do famoso rio Paluxy em Glen Rose, Texas desde 1982. Essas escavações foram iniciadas por Carl Baugh, do Museu de Evidências da Criação (CEM), quando ele recebeu permissão da família McFall para escavar em seus terraços ribeirinhos de Paluxa (Baugh e Wilson, 1991), em vez de continuar explorando o fundo do rio (Morris 1980).

A primeira tarefa que tivemos foi avaliar uma marca de mão humana em calcário de giz escavado em 1982 (Baugh e Wilson, 1991). Suas feições eram idênticas às mãos de um homem moderno, e ela estava acompanhada por um grupo de quatro pés de 40 centímetros de pernas semelhantes a humanos. O líder deste estudo independente, doutor em geofísica, escreveu um artigo sobre o assunto, que ele apresentou na Primeira Conferência Internacional sobre Criacionismo (ICC) (DeVilbiss, 1986).

Um grupo de oito pesquisadores independentes (Fields et al., 1990) apresentou um trabalho de acompanhamento no Second ICC. Desde a publicação desses dois documentos da conferência, mais duas séries de pegadas humanas foram descobertas. Uma fileira mostra uma pegada notável de 22,5 cm de comprimento, semelhante a um ser humano no fundo de uma pegada de dinossauro erodida e de 42,5 cm de comprimento. Essa trilha humana era a quarta pista que faltava em uma série de cinco trilhas que faziam parte da série original de cardumes de um cardume cavado em 1982. O barro na parte inferior da trilha de dinossauros não foi completamente removido naquele ano, como fez um membro da equipe da CEM em 1997. Vamos acrescentar que a combinação de pegadas humanas e de dinossauros foi levantada da rocha com a permissão do proprietário e você pode vê-la no CEM.

Antes da pesquisa acima, as famosas séries de trilhas semelhantes a humanos e de dinossauros de Taylor foram observadas juntas no leito do rio Paluxy (Morris, 1980). Diferentes interpretações desta série por diferentes cientistas foram, então, a fonte original de controvérsia, não a existência de traços que foram encontrados recentemente nos anos seguintes no terraço costeiro de McFall (cerca de 90 trilhas humanóides e 300 dinossauros). Os últimos traços foram escavados sob toneladas de calcário cretáceo e alguns centímetros de argila, cinco camadas acima do leito do rio (Baugh e Wilson, 1991; Helfinstine e Roth, 1994).

Outra grande descoberta no rio Paluxa foi uma série de 136 pegadas de dinossauros consideradas pegadas de Acrocanthosaur (Patton, 2000). Isso deve ser de particular interesse para todos os ichnologistas (cientistas estudando os restos de sulcos ou vestígios de plantas ou animais extintos), bem como para as pessoas famintas por conhecimento sobre dinossauros. Esses traços foram redescobertos durante uma série de escavações em 2000 lideradas por um geólogo. Essa série foi chamada de Turnage Patton Series. Patton (2000) descreve a série em seu site e incentivamos os leitores deste estudo a visualizar fotografias de ambas as séries.

As impressões são profundas e preservadas com detalhes incríveis. O trabalho associado à descoberta e limpeza de várias faixas começou em 9 de setembro e continuou continuamente até 14 de outubro. Foi realizado sob os auspícios do Instituto de Pesquisa da Criação (ICR) Metroplex e do Museu dos Documentos da Criação. As principais autoridades dos trilhos de dinossauros admitiram que não conhecem nenhuma outra linha contínua de trilhos de dinossauros na América do Norte que existe há tanto tempo. Tanto o comprimento quanto os detalhes lindamente preservados certamente fazem deste um dos melhores exemplos de pegadas de dinossauros do mundo. Após a linha inicial bem preservada, cerca de 75 cm de pés no topo são indistintos devido à erosão e, em seguida, a linha reaparece com vinte e uma trilhas contínuas; há um total de 157 (Patton, 2000).

No leito do rio, encontramos cerejas em rochas sedimentares, juntamente com traços de dinossauros e humanos (Patton, 2000). Todas as informações acima são documentadas e apresentadas para demonstrar a necessidade de datar o máximo possível de fósseis diferentes com carbono radioativo (incluindo âmbar) para determinar com mais precisão o tempo em que as espécies acima mencionadas deixaram seus “icnitas”.

Datação de fósseis com carbono radioativo

Desde 1978, várias equipes realizaram experimentos bem-sucedidos com a RU, datando materiais fósseis, como um galho de árvore carbonizado depositado em uma camada sedimentar cretácea no fundo do rio Paluxy (Beierle, 1979). A datação de madeira fóssil carbonizada do rio Paluxy entre as duas camadas superiores rendeu uma idade de 38.000 RU; 39.000 (Morris, 1980); 37 480 (+ 2950 / -2140); e 37.420 (+ 6120 / -3430) para madeira carbonizada em camadas de argila e 45.000 (+5.550 / -3250) para madeira carbonizada e junco (Fields et al., 1990) usando um método convencional.

O método AMS foi usado para madeira carbonizada armazenada na própria rocha e exposta à atmosfera por apenas meia hora durante a quebra da rocha. As condições em que a madeira queimada (incendiada por um raio, fogo de uma erupção vulcânica humana ou impacto de asteróide) encontrada depositada em um rio (Beierle, 1979) podem ter contribuído para a “fixação” de 14C em madeira quando ainda quente e fumegante em uma mistura de água e calcário. ou argila – impedindo assim ácidos húmicos antigos e carbonatos de uma mistura de água calcária e argilas de bentonita-ilita para “diluir” o conteúdo de 14C por sua absorção na estrutura de celulose da madeira.

A idade dessa madeira era de apenas 12.800. O AMS também era usado para madeira carbonizada armazenada na própria rocha e exposta à atmosfera por apenas meia hora, quando a rocha foi quebrada. Aqui, recebemos mais de 49.900 RU anos de PS em 2005 de um laboratório analítico autorizado nos Estados Unidos. De acordo com uma entrevista particular com o Dr. John DeVilbiss (primavera de 1986) mostrou um exame de argila presente entre camadas rochosas de aproximadamente 5.000 e menos de 50.000 anos de idade PS.

Carl Baugh determinou a idade de sua descoberta dos ossos do Acrocanthosaur e recebeu uma idade de mais de 36.000 RU anos. Naquela época, ninguém tinha idéia de quão significativa era essa informação. Portanto, para descobrir quando essas impressões se formaram na lama calcária original e talvez confirmar a coexistência de humanos e dinossauros no futuro, fragmentos de ossos de dinossauros foram datados do Texas ao Alasca por carbono radioativo com RUs variando de 9.980 a mais. de 36.500 RU anos PS (Fields et al., 1990). Se esses dados estiverem corretos, as conclusões são claras: humanos e dinossauros realmente viveram ao mesmo tempo, e as tabelas geológicas evolutivas devem ser da ordem de 1.000 a 10.000 vezes mais jovens do que os geólogos normalmente supõem.

De fato, os princípios da sedimentologia que sustentam as tabelas geológicas tradicionais já foram seriamente desafiados por estudos de laboratório e de campo, como Berthault (1994) demonstra e como esta pesquisa parece confirmar. De particular interesse, quando o método AMS foi usado para datar outros ossos do Acrocanthosaur, os pesquisadores receberam dados de RU muito mais jovens, 23.760 (+ -270) e 25.750 (+ -280) anos (Dahmer et al., 1990).

Felizmente, nosso consultor geofísico na década de 1980 (DeVilbiss, 1986) não conseguiu encontrar material vulcânico para realizar datação por K / Ar em argila entre camadas de rochas. A existência desse material pode causar alguma confusão na datação, com base no que sabemos agora sobre os problemas com os sistemas de datação radiométrica de longo prazo (Miller, 2005).

No entanto, de acordo com o Dr. John DeVilbiss (entrevista particular, primavera de 1986), um exame de argila entre camadas de rochas por um laboratório de pesquisa de solo mostrou uma idade estimada em mais de
5.000 e menos de 50.000 anos PS, como mencionado anteriormente. Mas esses dados da RU são um pouco mais confiáveis ​​do que os sistemas de datação radiométrica de longa duração? Diferenças nos dados anômalos da RU para ossos fósseis de madeira e dinossauros indicam falta de precisão na datação da RU e apontam ainda para a possibilidade de que nenhuma datação radiométrica possa fornecer dados absolutos (Brown, 1992; Van Oosterwych – Gastuche, 1999).

Devido às dúvidas levantadas pelos cientistas que apóiam o conceito da velha Terra e que possuem diferentes filosofias sobre a origem da vida, permanece em jogo a idéia de que talvez ossos e madeira carbonizada tenham sido contaminados com o carbono moderno 14 do meio ambiente. É lógico que a contaminação possa ser a causa da variação nos dados da RU se o peso do carbono absorvido na superfície ou na massa óssea for igual ou superior a 1% (Stafford, 1992). Portanto, nosso objetivo era mostrar que a datação de âmbar cretáceo na RU poderia ajudar a lidar com a questão da contaminação. O âmbar contém cerca de 80% de carbono (Rice, 1980).

Estimamos que nosso estudo possa ter várias conclusões possíveis:

  1. Devido ao alto teor de carbono do âmbar (80%), haveria uma possibilidade muito maior de contaminação do que nos ossos de dinossauros contendo 2-5% de carbono (Andre Ivanov, 1995, entrevista pessoal). Se as amostras de âmbar fossem contaminadas, seriam obtidos dados de RU muito jovens.
  2. Por outro lado, poderia haver menos risco de absorver 14C atmosférico em âmbar devido à composição e natureza do próprio âmbar.
  3. Também se poderia argumentar que a contaminação é apenas um argumento – um espantalho e não um problema sério; Os evolucionistas podem simplesmente oferecer contaminação como uma resposta simples à pergunta de por que fósseis com 70 milhões de anos ou mais contêm valores detectáveis ​​de 14C.
  4. O problema com dados anômalos pode de fato significar que a datação da RU é baseada em suposições incorretas e não fornece idade absoluta (Brown, 1992; Whitelaw, 1993; Van Oosterwyck-Gastuche, 1999; Humphreys, 2004).

O âmbar foi, portanto, considerado o material fóssil mais adequado para validar a teoria da contaminação. A feliz descoberta de âmbar no Wyoming em 1996 (Ceranowicz et al., 2001) acelerou toda a pesquisa. Assim, foi possível evitar algumas das complicações e despesas associadas à localização e coleta de amostras adequadas de âmbar.

Propriedades físicas e químicas do âmbar; depósitos mundiais e geologia de sites no Wyoming e no Báltico

Sabe-se que o âmbar contém muito mais carbono que madeira. Segundo o laboratório da AMS, o teor de carbono foi de 82-88% (com base na pressão de CO2 observada) (Ceranowicz et al., 2001). Detalhes da composição química do âmbar podem ser encontrados em Rice (1980): por exemplo, o fato de esse material queimar facilmente com uma chama amarela brilhante; contém 79% de carbono, 10,5% de hidrogênio e 10,5% de oxigênio, às vezes vestígios de enxofre; derrete a 250 ° C e exala fumaça branca e o cheiro de pinheiros. (Mais detalhes sobre a química e a história do âmbar podem ser encontrados em vários sites na Internet).

Por outro lado, dez fragmentos de ossos de dinossauros do Museu de História Natural Carnegie continham apenas 2 a 7% de carbono (com base em manchas da superfície marrom a preta e medidos por análise em um forno analítico Leco) (Fields et al., 1990; Dahmer et al., 1990 ) Um conteúdo de carbono semelhante foi encontrado em seções transversais de ossos de dinossauros, que aparentemente foram parcial ou completamente fossilizados (Andre Ivanov, 1996, entrevista pessoal).

O livro de Rice, “Amber, a jóia de ouro das idades” (1980) é uma excelente fonte de informações sobre a história e / ou propriedades físicas do âmbar. O âmbar do Báltico é proveniente de depósitos nas áreas costeiras do mar Báltico ao redor da Dinamarca, Suécia, norte da Alemanha, Polônia e antiga União Soviética. Caso contrário, pequenas quantidades de resinas âmbar ou fósseis foram encontradas na Sicília, Romênia, China, Birmânia, Tailândia, Japão, antiga União Soviética, Canadá e Estados Unidos. Atualmente, grandes quantidades de âmbar são extraídas na República Dominicana (Rice, 1980).

A seguir, é apresentada uma breve descrição do âmbar em seu estado bruto, como encontrado em Wyoming:

“Às vezes, apresenta uma casca marrom mutável, pulverulenta, marrom avermelhada, marrom clara ou cinza. Encontramos em tubérculos de formas variadas. – Quando incorporado em areia ou cascalho aluvial, o âmbar não possui mais esse revestimento opaco e é frequentemente arredondado para rochas ou grãos. ”(Lyman, 1986, p. 308).

O âmbar também nada na água salgada do mar, razão pela qual foi encontrada durante séculos ao longo das margens do Mar Báltico, quando as correntes submarinas ou outros choques a liberavam de seus cemitérios debaixo d’água. Outras fontes importantes de âmbar incluem: Colômbia, República Dominicana, México, Carolina do Sul, Nova Jersey e até locais fora do Círculo Polar Ártico, como Axel Heiberg Island. Outros depósitos menores estão nos Estados Unidos e em outras partes do mundo (Rice, 1980).

Ceranowicz et al. (2001) relatam mais localidades. Também (como encontrado mais tarde na Polônia) continha depósitos de âmbar associados aos depósitos de triceratops succinita (âmbar) com base em espectros de absorção de infravermelho, o que confirmou que era verdadeiro âmbar. Existem ligações cruzadas de carbono e sais de ácido succínico chamados succinitos ou succinatos (succinatos).

Dizem que os vapores de âmbar têm um grande efeito curativo e são usados ​​há séculos. O ácido succínico é na verdade um ácido dicarboxílico (quatro átomos de carbono). O âmbar contém 3-8% de ácido succínico (Rice, 1980).

Âmbar na visão geral e local

O Hanson Ranch, em Roxson, Wyoming, está localizado no leste de Wyoming, a cerca de 120 milhas a oeste de Mount Rushmore, Dakota do Sul, e a 23 milhas a oeste da Rota 85, na Cheyenne River Road. Com o tempo, coletamos inúmeras amostras sob a direção de Joe Taylor, do Monte. Blanco, Crosbyton, Texas, que sabia onde encontrar a atual camada de barro e argila com 30 cm de espessura atual, da qual o tricerátopo “Vinny” havia sido levantado.

Joe também nos ajudou a obter permissão da família Hanson para conduzir esta pesquisa e nos mostrou as camadas exatas em que “Vinny” foi escavado (Derstler, 1994). Esta edição da revista CRSQ também oferece um relatório fotográfico das escavações no Hanson’s Ranch. Além disso, um relatório de Holroyd et al. (1996) contém uma descrição mais completa do rancho de Hanson e os objetivos de uma possível pesquisa. Ele agora está coletando amostras de dinossauros no Hanson’s Ranch, Universidade Adventista do Sudeste.

Nem os fósseis de hadrossauros nem os tricerátopos (a 5 km) foram enterrados na rocha, mas na argila cinza escura (gumbo) da Formação Lance. A argila é chamada de “barro” (argila gordurosa) (Ceranowicz et al., 2001). Ceranowicz (2001) cita as palavras do paleontólogo que originalmente desenterrou “Vinny” nos anos 90, Kraig A. Derstler:

“A argila gordurosa contém flocos de moscovita e detritos de plantas carbonizados, especialmente pequenos pedaços de madeira. A fina estratificação observada nas argilas oleosas é acentuada por fragmentos planos de resíduos carbonizados. Esta posição indica sedimentação calma. ”(P. 77).

Formação de Lanças = a Formação Cretácea Superior mais jovem dos Estados Unidos, correspondendo aproximadamente a Maastricht ou Dan. Restos de dinossauros. A Formação foi determinada por JB Hatcher em 1903.

No entanto, estratificação fina e detritos lenhosos planos não indicam necessariamente “sedimentação calma”. A paleohidráulica nos diz (Berthault, 1988, 2002a, 2002b, 2004; Clark e Voss, 1994; Fineberg, 1997; Flood, 1981; Flood, 1981; Julien et al., 1993; Lalomov, 2001; Makse et al., 1997;

McKee et ai., 1967; Snelling, 1997; Walthur, 1894) que estratificações finas podem indicar deposição de correntes de Foucault.

Mt. St. Helens (estado de Washington) é o melhor exemplo da rápida deposição de camadas finas. O material plano de madeira pode ser armazenado junto com os ossos de argila e dinossauro em uma posição oblíqua, precisamente por causa do turbilhão rápido. Um experimento em um canal poderia ajudar a resolver essa pequena discrepância: pedaços de madeira com formas simplesmente diferentes seriam adicionados a uma mistura de argila e água em turbilhão em diferentes velocidades hidráulicas, e o arranjo de pedaços de madeira planos seria estudado.

O maior museu de âmbar e centro de pesquisa do mundo fica em Varsóvia, na Polônia, no “Museu da Terra”. Por isso, procuramos a ajuda de cientistas poloneses, que foram os primeiros na Polônia a usar o laboratório 14C padrão.

No entanto, devido ao pequeno tamanho do âmbar de Wyoming, a análise de um laboratório comum não pôde datar isso. Em vez disso, os pesquisadores coletaram amostras de um museu em Varsóvia e as dataram para a RU, juntamente com o âmbar de Wyoming, no laboratório Accelerator Mass Spectrometer (AMS), e escreveram um ótimo artigo sobre isso, disponível em Hugh Miller. Isso provou ser difícil de analisar porque (como declarado na monografia), “âmbar verdadeiro, succinato, nunca foi datado para a RU porque é considerado velho demais para esse método de datação” (Ceranowicz et al., 2001, p. 77)

Espectrômetro de Massa do Acelerador (AMS)
hp.ujf.cas.cz/~wagner/prednasky/subatom/aplikace/datovani )

Na introdução do artigo sobre âmbar, eles também enfatizaram:

Para comparar qualquer datação feita no material de Wyoming, consideramos necessário datar algumas amostras reais de âmbar (succinato) de escavações em locais geológicos conhecidos. Talvez estes possam ser um material melhor para análises químicas preliminares do que amostras de carvão tradicionais usadas na análise 14C. Para esse fim, as resinas já datadas foram consideradas muito jovens para serem comparadas e também não classificáveis, pois foram encontradas na praia (ao longo da costa do Báltico).

As amostras escavadas nos foram emprestadas para testes comparativos pelo Museu da Terra em Varsóvia. Os resultados ambarinos em si não ajudaram muito na datação da Formação Wyoming, mas como é a primeira vez que o âmbar é testado quanto ao conteúdo de RU, consideramos útil publicar os resultados obtidos (Ceranowicz et al., 2001, p. 77).

O AMS geralmente requer amostras que contenham pelo menos 3 mg de carbono. No entanto, é interessante que, quando datamos a presa de mamute (mais sobre isso no próximo artigo), o laboratório da AMS encontrou apenas 0,2 mg de colágeno, mas determinou a idade da RU em cerca de 4.980 RU anos de PS. Esse conhecimento deve ajudar a datar ossos fósseis antigos.

Resp. Calma rápida deposição de âmbar nos cemitérios de dinossauros de Wyoming

As duas últimas declarações do paleontologista que descobriram o local de Vinny em 1994 (veja o texto anterior) foram mais bem-sucedidas por Gary Gordon (um ex-membro do Creation Research Institute) ao examinar várias pequenas lascas de madeira carbonizadas. Em uma entrevista com nosso cinegrafista Andy Graybeal, Gary Gordon observou que “fragmentos finos de madeira carbonizada na camada GUMBO falam por uma onda de ondas do mar se movendo 1.500 km / h em toda a Terra – como poderia ter acontecido durante o dilúvio de Noé, quando o dilúvio lunar a atração causou essas ondas na Terra 150 dias duas vezes por dia “.

Gumbo = também traduzida como “lama pegajosa”; (Também gumbotil = tipo de solo interglacial norte-americano na forma de casca de intemperismo na superfície de depósitos glacigênicos (principalmente argilas cordais). Difícil).

Camadas finas podem se formar durante a rápida deposição hidráulica, como foi o caso no Monte. St. Helen no “pequeno Grand Canyon”. Esses estratos se depositaram rapidamente em questão de horas e não durante uma suposta “sedimentação calma”.

A maioria das estimativas geológicas estabelece a taxa de acomodação para todas as tabelas geológicas em “um centímetro / 1000 anos” (Officer, 1996). No Museum Museum, em Maryland (Sideling Hill), a velocidade estimada para um entalhe de 130 metros é de aproximadamente um centímetro / 1.600 anos. (Consulte os sites para obter detalhes sobre essa “sela”: www.dnr.state.md.us/publiclands/western e www.mgs.md.gov .)

Experimentos no laboratório e no canal (Julien et al., 1993; Snelling, 1997) apóiam o cenário contemplado de armazenamento hidráulico na catástrofe que enterrou dinossauros no Wyoming.

Material de madeira picada e pequenos pedaços de âmbar (raramente maiores que ervilhas) são mais uma evidência de rápida deposição hidráulica. A maioria das partículas de âmbar tinha muito menos de ½ cm de diâmetro, e essas partículas eram quase sempre serrilhadas, dando a impressão de que haviam sido quebradas em pedaços muito maiores. O âmbar do Báltico não continha pedaços irregulares e, em todos os seus pedaços, era muito maior que os do âmbar de Wyoming. Se o âmbar do Báltico realmente participou da deposição hidráulica, podemos assumir que o incidente foi muito mais calmo do que o de Wyoming.

Isótopos em  mamutes com carbono radioativo em comparação com dinossauros

Um dos principais projetos do Grupo Paleo em 2005 foi coletar e estudar uma grande quantidade de dados importantes da EF. Um desses artigos tratava da idade dos mamutes da RU (Vasil´chuk et al., 1997). Trezentos e sessenta dados de RU estão na tabela com base na datação de ossos 14C (aprox. 130), presas e fezes (aprox. 190) e tecidos moles (aprox. 40). No continente euro-asiático, os dados variaram de 9.670 (+ – 60) a mais de 53.170 RU anos PS. Com exceção de 21 dados, todos tinham menos de 40.000 anos de RU. Dos dados com mais de 40.000 anos da RU, a maioria estava na faixa de 43.380 (+ – 380) anos de madeira não fosilizada da Baía Prudhoe enterrada em permafrost permanente a uma profundidade de 40 metros (idade da RU obtida de um laboratório 14C licenciado nos Estados Unidos em 2004).

Vasil´chuk et al. (1997) realizaram extensos estudos sobre esses ossos (da região do permafrost), mas não abordaram o conteúdo de colágeno. Eles também dataram o material vegetal encontrado junto com os ossos. Suas conclusões foram: 1) não há diferença estatística na RU entre os ossos e outros materiais orgânicos e 2) a datação dos ossos de mamute é confiável. Vamos apenas acrescentar que oito ossos, presas e dentes gigantescos vêm da Ilha Wrangel, no Oceano Ártico, acima da Sibéria, cujo colágeno refinado foi usado para datar as RUs com idade estimada em menos de 5.000 anos (Vartanyan, 1995).

Possível contaminação pela moderna EF

O grupo Paleo (por volta de 1990) datou cinco fragmentos diferentes de ossos de dinossauro pobres em colágeno para a RU e encontrou uma faixa semelhante de dados de idade (9890 + – 50 a 25 750 + – 250 RU anos) como a idade da RU de vários mamutes. Um laboratório AMS licenciado datou o húmus e frações alcalinas da RU no sexto osso de dinossauro, localizado a 30 quilômetros do Oceano Ártico, no Alasca, e encontrou a idade de RU 36 140 (+ – 560) e 31 050 (+ – 230), respectivamente (contrato com um laboratório licenciado no exterior). 1998).

Embora o âmbar tenha uma grande área de superfície contendo altas concentrações de carbono (80% de carbono), a idade do 14C para o âmbar estava na mesma faixa que para outros fósseis, incluindo carvão. Assim, se os compostos de carbono tendessem a absorver o CO2 moderno do ar ou da absorção química orgânica, o alto teor de carbono do âmbar significaria que esse material é o melhor candidato para essa absorção. No entanto, não houve indicação de tal contaminação nos resultados da datação por âmbar 14C. As objeções de Stafford (1992) de que o osso do dinossauro é relativamente jovem para a datação em 14C parecem, portanto, argumentos irracionais para URs anômalas da idade de Cretáceo ou Chalk. Dinossauros jurássicos.

Esses ossos de dinossauro não continham colágeno, apenas apatita óssea (Dahmer et al., 1990). Fragmentos ósseos contendo pouco ou nenhum colágeno foram, portanto, datados de RU. O grupo Paleo descobriu e descobriu que, mesmo sem colágeno ósseo, os ossos de dinossauros continham 2 a 5% de carbono residual em toda a estrutura óssea (Andre Ivanov, 1996, entrevista pessoal) semelhante ao carbono de esfregaços de superfície (Dahmer et al., 1990). Essa descoberta é suficiente para concluir que a apatita do osso de dinossauro é tão confiável quanto a datação de ossos gigantes, incluindo a datação com ou sem colágeno extraído.

É um fato conhecido que o carbono pode absorver compostos orgânicos, mas apenas uma quantidade limitada em peso de poluentes orgânicos (gasosos ou líquidos) pode se ligar à sua superfície. O tempo durante o qual essa absorção ocorre é calculado em dias, meses ou no máximo em alguns anos (dependendo de quantos poluentes orgânicos estão ligados).

No entanto, o período de absorção nunca é de 70 milhões de anos; caso contrário, haveria pouca demanda por carvão ativado produzido industrialmente. Por exemplo, as soluções de níquel para galvanização devem ser mantidas estéreis (sem contaminação orgânica) por filtração constante com bombas contendo carvão ativado. E durante toda a operação dessa produção, o filtro de carbono deve ser substituído semanalmente (Safranek et al., 1960).

Os ossos não pareciam ter sido completamente fossilizados, e alguns, como o famoso Acrocanthosaurus da bacia do rio Paluxa, continham material querogênico nos canais de Havers, como os cientistas observaram ao dissecá-lo e enchê-lo (Hugh Miller, 1990). Museum of Creation Papers, Glen Rose, Texas).

Explicações:

Kerogen = uma substância natural altamente heterogênea quimicamente formada por macromoléculas altamente polimerizadas com anéis aromáticos e sistemas alifáticos de várias formas condensadas (Welte 1972). Representa uma parte insolúvel da matéria orgânica contida nos sedimentos do clorofórmio – o material de partida na formação do óleo. (nota de tradução)

Canais de Havers = canais longitudinais interconectados em osso compacto, contendo vasos (Clopton Havers, 1650 – 1702, anatomista e médico inglês).

Devido à natureza antibacteriana dos succinatos (succinitos) em âmbar, é improvável que os átomos de 14C substituam os átomos de carbono das ligações estreitas de moléculas do tipo ácido succínico que não o diamante (Baumgardner et al., 2003). Como os dados da RU estavam no topo dos sistemas de datação AMS, é claro que nenhuma contaminação ocorreu.

Os evolucionistas às vezes argumentam que certos micróbios podem ter contaminado âmbar (e ossos de dinossauros) com átomos modernos de 14C, fazendo com que esses materiais sejam desproporcionalmente jovens na RU. No entanto, não há evidências de que o âmbar endurecido possa absorver o 14C moderno de qualquer forma, portanto a atividade microbiana é praticamente irrelevante para os dados da RU obtidos.

Além disso, deve-se notar que os procedimentos analíticos para testar o teor de âmbar em 14C requerem tratamento com ácidos e bases que removem qualquer tecido celular e resíduos microbianos observados pelo laboratório (Snelling, 1999). Portanto, pode ser seguro supor que a datação de ossos de dinossauro por RU não seja marcada por atividade microbiana, mas ainda restam algumas questões. Provavelmente, a datação por colágeno desses ossos por esses ossos será necessária para responder a essas perguntas.

Sabe-se também que a atividade hidrotérmica, como a associada à atividade vulcânica, causa dados de RU mais antigos devido à absorção de gases antigos contendo carbono (Van Oosterwych-Gastuche, 1999). A água a altas temperaturas e pressões pode causar a contaminação de materiais vegetais e animais com carbono antigo no período formativo de enterro e fossilização, que pode ser hipoteticamente “fixo”. A idade real de muitos fósseis pode, portanto, ser muito mais jovem do que a datação pela RU sugere. A pesquisa está planejada para avaliar a possível contaminação de materiais orgânicos modernos com materiais antigos contendo carbono.

No caso dos têxteis, o efeito hidrotérmico fez com que os têxteis velhos parecessem muito mais jovens (Van Oosterwych – Gastuche, 1999).

A falta de colágeno e tecidos moles nos ossos de dinossauros é atribuída ao clima quente do oeste dos Estados Unidos. Quanto mais ao norte da latitude, mais colágeno esperaríamos nos ossos devido à sua melhor preservação em climas mais frios ou permafrost, como provavelmente foi o caso de alguns mamutes.

Esse conceito de preservação de material orgânico em climas mais frios corresponde ao modelo criativo da inundação e da era glacial e do derretimento em apenas alguns milhares de anos (Oard, 2004a, b). A recente descoberta de tecido mole no osso do dinossauro Tyrannosaurus rex é um grande problema para biólogos e paleontologistas evolucionistas (Schweitzer et al., 2005). Datar com 14C deste e de outros fósseis pode contribuir ainda mais para a negação de dados geológicos geralmente aceitos.

Dados de radiocarbono para o âmbar de Wyoming no escopo do sistema de detecção de AMS?

Um artigo da Polônia (Ceranowicz et al., 2001) terminou da seguinte forma:

A amostra 3, de Wyoming, difere quase significativamente de zero e, portanto, seu limite superior não parece estar muito longe de uma determinada idade mínima. A probabilidade de ser diferente de zero é da ordem de 94% (P = 0, 0608), indicando que a datação da Formação Lance deve estar quase dentro do intervalo de datação 14C. No entanto, a similaridade do espectro infravermelho com outros sedimentos cretáceos coloca a Formação Lance nesta posição estratigráfica. Como as amostras de âmbar também tinham uma leitura positiva da FMC, se alguma delas fosse usada como amostra de referência em vez de carvão (que tinha 0,0031 FMC), a amostra de Wyoming seria ainda menos suspeita de idade jovem (p. 80).

Observações e conclusões

As amostras de âmbar do site de triceratops do Wyoming são minúsculas, borbulhantes e variam de amarelo a vermelho, como se estivessem expostas a temperaturas e pressões muito altas. Alguns fragmentos de âmbar apresentam grandes fissuras com numerosas fraturas, como revestimentos quebradiços de cromo em aços niquelados ou vazamentos de cubos de zinco (Safranek et al., 1960). Isso sugere que a fragilidade interna do âmbar foi uma resposta a uma força externa considerável, como temperatura e pressão, e o âmbar foi quebrado como na madeira carbonizada.

A maior parte do âmbar era vermelha, com algumas variações de amarelo para laranja e vermelho (para algumas amostras em uma área de apenas alguns mm). Isso indica um alto grau de oxidação devido à alta temperatura por um pequeno período de tempo. A descrição de algumas amostras de âmbar corresponde à descrição de Lyman (1986) de que “o âmbar às vezes tem uma casca em pó, marrom-avermelhada, marrom-clara ou cinza, dependendo das mudanças pelas quais passou” (p. 308).

Escamas muito pequenas de mica transparente ou branca (moscovita) ao lado de âmbar e na camada de argila mãe de “Vinny” sugerem que as fatias de mica poderiam ser separadas à força de sua matriz original pela ação rolante de seixos e pedras em correntes de água por um longo tempo.

A madeira original, agora quebradiça, quebrada e carbonizada, pode ter sido exposta a altas temperaturas e pressões após ser enterrada. Espécimes pequenos (menos de 6 cm2), juntamente com partes dos cones, foram carbonizados de maneira semelhante à vista nas argilas e rochas dos rios Paluxa, Texas e Colorado, além de fósseis da era dos dinossauros.

As partículas de âmbar enterradas com tricerátopos em solução salina precisavam ser enterradas rapidamente, caso contrário elas seriam facilmente transportadas. Tudo isso é uma forte indicação de um desastre maciço causado pela água salgada.

Embora muitas idades da RU estejam próximas do limite superior de detecção do sistema AMS, o mero fato de que algum carbono 14C esteja presente em todos os fósseis contendo carbono (mas menos que o diamante – Baumgardner, 2003) apóia a tese de eventos cataclísmicos globais recentes. quem salvou esses fósseis.

A relação dos dados de RU encontrados para âmbar e em tempo real parece se encaixar bem nos cálculos em tempo real para outros fósseis, usando a equação de correlação de Brown (1992), que apóia a alegação de que as suposições duvidosas sobre datação por radiocarbono estão erradas.

O isótopo de RU é nosso verdadeiro “amigo” (Humphreys, 2004), pois novos dados (Snelling, 1999; Wieland, 2003; Baumgardner, 2003) correspondem aos dados de RU dos anos 80 (Fields et al., 1990; Dahmer et al., 1990). Todos eles apóiam a jovem Terra e o catastrofismo.

Este estudo, juntamente com centenas de outros estudos individuais de vários pesquisadores (muitos dos quais apareceram no CRSQ), continua pressionando por uma revisão das tabelas geológicas evolutivas padrão baseadas em paleo-hidráulicas, como Berthault (2004b) e outros fizeram com Tonto no Grand Canyon. Lalomov (2001) na Criméia e Morris (1980), Fields et al. (1990) e Baugh e Wilson (1991) na bacia do rio Paluxy, Texas.

Mais pesquisas sobre âmbar são propostas

Se houver dinheiro, planejamos continuar os estudos de RU e os estudos de infravermelho de resinas de várias camadas ao redor do mundo, em colaboração com outras organizações científicas. Esperamos aplicar os resultados às mudanças nas tabelas geológicas. Também planejamos realizar estudos de canal usando diferentes tamanhos e formas de fragmentos de madeira em um ambiente argiloso para descobrir como eles se alinham em uma sequência de sedimentos; os resultados de tais estudos podem levar os trabalhadores de campo ao estudo da paleo-hidráulica.

É muito importante projetar as experiências corretas para determinar se o carbono antigo realmente causa o envelhecimento do material biótico moderno sob condições hidrotérmicas. Um estudo intensivo sobre o 14C também deve ser iniciado em amostras de profundidade da Baía de Prudhoe, etc. Esperançosamente, estudos semelhantes ajudarão a ciência a entender a razão das semelhanças nas idades do 14C em dinossauros e mamutes, além de outros fósseis, como madeira âmbar e não fossilizada. Também tentaremos determinar o tempo em que esses materiais foram armazenados. Tais programas científicos intensivos somente serão realizados no devido tempo, se houver dinheiro para eles.

obrigado

Gostaríamos de agradecer aos proprietários do Hanson Ranch e àqueles que cuidaram das escavações do Hadrosaur no verão de 1996. Também gostaríamos de elogiar os esforços de Dennis Peterson, Joe Taylor, Otis Kline e Doris Bowers por suas pesquisas no local, esforços paleontológicos e arqueológicos. Também agradecemos ao CRSEF e aos colaboradores que permitiram à equipe de Columbus Ohio participar das escavações e realizar os caros datação por radiocarbono AMS; e, é claro, aos nossos colegas inspirados da Polônia pela seleção do âmbar do Báltico para comparação, pelo estudo de absorção no infravermelho e pelo excelente estudo.

Em retrospecto, não devemos esquecer os esforços pioneiros de Robert Whitelaw (1970), que tornou o estudo da RU datado tão fascinante e útil. E, acima de tudo, não podemos esquecer de agradecer ao Criador inteligente por nos inspirar a nos ajudar a manter a fé de nossos pais na “criação de seis dias” por meio de Sua ciência.

Referências

CRSQ –
Sites trimestrais da Amber Research Society . 2005. História de âmbar, ácido succínico, resina, succinita, medicina, medicamentos, terapia, terapêutica, tratamentos, saúde, cura, artefato, homeopatia. www.amberjewelry.com/Amber_in_Therapeutics_2.htm – 25k.
Baumgardner, JR, AA Snelling, DR Humphreys e SA Austin, 2003. 14C mensurável em materiais orgânicos fossilizados: Confirmando o modelo de criação e inundação da Terra jovem. In Ivey, RL (editor), Anais da Quinta Conferência Internacional sobre Criacionismo (sessões do simpósio técnico), pp. 127-142. Bolsa de Ciência da Criação, Pittsburgh, PA.
Baugh, C. e C. Wilson. 1991. Dinosaur, evidência científica de que dinossauros e homens andavam juntos. Museu da Evidência da Criação, Box 307, Glen Rose
TX 76043. Promise Publishing Co., Orange, CA.
Beierle, FP 1979. Um novo tipo de evidência do Paluxy. CRSQ 16: 87-88, 131.
Berthault, G. 1988. Sedimentação de uma mistura heterogranular, laminação experimental em água parada e água corrente. Counts Rendus da Academia de Ciências, Série II 306: 717-724.
Berthault, G. 1994. Experiências sobre estratificação. Em Walsh, Robert E. (editor), Anais da Terceira Conferência Internacional sobre Criacionismo (sessões do simpósio técnico), pp. 103-110. Bolsa de Ciência da Criação, Pittsburgh, PA.
Berthault, G. 2002a. Princípios de datação geológica questionados. Paleohidráulica: uma nova abordagem. Jornal de Geodésia e Geodinâmica (China) 22 (3): 19–26.
Berthault, G. 2002b. Análise dos principais princípios da estratigrafia com base em dados experimentais. Litologia e Recursos Minerais 37: 442–445.
Berthault, G. 2004. Interpretação sedimentológica da estratigrafia do Grupo Tonto (rio Grand Canyon Colorado). Litologia e Recursos Minerais 39: 480–484.
Brown, RH 1986. Datação radiométrica a partir da perspectiva da cronologia bíblica. Em Walsh, RE, CL Brooks e RS Crowell (editores), Anais da Primeira Conferência Internacional sobre Criacionismo, volume 2 (sessões técnicas), pp. 31-36. Bolsa de Ciência da Criação, Pittsburgh, PA.
Brown, RH 1992. Correlação da idade 14C com o tempo real. CRSQ 29: 45–48.
Ceranowicz, BK, M. Giertych e H. Miller 2001. Cedarite de Wyoming: dados de infravermelho e radiocarbono. Obras Museu da Terra 46: 77–80.
Clark, ME e HD Voss. 1994. Para uma compreensão da mecânica dos fluidos das marés associada ao dilúvio de Gênesis. Em Walsh, Robert E. (editor), Anais da Terceira Conferência Internacional sobre Criacionismo (sessões do simpósio técnico), pp. 151-167. Bolsa de Ciência da Criação, Pittsburgh, PA.
Dahmer, LH, D. Kouznestsov, A. Ivanov, J. Whitmore, J. Detwiler e H. Miller. 1990. Relatório sobre análise química e datação adicional de ossos de dinossauros e petroglifos de dinossauros. Em Walsh, RE e CL Brooks (editores), Anais da Segunda Conferência Internacional sobre Criacionismo, volume 2 (sessões do simpósio técnico), pp. 371-374. Bolsa de Ciência da Criação, Pittsburgh PA. (Relatórios laboratoriais de RC disponíveis em Hugh Miller).
Derstler, K. 1994. Dinossauros da Formação Lance, no leste do Wyoming. Em Nelson, CF (editor), Associação Geológica de Wyoming, 44º Guia Anual da Conferência de Campo, pp. 127-146. Associação Geológica de Wyoming, Casper. WY.
DeVilbiss, JW 1986, A descoberta de icnofósseis quase humanos na dolomita Glen Rose, Paluxy River, TX. Em Walsh, RE, CL Brooks e RS Crowell (editores), Anais da Primeira Conferência Internacional sobre Criacionismo, volume 2 (sessões técnicas), pp. 227-232. Bolsa de Ciência da Criação, Pittsburgh, PA.
Dorf, E. 1942. Floras superiores do Cretáceo da região das Montanhas Rochosas. II Flora da Formação Lance em sua localidade tipo, Niobrara Co., Wyoming. Publicação 508: 79–159 do Instituto Carnegie de Washington.
Fields, W. e HR Miller, J. Whitmore, D. Davis, G. Detwiler, J. Ditmars, R. Whitelaw e G. Novaez. 1990. As pegadas de Paluxy revisitadas. Em Walsh, RE e CL Brooks (editores), Anais da Segunda Conferência Internacional sobre Criacionismo, volume 2 (sessões do simpósio técnico), pp. 155-175. Bolsa de Ciência da Criação, Pittsburgh, PA.
Fineberg, J. 1997. Do dilema de Cinderela aos slides de rock. Nature 386: 323–324.
Inundação, R. 1981. Professores universitários investigam a geologia das inundações. Moody Monthly 81 (5): 96–98.
Helfinstine, RF, 1994. Faixas e artefatos do Texas: os fósseis do Texas indicam a coexistência de homens e dinossauros? Presto Graphics Inc., South Anoka, MN. (Pedido de RF Helfinstine, 1136 5th Ave., South Anoka MN 55303)
Holroyd, EW III, MJ Oard e D. Petersen. 1996. Oportunidades para estudos criacionistas do Hanson Ranch, Roxson, Wyoming. CRSQ 33: 136–140.
Humphreys, RD 2004. 14C – O amigo dos criacionistas. Assuntos de Criação 9 (6): 5.
Julien, PY, Y. Lan e G. Berthault. 1993. Experiências sobre estratificação de misturas heterogêneas de areia. Boletim da Sociedade Geológica da França 164 (5): 649–660.
Lalomov, AV 2001. Geologia de inundação da Península da Criméia, Parte I: Formação Tavrick. CRSQ 38 (3): 118-124.
Lyman, Kennie (editor). 1986. Simon e Schusters Guide to Gems and Precious Stones. Simon & Schuster Inc, Nova Iorque, NY.
Makse, HA, S. Havlin, PR King e HE Stanley. 1997. Estratificação espontânea em misturas granulares. Nature 386: 379–382.
McKee ED, EJ Crosby e HL Berryhill. 1967. Depósitos de inundação, Bijou Creek, Colorado, junho de 1965. Journal Sedimentary Petrology 37: 829–851.
Miller, HR, 2005. Mais falhas na datação K / Ar de potássio e argônio por muito tempo (Carta ao Editor). CRSQ 42: 207-210.
Morris, JD 1980. Rastreando aqueles dinossauros incríveis e as pessoas que os conheciam. Livros Mestres, San Diego, CA.
Oard, M. 2004a. Parado no tempo. Livros-mestre, Green Forest, AR.
Oard, M. 2004b. A controvérsia da inundação de Missoula. Livros da Sociedade de Pesquisa da Criação, Chino Valley, AZ.
Oficial, C. 1996. O Grande Conflito de Extinção de Dinossauros. Helix Books, Nova Iorque, NY.
Patton, D. 2000. 25 fotos de ensaios pictóricos de pegadas fósseis e marcas de ondulações fósseis no rio Paluxy; e outras evidências de coexistência humana e de dinossauros. www.bible.ca/tracks/buy.htm .
Rice, PC 1980. Amber, The Golden Gem of the Ages. Van Nostrand Rheinhold Company, Nova Iorque, NY.
Rotta, RB 2004. Explicações evolutivas
para radiocarbono anômalo no carvão. CRSQ 41: 104–112.
Safranek, WH, HR Miller, RW Hardy e CL Faust. 1960. Novos dados sobre o desempenho das fundições sob pressão de níquel e zinco cromado, 47th Anual Proceedings, American Electroplaters Society. American Electroplaters Society Inc. Newark, NJ e Westbrook Publishing Co. Philadelphia, PA.
Schweitzer, MH, JL Wittmeyer, JR Horner e JK Toporski. 2005. Preservação de tecidos moles e celulares em Tyrannosaurus Rex. Science 307: 1952–1955.
Snelling, A. 1997. A natureza finalmente alcança! Diário Técnico da Criação Ex Nihilo 11 (2): 125–126.
Snelling, A. 1999. Dilema do isótopo: madeira fóssil em arenito ‘antigo’. Criação Ex Nihilo 21 (3): 39–41.
Stafford, TW Jr., 1992. Osso de dinossauro por datação por radiocarbono: mais pseudociência dos criacionistas. Criação / Evolução 12 (1): 10–17.
Van Oosterwyck-Gastuche, MC 1999. Le Radiocarbone Face au Linceul de Turin – Journal d’une Richerche (Trans: datação por radiocarbono aplicada à mortalha de Turin – A Journal of Research). Xavier de Guivert, de François, Paris, FR.
Vartanyan, SL 1995. Evidências de datação por radiocarbono para mamutes na Ilha Wrangle, Oceano Ártico, até 2000 aC. Radiocarbono 37 (1): 1–6. packrat.aml.arizona.edu/Journal/v37n1/vartanyan [x] Vasil’Chuk, Yurij, JM Punning e A. Vasil’Chuk. 1997. Idade dos radiocarbonetos dos mamutes no norte da Eurásia: implicações para o desenvolvimento da população e o ambiente quaternário tardio. Radiocarbono 39 (1): 1–18.
Walthur, J. 1894. Introdução à geologia e ciência histórica. Gustav Fisher Verlag, Jena, DEU.
Whitelaw, RL 1970. Tempo, vida e história à luz de 15.000 datas de radiocarbono. CRSQ 7: 56–70.
Whitelaw, RL 1993. Datação por radiocarbono após quarenta anos: Os criacionistas vêem isso como apoio à Criação e Dilúvio Bíblicos? – Uma revisão e crítica da escrita criacionista pertinente, 1950-1990. CRSQ 29: 170–183.
Wieland, C. 2003. O grupo Rate revela um avanço emocionante (mais ótimas notícias sobre datação por radiocarbono), www.answersingenisis.org (em 21 de agosto de 2003).


Sodré Neto
Sobre Sodré Neto 20 Artigos
Sodré GB Neto Lattes: http://lattes.cnpq.br/2777670829319806 Orcid: https://orcid.org/0000-0002-8867-5429

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*