O Maior Crime da Ciência Contra a Humanidade: (NM) Naturalismo Metafísico

Por Sodré GB Neto
Lattes: http://lattes.cnpq.br/2777670829319806
Orcid: https://orcid.org/0000-0002-8867-5429
cancerlinfocito@gmail.com
geologiaatual@gmail.com

Crença – Wikipédia, a enciclopédia livre

O Maior Crime da Ciência Contra a Humanidade

Por Sodré GB Neto
Lattes: http://lattes.cnpq.br/2777670829319806
Orcid: Sodré GB Neto (0000-0002-8867-5429)
cancerlinfocito@gmail.com
geologiaatual@gmail.com

Resumo:  De longe este é o maior crime da ciência contra a humanidade . Ninguém nega os benefícios da ciência, mas quem estuda sua historia percebe que ela não é tão santinha assim ; ela recomendou remédios assassinos, bombas nucleares e parece ter tanto poder de abençoar como de amaldiçoar a humanidade .  Demonstramos aqui como a doutrina epistemológica do naturalismo metafísico (NM) que permite centenas ou milhares de pesquisas metafísicas desde que as mesmas não evoquem temas religiosos e por isto tem 1) Atrasado a ciência por dar voz a teorias que recomendaram por exemplo DNA lixo e órgãos vestigiais que fabricaram milhões de cirurgias arriscadas, fatais e desnecessárias; 2) Forçado cientistas a trilhar caminhos de pesquisa não sugeridos pelos dados 3) Criado uma “caça as bruxas”, abafando trabalhos importantes de cientistas ,  que no caso seriam cientistas do design inteligente, criacionistas e quaisquer assuntos que tenham possibilidade convalidatória de sabedorias milenares religiosas incluindo fitoterapias,  que estiveram marginalizadas na ciência por muito tempo e pouco praticada,  mesmo hoje,  principalmente nos países que são mais dominados pela industria farmacêutica e que apresentam os maiores índices de morte por Covid-19 . . Propomos que haja uma revisão epistemológica quanto a NM , para que a humanidade receba melhor serviço da ciência do que vem acontecendo.

Palavras chaves: Voltaire, Historia da Ciência, História medieval, Revolução Francesa, Iluminismo, Fitoterapia, epistemologia, sabedoria milenar, pseudociência, darwinismo, eugenia, comunismo, nazismo, tratado de elsinque, tratado de nuremberg, farmácia, medicamentos, bullying, criacionismo, evolucionismo, órgãos vestiginais, DNA lixo, design inteligente

 

 

Introdução

De onde surgiu esta regra da ciência que estuda tudo mas tem preconceitos com assuntos religiosos principalmente bíblicos? Quais efeitos uma regra injusta gera na sociedade? Quantas mortes fabrica? Quantas perseguições a grandes cientistas tem gerado? Quantas inspirações para inovação científica esta regra impede? Que motivos elevados nos cientistas ela pode impedir? A regra do NM deu preferência e validez a teorias materialistas, naturalistas como o darwinismo,  que teve íntima relação com o surgimento do darwinismo social,  nazismo, eugenia, comunismo extremo e milhares de mortes?

Definição Embromatoria de Naturalismo Metafisico

“Naturalismo metafísico (também chamado de naturalismo ontológico , naturalismo filosófico , o materialismo científico e anti-sobrenaturalismo ) é uma visão de mundo filosófica, que sustenta que não há nada, mas naturais elementos, princípios e relações do tipo estudado pelos ciências naturais . Naturalismo metodológico é uma base filosófica para a ciência, para o qual naturalismo metafísico fornece única possível ontológica fundação. Em termos gerais, a perspectiva teológica correspondente é naturalismo religioso ou naturalismo espiritual . Mais especificamente, o naturalismo metafísico rejeita as sobrenaturais conceitos e explicações que fazem parte de muitas religiões .Definição De acordo com Steven Schafersman , geólogo e presidente da Texas Cidadãos para a Ciência , naturalismo metafísico é uma filosofia que sustenta que: 1. Natureza engloba tudo o que existe em todo espaço e tempo ; 2. Natureza (o universo ou cosmos ) consiste apenas em elementos naturais, isto é, de espaço-temporal física em matéria de substâncias massa – energia . Não física ou quase-física substância , tais como informações , idéias , valores , lógica , matemática , intelecto , e outros fenômenos emergentes , quer supervene sobre o físico ou pode ser reduzida a uma conta física; 3. Natureza opera pelas leis da física e, em princípio, pode ser explicada e compreendida pela ciência e filosofia; e 4. o sobrenatural não existe, ou seja, só a natureza é verdadeira . Naturalism é, por conseguinte, um metafísico filosofia oposição principalmente por criacionismo bíblicos.Carl Sagan colocá-lo de forma sucinta: “O Cosmos é tudo o que é ou jamais foi ou será.”De acordo com Arthur C. Danto , naturalismo, em uso recente, é uma espécie de monism filosofia de acordo com a qual existe ou o que quer que aconteça é natural, no sentido de ser susceptível a explicação através de métodos que, embora paradigmático exemplificado nas ciências naturais, são contínuas de domínio para domínio de objetos e eventos. Assim, o naturalismo é polemicamente definido como repudiar a visão de que existe ou poderia existir quaisquer entidades que se encontram, em princípio, fora do âmbito da explicação científica.

De acordo com Steven Schafersman , geólogo e presidente da Texas Cidadãos para a Ciência , naturalismo metafísico é uma filosofia que sustenta que: 1. Natureza engloba tudo o que existe em todo espaço e tempo ; 2. Natureza (o universo ou cosmos ) consiste apenas em elementos naturais, isto é, de espaço-temporal física em matéria de substâncias massa – energia . Não física ou quase-física substância , tais como informações , idéias , valores , lógica , matemática , intelecto , e outros fenômenos emergentes , quer supervene sobre o físico ou pode ser reduzida a uma conta física; 3. Natureza opera pelas leis da física e, em princípio, pode ser explicada e compreendida pela ciência e filosofia; e 4. o sobrenatural não existe, ou seja, só a natureza é verdadeira . Naturalism é, por conseguinte, um metafísico filosofia oposição principalmente por criacionismo bíblicos.

Carl Sagan colocá-lo de forma sucinta: “O Cosmos é tudo o que é ou jamais foi ou será.”

De acordo com Arthur C. Danto , naturalismo, em uso recente, é uma espécie de monism filosofia de acordo com a qual existe ou o que quer que aconteça é natural, no sentido de ser susceptível a explicação através de métodos que, embora paradigmático exemplificado nas ciências naturais, são contínuas de domínio para domínio de objetos e eventos. Assim, o naturalismo é polemicamente definido como repudiar a visão de que existe ou poderia existir quaisquer entidades que se encontram, em princípio, fora do âmbito da explicação científica”.

Uma das publicações científicas refuta totalmente a regra do NM e assim expressa o Dr. Yonatan Fishman :

“Vários cientistas, filósofos e instituições científicas proeminentes argumentaram que a ciência não pode testar visões de mundo sobrenaturais com o argumento de que (1) a ciência pressupõe uma visão de mundo naturalista (Naturalismo) ou que (2) afirmações envolvendo fenômenos sobrenaturais estão inerentemente além do escopo da investigação científica. O presente artigo argumenta que essas suposições são questionáveis ​​e que, de fato, a ciência pode testar alegações sobrenaturais. Embora as evidências científicas possam finalmente apoiar uma visão de mundo naturalista, a ciência não pressupõe o Naturalismo como um compromisso a priori, e reivindicações sobrenaturais são passíveis de avaliação científica.  Esta conclusão desafia a lógica por trás de uma recente decisão judicial nos Estados Unidos sobre o ensino de “Design Inteligente” nas escolas públicas como alternativa à evolução e as declarações oficiais de duas grandes instituições científicas que exercem uma influência substancial sobre as políticas educacionais em ciências no país. Estados Unidos. Dado que a ciência tem implicações relativas à verdade provável das visões de mundo sobrenaturais, as alegações não devem ser excluídas a priori da educação científica, simplesmente porque elas podem ser caracterizadas como sobrenaturais, paranormais ou religiosas. Em vez disso, as alegações devem ser excluídas do ensino de ciências quando as evidências não as sustentam, independentemente de serem designadas como ‘naturais’ ou ‘sobrenaturais’.[3] .https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-90-481-2779-5_9

 

Aristóteles disse que uma vez desviada a verdade ela criaria ondas infinitas, podemos enumerar projeções de mortes por causa  do Darwinismo e  do naturalismo metafísico evitando a Deus :

1. Eugenia, darwinismo social e Nazismo que ceifou de 15 a 30 milhões de pessoas
2. Comunismo Ateu que ceifou mais de 100 milhões de pessoas, 78 milhões apenas na China
3. A crença em órgãos vestigiais que despreza o Criador por meio de declarar que certas partes do corpo não tem função mais, ou função muito secundária,  que estimulou e ainda estimula cirurgias desnecessárias, incalculável número de doenças e mortes prematuras.
4. A crença errada no DNA lixo que atrasou a ciência uns 10 anos, e que 20 anos antes de ser descoberto as funções genéticas consideradas lixo vestigial da evolução, livros e cientistas criacionistas já alertavam haver função desconhecida, mas em vez de serem ouvidos eram perseguidos
5. Perseguição de grandes pensadores e cientistas na academia que poderiam estar contribuindo com a ciência e melhoramento da qualidade de vida humana.
6. Aumento de criminalidade e da imoralidade pois assim como uma câmara de vigilância tem o poder de reprimir o crime, Deus , a crença nele e em um juízo final é fator tanto repressor da criminalidade quanto incentivador de boas ações; tirar isto das pessoas equivale a dar rédeas soltas ao pensamento e as ações mais baixas.
7. Combate as Igrejas que tirariam pessoas de diversos perigos, vícios, divórcios, vinganças, mortes e traumas.
8. Subtrair das Igrejas muitas  mentes que estariam contribuindo para sua correção e melhoramento.

Considerar Órgãos Vestigiais sem Função dada pelo Criador causou e ainda causa quantas Mortes?

Vemos que até hoje muitas cirurgias desnecessárias são feitas por médicos que ainda acreditam no darwinismo/evolucionismo. Aqui apresento apenas 1 exemplo do apêndice porque o artigo ficaria muito extenso se falasse dos 111 exemplos iguais ou piores que este.

 

A opinião científica tem impacto direto nas escolhas sobre procedimentos e desenvolvimentos técnicos. A aceitação de que os organismos vivos são resultado de uma trajetória totalmente acidental acaba por favorecer certas abordagens e soluções também na área médica. Neste contexto, o apêndice e mais 111 órgãos do corpo humano foram chamados de “vestigiais” e parte do DNA que não se conhecia as suas funções também foi chamado de “lixo” vestigial da evolução.

Porém pesquisas recentes revelaram que o DNA lixo era na verdade a parte controladora do DNA (metainformação), que havia funções nos 111 órgãos classificados vestigiais, que milhões de cirurgias talvez não devessem ter sido feitas. Atualmente esta mesma tendência se seguiu com a descoberta de múltiplas funções do apêndice e aumento de mortalidade e comorbidades em pacientes que sofreram apendicectomia (intervenção cirúrgica para remoção).

Revisamos estudos que apontam novas técnicas de tratamento não operatório (NOM) para apendicite, bem como grau de discernimento necessário por meio de exames para compreender até que ponto o médico poderá optar ou não pelos atraentes novos tratamentos NOM.

Devido a descoberta de muitas sequelas e aumento de mortalidade em pacientes que sofreram apendicectomia , a lendária e famosa “doença do lado” (apendicite) e suas apendicectomias de caráter preventivo, está em ampla revisão apontando um desfecho revolucionário em favor de tratamentos não operatórios (NOM). Desde a idade média (século XII), a cirurgia se apresenta como única solução, mas novos métodos baseados em prévios exames tem apontado a NOM como medida vantajosa. A razão desta mudança é que estudos recentes tem demonstrado haver inúmeros prejuízos a saúde de quem se submete a apendicectomia e principalmente por esta razão, tendo em vista as múltiplas funções que o apêndice exerce, dezenas de ensaios clínicos praticando tratamento não operatório da apendicite aguda tem sido executados com sucesso[1][2][3][4][5].

Em adultos “o tratamento com antibióticos é eficaz em mais de 70% das vezes[6] e em crianças ” os sintomas clínicos foram resolvidos na maioria das crianças após 1 dia de tratamento não operatório. Isso sugere que o tratamento não operatório é uma alternativa viável à apendicectomia em relação à recuperação clínica”[7]. Apesar desta mudança em andamento e discussão, cuidados em relação a examinar possibilidade de neoplasias malignas no apêndice, apesar de serem raros casos em crianças[8] devem ser feitos[9], o que recomenda ainda mais exames de ultrassonografia para distinguir apendite complicada das não complicadas[10]. Uma metanálise apontou em relação a apendicite aguda complicada em crianças (CAA) e analisaram a apendicite perfurada livre (APF) separadamente do abscesso apendicular (AAb) e do flegmão apendicular (AP) e comparam o manejo não-operatório (NOM) com o manejo operatório (OM) e chegou-se a conclusão que “crianças com AAb/AP relataram melhores resultados em termos de taxa de complicações e taxa de re-admissão se tratadas com NOM. Por outro lado, crianças com APF apresentaram menor taxa de complicações e taxa de re-admissão se tratadas com OM”[11].

As muitas funções que as pesquisas apontam para o apêndice no ser humano, refletem aspectos de proteção contra infecções por desequilíbrio de populações (quoron sensing) de bactérias simbióticas que ajudam na digestão, produção de vitaminas, diálogo com sistema imunológico e neurológico[12][13][14][15][16]. “O apêndice é rico em tecido linfoide e contribui para a imunidade intestinal e desempenha função importante como reserva da microbiota”[17] que se relaciona com diversas funções imunológicas[18] . Estudos comprovaram alta relação de remoção do apêndice com aumento de tuberculose[19], artrite reumatoide[20] , diabete tipo 2[21] e até ataques cardíacos[22][23] (apesar de continuarem obscuros alguns dos mecanismos). Observou-se que mesmo estando associada a um baixo risco de subsequente colite ulcerosa[24] a apendicectomia é seguida por um risco aumentado de doença de Crohn[25].

 

Exemplo da Fitoterapia

Um exemplo do que vamos falar é que só recentemente que os fitoterápicos estão ficando um pouco mais reconhecidos pela ciência moderna, e a resistência aos mesmos se deu porque eles estavam atrelados a sabedoria popular , religiões, culturas indígenas e empirismo, quem não se recorda do médico desprezando as plantas e as pessoas sugerindo uma “simpatia” ou citando ervas amargas bíblicas, ou textos como ” e as folhas das nações curarão os povos” , etc..

Este preconceito iluminista armado com o NM, deu uma grande oportunidade para que a   industria se aproveitasse   para estabelecer regras que beneficiassem os caros testes clínicos (que somente eles podem bancar) como regra máxima para médicos poderem prescrever , mas hoje , os países mais dominados pela industria e que reprimem ou marginalizam fitoterápicos e métodos alternativos,  estão pagando alto preço com muito  mais mortes,  expondo assim toda sua falsidade ao recomendar como cientifico quase apenas os projetos da industria, que são os quase únicas capazes de bancar os caríssimos “trial clinical” (testes clínicos).

Até que ponto a ciência comete crime contra a humanidade quando despreza estas sabedorias milenares, ao mesmo tempo que se serve delas para construção de suas hipóteses e até plagia seus princípios ativos? Na área do câncer lemos :

“Após o surgimento da moderna terapia antineoplásica, a comunidade médica é dividida em dois campos opostos, um deles afirmando absoluta necessidade de usar compostos químicos isolados ou sintetizados para tratamento eficiente do paciente e outro que defende terapias alternativas do câncer, em particular aquelas baseadas em fontes naturais, incluindo extratos de plantas. Parece, na realidade, que os dois campos são conciliáveis: enquanto fontes naturais, extratos de plantas ou sucos exercem um papel curativo e protetor, as drogas representam a última possibilidade de inibir ou reverter o desenvolvimento do tumor” https://link.springer.com/article/10.1007/s13659-014-0048-9

Os Efeitos colaterais desta rigidez científica com assuntos meio religiosos custou e ainda custa a vida de bilhões de pessoas, pois atingiu a medicina fitoterápica, chinesa , ayurvédica, que demonstram ser superiores aos analitos patenteáveis capazes de ser medianamente testados pela industria sintética de remédios.

O cientista, principalmente o ocidental, o médico, foram ensinados a olhar com desconfiança sabedorias populares, orações e chazinhos, a chamá-las de pseudociência, mas se você verificar países com menor proporção de mortes por Covid-19, vai confirmar que é justamente onde mais se usa plantas medicinais e se respeita as sabedorias empíricas, populares, milenares.

Saiba o que é fitoterapia e os benefícios dessa prática ...

Um relatório sobre prevalência de plantas medicinais deu destaque a um país pobre, Ghana, mas de 25.430 casos em uma população de 31 milhões ,  apenas 139 mortes por Covid-19 . Sub-notificação? Não,  pois o Japão super notificado com 136 milhões de habitantes , super conhecido por usar muito plantas medicinais, tem em torno de 1000 mortos apenas.   Diversos outros exemplos podemos citar na mesma situação. A ciência dos sintéticos domina principalmente em países mais ricos, mas parece que cada vez mais tem se encurvado a sabedoria da natureza ou do design. O seres vivos demonstram cada vez mais que o melhor projeto para que viva é voltar-se ao natural. Lembrando também  que quem de fato produz a vacina são seres vivos desafiados (expostos ao patógeno), ou seja, quanto mais o ser humano interagir com a natureza, tanto mais eficiente será suas soluções.

Esta observação, de que países que usam muito plantas medicinais apresentavam menor índice de mortes por Covid-19,  veio por acidente , pois estávamos procurando por plantas medicinais que podem contribuir para o controle de pressão arterial e diabetes para a construção de um questionário informativo a estes pacientes , uma vez que houveram publicações que alertaram que medicamentos sintéticos como losartana , enalapril e outros,  aumentavam expressões celulares que receptam o vírus da Covid-19,  e acidentalmente , comecei também a comparar índice de mortes por Covid-19 nos países de mais usavam plantas medicinais. Não era o Brasil nem EUA logicamente.

Por exemplo, tinha acabado de ler um artigo cientifico mostrando que em Marrocos tem alto índice de diabéticos e hipertensos (grupo de risco de Covid-19) e que um alto percentual da população se trata com plantas medicinais, Phytotherapy of hypertension and diabetes in oriental Morocco então fui verificar numero de mortes por Covid 19 em Marrocos e olha só: 259 até 15/07/2020,  numa população de 36 milhões .

Outra evidencia, na palestina onde só teve 44 mortes por Covid-19 relatadas , numa população 5 milhões, o “uso de terapias à base de plantas no diabetes é altamente prevalente na Palestina. Mais de 70% das pessoas que usam”.  Complementary and alternative medicine use amongst Palestinian diabetic patients

A evidência mais forte disto vem daqueles que representam a metade da população mundial onde se usa muito medicina alternativa e plantas medicinais: China e Índia. A própria Índia e China com seus 3 bilhões de habitantes , quase a metade do planeta, tem proporcionalmente , um número bem menor de mortes . Índia com 1,38 bilhão tem 25 mil mortes e China, 4700 (E apesar que desconheço quem  confia nos dados relatados da China, penso que eles não devem ter mais de 50 mil mortes, o que já seria um índice muito pequeno proporcionalmente).

O Japão tem altíssimo uso de plantas medicinais e medicina alternativa,  e teve com 136 milhões de habitantes , em torno de 1000 mortos por Covid-19 até agora. Australia tem 26 milhões de habitantes e tem  apenas 113 mortes , detalhe, sua legislação para fitoterapia e medicinas alternativas é bem mais liberal e diferenciada cooperando para que plantas tenham maior liberação.

Já os países onde a medicina é controlada por aquilo que passou pelos caríssimos  “trial clinica” 1, 2 e 3, testes clínicos estes que não saem menos de 300 milhões de  dólares,  onde somente a industria de sintéticos tem dinheiro pra bancar , e por isso quase apenas  medicamentos industriais patenteáveis que tenham exclusividade de fabricação é são recomendados, ficando de fora plantas, patentes vencidas, medicamentos já conhecidos por vários laboratoristas, e métodos alternativos baratos que não representem grandes percentuais e propinas nas vendas de equipamentos e prestação de serviço.

Como  EUA, Brasil, Reino Unido, Itália, França, etc, demonstram ser mais dominados pela ciência ocidental que é dominada comercialmente pela industria, o número de mortes  mortes assustam.

https://traditionalmedicine.pharmaceuticalconferences.com/ cruzando com https://www.worldometers.info/coronavirus/#countries
Traditional Medicine Conferences 2020 | Alternative Medicine ...Paises mortes

 

Alho e Cebola: Bem mais eficientes que a hidroxicloroquina

Este demonstrou que o alho é 4 vezes mais eficiente que a hidroxicloroquina
Computational screening approaches for investigating potential activity of phytoligands against SARS-CoV-2

A nova infecção por Coronavírus é responsável por inúmeras mortes em todo o mundo, e ainda não há vacina profilática aprovada ou tratamento específico disponível. Com base em evidências de estudos laboratoriais, animais e clínicos, a hidroxicloroquina é uma das opções de tratamento selecionadas em ‘Solidariedade’ – um ensaio clínico internacional para ajudar a encontrar um tratamento eficaz para o COVID-19, lançado pela Organização Mundial da Saúde e parceiros. No entanto, o medicamento reaproveitado, a hidroxicloroquina pode causar reações adversas ao medicamento e contra-indicações, incluindo cardiomiopatia, insuficiência hepática fulminante, vertigem e outras reações alérgicas. Sob tais circunstâncias, há uma necessidade urgente de rastrear novos leads naturais que exibam atividades antivirais específicas contra o SARS-CoV – 2. O presente estudo sugeriu que os fitoligandos derivados de ervas medicinais exibiam potenciais propriedades de ligação aos principais fatores de virulência da SARS-CoV – 2. As fitomoléculas selecionadas foram rastreadas com base em propriedades farmacocinéticas e semelhantes a drogas aceitáveis, tornando-as assim exploráveis ​​com segurança para o sistema de mitigação de Coronavírus. O presente estudo mostrou que a gama-glutamil-S-alilcisteína (GGA) exibia especificamente a energia de ligação mais significativa e a posição de acoplamento para os principais fatores de virulência viral (valor EGlicoproteína de pico GGA + pico = –578,57 Kcal / mol; Valor E GGA + protease principal viral = –493,53 Kcal / mol; Valor E GGA + endoribonuclease = –825,00 Kcal / mol) em comparação com a porção química conhecida hidroxicloroquina (valor E HCQ + glicoproteína de pico = –207,47 Kcal / mol; valor E HCQ + protease principal viral = –235,48 Kcal / mol; valor E HCQ + endoribonuclease = –213,54 Kcal / mol). Portanto, o presente estudo fornece implicações para o possível uso de gama-glutamil-S-alilcisteína (fonte à base de plantas: Allium sativum) como um candidato novo e prospectivo a medicamentos. Essa fitomolécula também é encontrada em outras espécies do gênero Allium ( A. cepae A. schoenoprasum). . Em vista da atual pandemia viral e da escassez de terapia eficaz, novos estudos devem ser urgentemente realizados, a fim de explorar o potencial terapêutico da gama-glutamil-S-alilcisteína contra SARS-CoV-2.Computational screening approaches for investigating potential activity of phytoligands against SARS-CoV-2

 

 

"Ainda falam das flores vencendo canhões" Geraldo Vandré

Se procura beleza e elegância no jardim, a camélia é o arbusto ...

A Camellia sinensis (chá verde) e chá preto testaram ser potentes antivirais compatíveis tambem para o virus do Covid 19 https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/07391102.2020.1779818. 

“compostos polifenólicos e são galato de epigalocatequina (EGCG), epigalocatequina (EGC), galato de epicatequina (ECG), epicatequina galato (ECG), epicatequina (CE), galocatequina-3-galato (GCG), galocatecina (GC), catequina galato (CG) e catequina (C) (Ai et al., 2019) Esses polifenóis / catequinas do chá verde são compostos promissores na exibição de atividades antivirais. Eles mostram atividade antiviral contra uma ampla gama de vírus humanos, incluindo influenza, hepatite B, hepatite C, vírus do herpes simplex e HIV (Calland et al., 2012 ; Fassina et al., 2002 ; Ide et al., 2016 ; Lyu et al. ., 2005 ; Xu et al., 2008 ). Esses polifenóis são até ativos contra o vírus da dengue (DENV), vírus Chikungunya (CHIKV) e vírus Zika (ZIKV) (Carneiro et al., 2016 ; Ismail & Jusoh, 2017 ; Mahajan et al., 2020 ; Weber et al., 2015) “

 

Entrevistando um cientista amigo especialista ele me esclareceu:

As nossas queridas Camelias citadas na wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Cam%C3%A9lia tem os mesmos biocompostos ? polifenois ? galato de epigalocatequina?

Augusto Barros (biólogo e Farmacêutico): É esta mesma amigo, sendo do gênero Camelia sp (ou Thea sp) são conhecidas por conterem epigalocatequinas e as chamadas Teaflavinas! Lembro de ter citado na minha dissertação de mestrado.
O teor de taninos é maior no chá branco porque são usados os brotos. Há diferenças também entre o chá verde, chá vermelho e chá preto.
1-O chá branco, chá vermelho, chá verde e chá preto são todos feitos da Camelia sinensis.2-O teor de epigalocatequinas se mostra maior no chá verde enquanto que as teaflavinas são mais abundantes no chá preto.3-Taninos são mais abundantes em brotos, folhas e frutos verdes. Embora o chá branco sugira ser mais rico, é proporcionalmente inferior ao chá verde.

 Sodré – Vírus, CD8+, PE: usa as folhas verdes ?

Augusto Barros: Sim, o chá verde ou tradicional usa folhas verdes. O chá branco usa brotos, o chá vermelho são as folhas levemente fermentadas e o chá preto são as folhas tostadas. Cabe salientar que os polifenólicos mais abundantes na Camélia são na verdade flavonóides, mesmo os chamados taninos condensados presentes nela são na verdade trímeros ou tetrâmeros dos flavonóides.

Tabela 3. Porções de ervas selecionadas mostrando utilidade antiviral provável, avaliada pelo emprego de extenso aumento da literatura. (Tabela adaptada colocada informações e imagens retirada  do artigo https://www.researchsquare.com/article/rs-23206/v1)

Planta Princípio ativo mais estudado Efeitos Anti-Virais Foto
Alisma canaliculatum  A.Braun & CDBouché

orelha-de-mula e tanchagem

Alisol A 24-Acetato Atividade anti-influenza observada à medida que a porção de ervas inativa o receptor de pico de hemaglutinina. Tanchagem: a melhor erva curandeira do planeta! Veja todos os usos ...
Allium cepa  L.

Cebola

Gama-Glutamil-S-alilcisteína Impede a ligação do vírus à célula hospedeira, altera a transcrição e tradução do genoma viral na célula hospedeira e também afeta a montagem viral. Expectorante limpa as vias respiratórias.

“energia de ligação e a posição de acoplamento mais significativas em relação aos principais fatores de virulência viral (valor EGGA + glicoproteína de pico = –578,57 Kcal / mol; Valor E GGA + protease principal viral = –493,53 Kcal / mol; Valor E GGA + endoribonuclease = –825,00 Kcal / mol) em comparação com a porção química conhecida hidroxicloroquina (valor E HCQ + glicoproteína de pico = –207,47 Kcal / mol; valor E HCQ + protease principal viral = –235,48 Kcal / mol; valor E HCQ + endoribonuclease = –213,54 Kcal / mol)”.

hiperideal.vteximg.com.br/arquivos/ids/170995-1...
Allium sativum  L.

Alho

Allicina

Gama-Glutamil-S-alilcisteína

Atua principalmente como inibidor da protease. Garlic (bulb) – Allium sativum
Artemisia capillaris  Thunb.

losna

Beta-cariofileno Alívio sintomático em caso de infecção pelo vírus da hepatite. Artemisia capillaries
Artemisia caruifolia  Buch. -Presunto. ex Roxb.

losna

Caruilignan Atividade do vírus anti-influenza e anti-herpes simplex; também inibe a protease do HIV-1. Artemísia. (Foto: Wikimedia Commons) (Crédito: )
Espargos racemosus  Willd. Isoasparagina Alívio sintomático em caso de infecção pelo vírus herpes. Espargos Racemosus: Usos, efeitos colaterais, interações, dosagem ...
Berberis aristata  DC.

Bérberis, espinheiro-vinheto, uva-espim.

Berberine Inibe a entrada e a replicação do enterovírus 71, regulando negativamente a via de sinalização MEK / ERK e a autofagia. Berberina - Para emagrecer e parar de espirrar, ufa! - GreenMe.com.br
Boswellia serrata  Roxb.

Boswellin, salai guggal, olíbano, incenso, olibano.

Ácido 11-ceto-beta-boswélico Inibe infecções por vírus da estomatite vesicular e Chikungunya, bloqueando sua entrada. Boswellia serrata (Salai) in Kinnarsani WS, AP W2 IMG 5840.jpg
Camellia sinensis  (L.) Kuntzechá-da-índia. Quercetina Suprimiu a entrada do vírus da hepatite C e também inibiu a replicação do RNA viral. As folhas de Caméllia Sinensis e seu poderoso Chá Verde | Blog da ...
Chlorophytum borivilianum  Santapau e RR Fern. Neotigogenina Potencial de modulação de citocinas. Planta
Curcuma longa  L.

turmérico, raiz-de-sol, açafrão-da-índia, açafroa e gengibre amarelo

Curcumina Inibe a entrada de vírus Chikungunya e estomatite vesicular. Curcuma longa – blog Tudo Sobre Plantas
Epimedium flavum  Stearn: Epimedii Wushanicariin Induziu a secreção de IFN tipo I e citocinas pró-inflamatórias. Epimedium | Ewé-Ó!
Gingko biloba  L. Amentoflavona Inibe a protease viral, especificamente em caso de infecção pelo HIV. 5 Sementes Fruta Raras Biloba Ginkgo P Mudas Bonsai Gramas - R$ 29 ...
Houttuynia cordata  Thunb. β-mirceno Inativação da proteinase do tipo 3C de Coronavírus murino e vírus da dengue. Houttynia cordata
Melissa officinalis  L.Erva-cidreira Citronelal Inibição da protease do HIV-1. Erva-cidreira: 5 maiores benefícios, dúvidas e como preparar o chá
Ocimum tenuiflorum  L.

Tulsi, Manjericão-santo, Manjericão-real, Manjericão-sagrado

Carvacrol Inativação da protease viral em caso de infecção pelo HIV. SiSTSP – Tulsi (Ocimum tenuiflorum) – blog Tudo Sobre Plantas
Paeonia lactiflora  Pall. Paeoniflorin Inibe a entrada viral em caso de infecção pelo vírus influenza. Branco Peônia Paeonia - Foto gratuita no Pixabay
Phyllanthus amarus  Schumach. & Thonn.

Quebra-pedra

Gallotannin Interrompe o processo de replicação viral em caso de infecção pelo vírus Herpes simplex. Quebra-pedra | Plantas Medicinais - Cultivando.com.br
Rheum rhabarbarum  L.

ruibarbo

Ácido málico Inibe a entrada viral interrompendo a fusão endossômica no caso do vírus influenza. Talos De Ruibarbo | Baixe Vetores, Fotos e arquivos PSD Grátis
Salvia miltiorrhiza  Bunge Ácido salvianólico Inibição da integrase e protease do HIV-1. Learn about Salvia miltiorrhiza | Danshen, Red Root Sage ...
Taxillus sutchuenensis  var. duclouxii (Lecomte) HSKiu Butenolida Inibição da serina protease NS3 viral da hepatite C e cessação da entrada viral. Sang Ji Sheng 桑寄生, Herba Taxilli, Chinese Taxillus Twig ...
Tinospora cordifolia  (Willd.) Hook.f. & Thomson

Guduchi

Tinosporaside Atividade imunomoduladora; Atividade anti-HIV em que atua como inibidor da ribonuclease viral. Tinospora Cordifolia Manufacturer in Sonipat Haryana India by ...
Withania somnifera  (L.) DunalGinseng Indiano Withanolide Interrompe as interações entre o domínio de ligação do receptor da proteína S viral e o receptor do hospedeiro ACE2. 10 Sementes Ginseng Indiano Withania Somnifera Frete Barato - R ...
Zingiber officinale  RoscoeGengibre 6-Gingerol Inibe a protease do vírus da hepatite C. Quais são os efeitos da ingestão diária de gengibre? (infográfico ...
As plantas são selecionadas com base em uma extensa literatura, com foco específico em seus atributos etno-
medicinais, capacidade de provisão de alívio sintomático e atividade antiviral direta / indireta, se houver.

 

 

A Idolatria Exclusiva da Ciência como Dona da Verdade

Na historia da humanidade não foram poucas vezes que a humanidade foi vitimizada tanto pelos dogmas religiosos e filosóficos, como também  pelos dogmas científicos. O ser humano sempre adora e santifica alguma coisa. Dizem que na falta de Deus o ser humano tem a tendência de adorar outras coisas como Igrejas, santos, líderes, papas, ideologias e doutrinas; os ateus por exemplo parecem idolatrar a ciência, esquecem o céu religioso na mesma proporção que  amam astronomia. Quando escolhemos ídolos tendemos também a santificá-los e a justificar todos os seus comportamentos a semelhança que um torcedor fanático justifica até mesmo os erros do árbitro desde que seja favorável ao seu time. A idolatria está em toda parte, desde religiões “todas as únicas certas” até mesmo nas instituições mais desapercebidas; o ser humano é apegado as suas coisas , ao eu, a sua família, suas opiniões e quando se ajuntam sob qualquer bandeira, a idolatria e procissões sempre acontecem.

Ocorre que a ciência, como qualquer outra instituição,  tem a mesma capacidade tanto de esclarecer quanto de enganar,  uma das  provas disso é que passamos décadas esclarecidos que devemos tomar uns remédios  e anos depois nos “esclarecem” que fomos enganados, que aqueles remédios não fazem bem (as vezes ocorre  interesses de novas patentes e se faz um esforço super “honesto” e “científico”  pra detonar patentes vencidas também, dando lugar a um medicamento que terá preço melhor e exclusividade de fabricação).  Então podemos multiplicar exemplos onde a ciência engana, mente e ludibria as pessoas e qualquer idolatria atribuindo perfeição e verdade a ela, pode ser extremamente perigoso.

O que passo a comentar se trata de um dos maiores absurdos  da historia da ciência, que infelizmente  ainda é sustentado pela academia até hoje. Um verdadeiro crime contra a humanidade que atinge todos deste planeta nos últimos 200 anos,  e que indiretamente com certeza , assassinou a vida de bilhões de pessoas .

Nuremberg e o Tratado de Elsinque surgiram logo após os abusos científicos do Nazismo que teve como protagonista o médico super elogiado pela academia com doutorado em antropologia Dr Mengele, (“O Anjo da Morte”), muitos estão acostumados a falar do famoso nazismo que ao praticar atos insanos em nome da ciência médica, fez existir o código de ética de Nuremberg e o tratado de Elsinque[1][2] para tentar evitar a repetição dos crimes que se cometeram e se comentem em nome da ciência, mas aqui queremos propor para que se construa  um novo código de ética em relação a crimes que a ciência continua praticando.

 

Albert Einstein (1879-1955), escreveu no seu livro Sobre Religião Cósmica e Outras Opiniões e Aforismos:

“Eu acredito na intuição e na inspiração. A imaginação é mais importante que o conhecimento. O conhecimento é limitado, enquanto a imaginação abraça o mundo inteiro, estimulando o progresso, dando à luz a evolução. Ela é, rigorosamente falando, um fator real na pesquisa científica”.

No meio de uma  conversa a respeito com meu  amigo colaborador de temas no Quora,  Augusto Barros , biólogo e farmacêutico, ele soltou uma frase repleta de sabedoria que resume 2700 anos de historia “A imaginação humana sempre foi muito exaltada pelos filósofos gregos, foi sufocada pela igreja e resgatada no iluminismo pra ficar meio que esquecida nos tempos modernos…” Hoje não temos mais esta liberdade de pensamento, tudo deve estar dentro de normas justas, e injustas.

E se a  liberdade  para imaginar ficou esquecida, a liberdade de falar de inspirações, revelações, em contexto científico, não ficou apenas esquecido, mas extremamente perigosa, pois significará que o pesquisador é um louco, um criacionista, um terra-planista, um anti-ciência, um herege dos tempos modernos; e portanto devem mandá-lo pra fogueira, afastar dele ao máximo, para que sua lepra não nos contamine.

Mas se somos bancados pelo povo que é em sua maioria conservadora, religiosa, um dia viria a reação,  e hoje ” Temos a impressão que a ciência hoje em dia é cada vez mais menosprezada pelas pessoas.”, pois a desobediência a OMS no caso Covid-19, a desobediência a médicos, o movimento terra plana, a medicina alternativa, o movimento criacionista do design inteligente e do criacionismo bíblico que parte de protestos tanto do povo comum como de milhares de grandes cientistas da ciência atual [1] com centenas de publicações científicas[2], representam sim uma reação as vezes extremada e louca contra a ciência, outras vezes , a meu ver, reflexiva e também muitas vezes correta e justa, em relação a concordar ou não com o consenso científico atual. Embora a informática tenha contribuído muito para que informações discordantes tenham mais presença no dia a dia, e as opiniões mais populares tenham primazia naquilo que se divulga, existe um pano de fundo relacionado a uma reação religiosa contra o ateísmo universitário, contra o darwinismo histórico, numa espécie de reação conservadora, moralista, familiar, de direita cristã , espírita e islâmica, contra o predomínio do contraditório “naturalismo metafísico” que estabeleceu doutrinas questionáveis como se fosse ciência (em especial o ensino dito científico da sopa primordial formando DNA ou trombadas formando nosso planeta repleto de ordem e diferente de quatrilhões de outros) no lugar de suas lendas, mitos, e crenças religiosas bem mais lógicas , ao mesmo tempo que persegue impiedosamente e sistematicamente expressões convalidatórias científicas da fé apelidando pejorativamente qualquer confirmação científica de crenças simpáticas aos mitos religiosos de pseudociência, mesmo que sejam rebatidas, refutadas ou estejam em profunda discussão polêmica dentro da academia.

No presente artigo abaixo trato exatamente deste problema citado  na rede social do  Quora[4] sobre o tema onde postei o mesmo em resposta a esta indagação.

 

 

Os Efeitos Gerais  do Naturalismo Metafísico Epistemológico

Mas deixando o nazismo um pouco de lado, passo a falar de um crime atual que se comete a mais de 150 anos e que já deve ter feito, direta e indiretamente, talvez  mais de 1 bilhão de vítimas, se formos contar os assassinatos indiretos[3] , erros médicos,  e desvio  de trilhões de dólares para pesquisas infrutíferas em torno de pressupostos errados, que poderiam estar sendo investidas para melhoria da qualidade de vida dos humanos.

Trata-se da forma como a ciência vem lidando com dados científicos desconsiderando o Criador . A ciência, filosofia, culturas populares e a religião, são apenas métodos de se relacionar com conceitos em busca de verdades e/ou conclusões mais acertadas sobre a realidade[4] , onde todos co-participam do processo em busca da sempre inalcançável verdade , mas quando a ciência despreza outras perspectivas de conhecimento, e ainda se coloca como rival, criticando-os impiedosamente e sistematicamente, temos aí um grande atraso científico, vou dar alguns exemplos:

  1. Um religioso qualquer declara que Deus deu um sonho a ele para usar certa planta para curar uma enfermidade, a planta depois de funcionar em vários casos se torna uma cultura, o bioquímico estuda o principio ativo da planta e faz um projeto de um medicamento.
  2. O homem ou o índio observa a natureza, vê um animal se tratando com uma planta, deduz as propriedades medicinais da planta e cria uma cultura popular com aquela planta que é passada como se fosse magia, simpatia e religião e a prova que isso funciona, é que a maioria dos princípios ativos e fitoterápicos recomendados, confirmam seu uso popular
  3. Um índio guarda a sabedoria ou a fé que quando os animais fogem para as montanhas sem motivo aparente, é porque vem um tsunami; esta sabedoria poderia ter salvado muitas pessoas
  4. Um componente do corpo tem sua função , raciocina o religioso justificando que é porque ele foi criado por Deus; mas a “ciência” elege mais de 100 componentes sem função (órgãos vestigiais) e ainda chama a parte mais importante de nosso DNA de lixo sem função, perseguindo cientistas que dizem o contrário os chamando de religiosos criacionistas  pejorativamente
  5. Um religioso ensina que a humanidade deve ter mais misericórdia  uns dos outros e a ciência ensina que é natural o mais apto se sobrepor ao mais fraco.

Estes são apenas poucos exemplos que permitem que vejamos que precisamos respeitar outras fontes de conhecimento, que não podemos sair discordando da sabedoria milenar, da arqueologia e das lendas dos antigos sem uma ampla reflexão, considerando até que ponto podem estar corretos. Errar nisso pode custar a vida de milhões de pessoas.

Está tudo interligado na busca do conhecimento, e nada deve ser desprezado ou recebido com preconceito. Versões da realidade que se combinam é o caminho mais seguro na eterna busca pela verdade, qualquer detetive ou investigador pratica e sabe muito bem disso, qualquer dona de casa quando vai resolver um “crime” cometido por suas crianças, se for sábia, ouve primeiro todas as versões, todos os lados, antes de pegar no chinelo. Mas a ciência resolveu deixar esta harmonia de perspectivas de lado e isto pode ter  custado a vida de bilhões de pessoas.

Um dos melhores bioquímicos da atualidade em pesquisa do câncer, chefe de pesquisa em Quebec, Canadá, Dr. Richard Béliveau, junto com o cientista Denis Gingras, escreveu um livro que é uma verdadeira aula de historia da ciência, chama-se “Alimentos contra o Câncer” em que antes de falar das propriedades moleculares inicia desde a antiguidade sobre sabedorias relacionadas ao uso de certos alimentos.

O Dr. Richard comenta como ficava revoltado em suas descobertas, que não recebia nada de investidores quando se achava molécula natural promissora, mas quando era sintética, chovia de investidores , até que o destino o fez perder um amigo e depois ir trabalhar num hospital de câncer infantil, onde conta que teve que tirar do seu bolso uns 200 milhões de dólares para iniciar pesquisas ligadas a alimentos anti câncer, não resolveu o problema , pois a convalidação de apenas um remédio pra câncer não sai menos que 1 bilhão de dólares, mas pelo menos iniciou muita coisa.

Mitos Religiosos São Passíveis de Testes Científicos e Vice-Versa?

“Vários cientistas, filósofos e instituições científicas proeminentes argumentaram que a ciência não pode testar visões de mundo sobrenaturais com o argumento de que (1) a ciência pressupõe uma visão de mundo naturalista (Naturalismo) ou que (2) afirmações envolvendo fenômenos sobrenaturais estão inerentemente além do escopo da investigação científica. O presente artigo argumenta que essas suposições são questionáveis ​​e que, de fato, a ciência pode testar alegações sobrenaturais. Embora as evidências científicas possam finalmente apoiar uma visão de mundo naturalista, a ciência não pressupõe o Naturalismo como um compromisso a priori, e reivindicações sobrenaturais são passíveis de avaliação científica. Esta conclusão desafia a lógica por trás de uma recente decisão judicial nos Estados Unidos sobre o ensino de “Design Inteligente” nas escolas públicas como alternativa à evolução e as declarações oficiais de duas grandes instituições científicas que exercem uma influência substancial sobre as políticas educacionais em ciências no país. Estados Unidos. Dado que a ciência tem implicações relativas à verdade provável das visões de mundo sobrenaturais, as alegações não devem ser excluídas a priori da educação científica, simplesmente porque elas podem ser caracterizadas como sobrenaturais, paranormais ou religiosas. Em vez disso, as alegações devem ser excluídas do ensino de ciências quando as evidências não as sustentam, independentemente de serem designadas como ‘naturais’ ou ‘sobrenaturais’.” https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-90-481-2779-5_9

As Virtudes e as Pegadas de Cada Método

Ao contrário que muitos advogam, não há nada de errado nas associações entre mitos religiosos ou culturais e ciência. Se você pega qualquer crença que seja capaz de ser testada em seu todo ou em partes, se é capaz de se tornar falsa ou não, então seu estudo, seja ele qual for, estará dentro do campo científico. Qualquer assunto que seja (esta é a definição epistemológica popperiana: falseabilidade ) , ou seja, ciência de verdade não tem preconceito religioso como o iluminismo e anticlericalismo queriam e continuam querendo , 200 anos depois da revolução francesa. Por falar em Karll Popper , ele definiu muito bem a marcação daquilo que a ciência abrange, daquilo que ela deve evitar ou, no mínimo  não deve tecer muitas conclusões dogmáticas em campo para ela ainda metafísico (e isso  lhe causou intensas  perseguições na própria academia, que lhe obrigou a se retratar (https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662005000200009)

Logo, por exemplo, eu posso aplicar ciência em cima de qualquer assunto, de um artefato qualquer e afirmar que foi desenhado, arquitetado, montado, se conseguir aplicar por exemplo quantificação de coeficiente de informação e premeditação igual um criminalista faz ao identificar se um crime foi premeditado ou se foi acidental. Mesmo sem identificar quem foi que fez o artefato, posso distinguir um artefato necessitado de inteligencia , de uma formação natural acéfala. Então as ciências criacionistas e do design inteligente, pelo menos muitas partes das suas afirmações, podem ser consideradas científicas? Sim.

A ciência é mais própria para identificar questões testáveis em laboratório , manipuláveis e próximas, e a religião para assuntos mais abstratos, mais da misteriosa psiquê, distantes e eternos; portanto a ciência será mais positivista e mais centrada em fatos e a religião, que também contem fatos, estudos, lógicas e raciocínio, se referencia mais naquilo que julga ser revelação, testes espirituais no laboratório da humildade e da oração, raciocínios referenciados num raciocínio superior e/ou mais antigo e clássico, e/ou numa comunicação com seres de outra dimensão, algo que a própria ciência também já conseguiu, mesmo debaixo de intenso barulho e protesto, identificar e conseguiu publicar a despeito de todas as grandes dificuldades e preconceitos impostos criminosamente pelo que vamos demonstrar abaixo.

Estes campos totalmente conciliáveis pelo saber, que não enxerga fronteiras e não tem preconceitos, ou não deveria ter, exceto em mentes doentias, se tornaram inimigas principalmente devido a um tipo de naturalismo que meu amigo e ex-professor, o criacionista Dr. Nahor Sousa Junior (ex professor de geologia da USP), citava muito em nossas longas conversas: Era o ” naturalismo metafisico”[2] , que é uma contradição de termos e soa como até um termo cômico e engraçado, merecendo uma maquiagem de rebuscado disfarce engenhoso e embromatório na definição, que por ser extremamente baixa e ardilosa , deixo nas notas abaixo. Lá embaixo você vai encontrar rs.

Este naturalismo metafisico transformou a ciência numa espécie de clube que tem preferências, onde a ciência é super rígida e super séria quando a religião disputa espaço , já quando não disputa , qualquer teoria , por mais absurda que seja, tem boa chance de ser aceita pelo consenso da academia e entrar pro clube prestigiado com todos os seus benefícios.Passou a fazer parte da regra, ser científico também, tudo que criticasse ciências e perseguissem cientistas[3] que namorassem a ideia religiosas.

 

Mas Por que a Teologia Não Fica no seu Canto tratando Apenas  da Fé e deixa a  Ciência tratar da Ciência?

Ora, justamente porque a ciência não está tratando mais exclusivamente  de ciência, de coisas mais testáveis, mas abandonou sua coerência para querer afirmar interpretações de fatos contraditórias, passou a dar fundamento para que os menos esclarecidos  desrespeitassem a  Deus, para jogar por terra as afirmações arqueológicas ou  teológicas, para corromper os jovens e até homens adultos, para perseguir cientistas renomados [5] , religiosos ou não,  que enxergam Deus ou que enxergam os absurdos do darwinismo, passou a questionar e duvidar sistematicamente  de todos acontecimentos bíblicos , ao mesmo tempo que tem promovido fé em relatos de bilhões de anos repletos de falta de evidências compatíveis a afirmações espetaculares  , passou dar voz a teorias estapafúrdias  apenas por seu compromissivo prévio com o materialismo. Interessante que o documentário mais assistido contra este crime fez analogia justamente com o nazismo que pela eugenia se produziu (https://www.youtube.com/watch?v=XUeIgeHdqFA&list=PLE8797859195D18B7  )  

https://en.wikipedia.org/wiki/Expelled:_No_Intelligence_Allowed

 

Aristóteles | Citações sábias, Citações filosóficas, Palavras ...

 

Amada Historia, Sempre a amada História Explica

Como explicar essa anomalia contraditória? Estaria o espirito do anticristo dominando a academia ?

Que bom que estudamos história para saber de onde surgiu este bicho de sete cabeças. Historicamente, o iluminismo teve amplas razões para combater o absolutismo dos reis e da Igreja católica com seus papas infalíveis, que eram e ainda são, os “porta voz” de um Deus infalível, que estabelecia reis divinamente infalíveis também que, uma vez feito deuses, praticavam atos insanos todos igualmente “infalíveis”.

Então , uma reforma iniciada por protestantes, desde Wycliffe (1328–1384)[5], Lutero (1483–1546)[6]e Calvino (1509–1564) [7] visava reformar e/ou substituir este modelo pagão, cesaropapista, faraônico, “perfeito” e infalível religioso-politico. E por isto o iluminismo teve sua formação e bem maior liberdade expressão a partir de países protestantes.

Vejamos que até Voltaire (1694–1778)[6] , da França católica, que matava protestantes (Tendo feito Massacre em apenas 2 dias de 30 a 70 mil protestantes em 1572[7] ), que foi o pai do ceticismo moderno , para se expressar, teve que ficar exilado na Inglaterra protestante e de lá escrever e fomentar a mais trágica das revoluções iluministas , a fatídica, desastrada e assassina Revolução francesa que ao contrario das outras , foi extremamente anti-religiosa, ou melhor, anticlericalista[8] .

Neste movimento, onde o protestantismo produzia o iluminismo politico , um ódio comum e uma rejeição comum transparecia tanto nos céticos que abraçavam a revolução, como tambem nos católicos: A Biblia, livro queimado pela Igreja católica e mandado pra fogueira e tortura quem o tivesse.

Deste ódio comum nasceu uma amizade comum e consenso que norteou toda revolução no pensamento humano, a partir dos poderosos Jesuítas em sua missão fanática da contra-reforma protestante, apartir  dos grandes comerciantes que bajulam seus grandes compradores entre eles a maior riqueza bancária e imobiliária da terra , herdada do Império Romano e sediada no Vaticano, de monarcas e sobretudo das universidades católicas dos Jesuítas que estava de mãos dadas ainda com o gigantesco poder do império romano em sua forma religiosa : Tudo poderia ser verdadeiro na revolução do pensamento, desde que se combatesse a Bíblia dos protestantes.E assim a parte da Bíblia testável foi sistematicamente combatida restando apenas sua alma, seus assuntos mais abstratos .A mesma Bíblia que condena se alimentar de morcegos do covid-19,  e porcos do Hn1, o macaco Rhesus do HIV,  e recomenda usar plantas amargas depois das festas de Israel, e as folhas das plantas para a cura das nações. A mesma Bíblia que fala de um “Design Inteligente” Criador que nos ajuda a entender as funções inteligentes dos órgãos, do DNA, de cada processo bioquímico repleto de “antevidência genial” (Eberlin, 2020).

Unido a isso, muitas crenças populares religiosas começaram a ser questionadas pelo método cientifico e/ou excluídas de antemão pelas regras naturalistas e pelo positivismo que quando for conveniente,  exclui o metafisico e se concentra mais nos fatos testáveis. Ninguém avisou dos efeitos colaterais disso, e que assim como a vida sempre encontra uma saída, a religiã intriseca na natureza antropológica do homem encontraria  uma “saída” se expressando agora pela matéria, por sopas mágicas , por explosões criadoras, pela poderosa seleção natural que se parece mais um deus criador na academia, por milagres teóricos e por outros papas e reis infalíveis defendidos agora por um sacerdócio cientifico, este sim, também “infalível” Expulsos – A Inteligência não é Permitida – A teoria da evolução refutada – completo

Conclusão 

Constatamos por meio destas considerações que portanto  a ciência deve urgente , deixar de ser  exclusivista  dona da verdade, e se relacionar com muita humildade com as outras fontes de conhecimento, sobretudo sabedorias milenares, e em relação a religião, deve não somente dedicar muito mais que apenas respeito no lugar do desrespeito que lhe dedica, mas uma extrema  adoração e admiração repetindo o que o grande sábio Confucio dizia ” os antigos nos roubaram as melhores ideias” e repetir quando receber adoração de fanáticos pelo saber exclusivamente humano,  o que se repete nos cultos: Somente Deus deve ser adorado.

 

 

 

 

 

 

 


Referências

1. Fugazzola, Paola; Coccolini, Federico; Tomasoni, Matteo; Stella, Marcello; Ansaloni, Luca (1 de novembro de 2019). «Early appendectomy vs. conservative management in complicated acute appendicitis in children: A meta-analysis». Journal of Pediatric Surgery. 54 (11): 2234–2241. ISSN 0022-3468. doi:10.1016/j.jpedsurg.2019.01.065

2. Hall, Nigel J; Eaton, Simon; Abbo, Olivier; Arnaud, Alexis P; Beaudin, Marianne; Brindle, Mary; Bütter, Andreana; Davies, Dafydd; Jancelewicz, Tim (18 de maio de 2017). «Appendectomy versus non-operative treatment for acute uncomplicated appendicitis in children: study protocol for a multicentre, open-label, non-inferiority, randomised controlled trial». BMJ Paediatrics Open. 1 (1). ISSN 2399-9772. PMC 5843002. PMID 29637088. doi:10.1136/bmjpo-2017-000028

3. Andersson, Roland E.; Petzold, Max G. (1 de novembro de 2007). «Nonsurgical Treatment of Appendiceal Abscess or Phlegmon: A Systematic Review and Meta-analysis». Annals of Surgery (em inglês). 246 (5). 741 páginas. ISSN 0003-4932. doi:10.1097/SLA.0b013e31811f3f9f

4. Xu, Jane; Liu, Yingrui Cyril; Adams, Susan; Karpelowsky, Jonathan (21 de dezembro de 2016). «Acute uncomplicated appendicitis study: rationale and protocol for a multicentre, prospective randomised controlled non-inferiority study to evaluate the safety and effectiveness of non-operative management in children with acute uncomplicated appendicitis». BMJ open. 6 (12): e013299. ISSN 2044-6055. PMC 5223693. PMID 28003294. doi:10.1136/bmjopen-2016-013299

5. Haijanen, J.; Sippola, S.; Grönroos, J.; Rautio, T.; Nordström, P.; Rantanen, T.; Aarnio, M.; Ilves, I.; Hurme, S. (17 de dezembro de 2018). «Optimising the antibiotic treatment of uncomplicated acute appendicitis: a protocol for a multicentre randomised clinical trial (APPAC II trial)». BMC surgery. 18 (1). 117 páginas. ISSN 1471-2482. doi:10.1186/s12893-018-0451-y

6. Huston, Jared M.; Kao, Lillian S.; Chang, Phillip K.; Sanders, James M.; Buckman, Sara; Adams, Charles A.; Cocanour, Christine S.; Parli, Sarah E.; Grabowski, Julia (1 de julho de 2017). «Antibiotics vs. Appendectomy for Acute Uncomplicated Appendicitis in Adults: Review of the Evidence and Future Directions». Surgical Infections. 18 (5): 527–535. ISSN 1557-8674. PMID 28614043. doi:10.1089/sur.2017.073

7. Knaapen, Max; van der Lee, Johanna H.; Heij, Hugo A.; van Heurn, Ernst L. W.; Bakx, Roel; Gorter, Ramon R. (1 de fevereiro de 2019). «Clinical recovery in children with uncomplicated appendicitis undergoing non-operative treatment: secondary analysis of a prospective cohort study». European Journal of Pediatrics (em inglês). 178 (2): 235–242. ISSN 1432-1076. doi:10.1007/s00431-018-3277-9

8. Ranaweera, Chirath; Brar, Amanpreet; Somers, Gino R.; Sheikh, Furqan; Pierro, Agostino; Zani, Augusto (1 de dezembro de 2019). «Management of pediatric appendiceal carcinoid: a single institution experience from 5000 appendectomies». Pediatric Surgery International (em inglês). 35 (12): 1427–1430. ISSN 1437-9813. doi:10.1007/s00383-019-04575-1

9. Seawell, Jaimie; Sciarretta, Jason D.; Pahlkotter, Maranda; Muertos, Keely; Onayemi, Ayolola; Davis, John M. (1 de julho de 2019). «The Understated Malignancy Potential of Nonoperative Acute Appendicitis». www.ingentaconnect.com (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2019

10. Rawolle, Tanja; Reismann, Marc; Minderjahn, Maximiliane I; Bassir, Christian; Hauptmann, Kathrin; Rothe, Karin; Reismann, Josephine (29 de maio de 2019). «Sonographic differentiation of complicated from uncomplicated appendicitis». The British Journal of Radiology. 92 (1099). 20190102 páginas. ISSN 0007-1285. doi:10.1259/bjr.20190102

11. Fugazzola, Paola; Coccolini, Federico; Tomasoni, Matteo; Stella, Marcello; Ansaloni, Luca (1 de novembro de 2019). «Early appendectomy vs. conservative management in complicated acute appendicitis in children: A meta-analysis». Journal of Pediatric Surgery. 54 (11): 2234–2241. ISSN 0022-3468. doi:10.1016/j.jpedsurg.2019.01.065

12. Cryan, John F.; Dinan, Timothy G. (1 de outubro de 2012). «Mind-altering microorganisms: the impact of the gut microbiota on brain and behaviour». Nature Reviews Neuroscience (em inglês). 13 (10): 701–712. ISSN 1471-0048. doi:10.1038/nrn3346

13. Landeiro, Joana Almeida Vilão Raposo (1 de novembro de 2016). «Impacto da microbiota intestinal na saúde mental». Repositório Comum Comunidades & Colecções EM – Egas Moniz – Cooperativa de Ensino Superior, CRL EM – Dissertações de Mestrado EM – IUEM – Instituto Universitário Egas Moniz EM – IUEM – Ciências Farmacêuticas

14. Nogueira, Bárbara Lisboa (10 de dezembro de 2015). «Probióticos para o tratamento de doenças neurológicas: uma revisão». Universidade Federal de Minas Gerais

15. Cupertino, Marli do Carmo; Resende, Michely Baptistele; Veloso, Isabela de Freitas; Carvalho, Camila Abreu de; Duarte, Vitor Ferreira; Ramos, Guilherme Alves (2019). «Transtorno do espectro autista: uma revisão sistemática sobre aspectos nutricionais e eixo intestino-cérebro». ABCS health sci: 120–130

16. Veras, Rafael dos Santos Cruz; Nunes, Carlos Pereira (30 de maio de 2019). «CONEXÃO CÉREBRO-INTESTINO-MICROBIOTA NO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA». Revista de Medicina de Família e Saúde Mental. 1 (1). ISSN 2674-7219

17. Girard-Madoux, Mathilde J. H.; Gomez de Agüero, Mercedes; Ganal-Vonarburg, Stephanie C.; Mooser, Catherine; Belz, Gabrielle T.; Macpherson, Andrew J.; Vivier, Eric (1 de abril de 2018). «The immunological functions of the Appendix: An example of redundancy?». Seminars in Immunology. Redundancy and Robustness in Immunity. 36: 31–44. ISSN 1044-5323. doi:10.1016/j.smim.2018.02.005

18. Andreu-Ballester, Juan Carlos; Pérez-Griera, Jaime; Ballester, Ferran; Colomer-Rubio, Enrique; Ortiz-Tarín, Inmaculada; Peñarroja Otero, Carlos (2007). «Secretory immunoglobulin A (sIgA) deficiency in serum of patients with GALTectomy (appendectomy and tonsillectomy)». Clinical Immunology (Orlando, Fla.). 123 (3): 289–297. ISSN 1521-6616. PMID 17449327. doi:10.1016/j.clim.2007.02.004

19. Lai, S.-W.; Lin, C.-L.; Liao, K.-F.; Tsai, S.-M. (1 de setembro de 2014). «Increased risk of pulmonary tuberculosis among patients with appendectomy in Taiwan». European Journal of Clinical Microbiology & Infectious Diseases (em inglês). 33 (9): 1573–1577. ISSN 1435-4373. doi:10.1007/s10096-014-2112-0

20. Tzeng, Ya-Mei; Kao, Li-Ting; Kao, Senyeong; Lin, Herng-Ching; Tsai, Ming-Chieh; Lee, Cha-Ze (2015). «An Appendectomy Increases the Risk of Rheumatoid Arthritis: A Five-Year Follow-Up Study». PLOS ONE (em inglês). 10 (5): e0126816. ISSN 1932-6203. PMC 4430489. PMID 25970542. doi:10.1371/journal.pone.0126816

21. Wei, P.-L.; Tsai, M.-C.; Hung, S.-H.; Lee, H.-C.; Lin, H.-C.; Lee, C.-Z. (2015). «Risk of new-onset type II diabetes after appendicectomy». BJS (British Journal of Surgery) (em inglês). 102 (10): 1267–1271. ISSN 1365-2168. doi:10.1002/bjs.9875

22. Janszky, Imre; Mukamal, Kenneth J.; Dalman, Christina; Hammar, Niklas; Ahnve, Staffan (1 de setembro de 2011). «Childhood appendectomy, tonsillectomy, and risk for premature acute myocardial infarction—a nationwide population-based cohort study». European Heart Journal (em inglês). 32 (18): 2290–2296. ISSN 0195-668X. doi:10.1093/eurheartj/ehr137

23. Chen, Chao-Hung; Tsai, Ming-Chieh; Lin, Herng-Ching; Lee, Hsin-Chien; Lee, Cha-Ze; Chung, Shiu-Dong (1 de dezembro de 2015). «Appendectomy increased the risk of ischemic heart disease». Journal of Surgical Research. 199 (2): 435–440. ISSN 0022-4804. doi:10.1016/j.jss.2015.06.049

24. Andersson, R. E.; Olaison, G.; Tysk, C.; Ekbom, A. (15 de março de 2001). «Appendectomy and protection against ulcerative colitis». The New England Journal of Medicine. 344 (11): 808–814. ISSN 0028-4793. PMID 11248156. doi:10.1056/NEJM200103153441104

25. Andersson, Roland E.; Olaison, Gunnar; Tysk, Curt; Ekbom, Anders (2003). «Appendectomy is followed by increased risk of Crohn’s disease». Gastroenterology. 124 (1): 40–46. ISSN 0016-5085. PMID 12512028. doi:10.1053/gast.2003.50021

 

A ciência contrasta com a religião mesmo ou com o naturalismo?


Sodré Neto
Sobre Sodré Neto 20 Artigos
Sodré GB Neto Lattes: http://lattes.cnpq.br/2777670829319806 Orcid: https://orcid.org/0000-0002-8867-5429

1 Comentário

  1. Resumo
    Vários cientistas, filósofos e instituições científicas proeminentes argumentaram que a ciência não pode testar visões de mundo sobrenaturais com o argumento de que (1) a ciência pressupõe uma visão de mundo naturalista (Naturalismo) ou que (2) afirmações envolvendo fenômenos sobrenaturais estão inerentemente além do escopo da investigação científica. O presente artigo argumenta que essas suposições são questionáveis ​​e que, de fato, a ciência pode testar alegações sobrenaturais. Embora as evidências científicas possam finalmente apoiar uma visão de mundo naturalista, a ciência não pressupõe o Naturalismo como um compromisso a priori, e reivindicações sobrenaturais são passíveis de avaliação científica. Esta conclusão desafia a lógica por trás de uma recente decisão judicial nos Estados Unidos sobre o ensino de “Design Inteligente” nas escolas públicas como alternativa à evolução e as declarações oficiais de duas grandes instituições científicas que exercem uma influência substancial sobre as políticas educacionais em ciências no país. Estados Unidos. Dado que a ciência tem implicações relativas à verdade provável das visões de mundo sobrenaturais, as alegações não devem ser excluídas a priori da educação científica, simplesmente porque elas podem ser caracterizadas como sobrenaturais, paranormais ou religiosas. Em vez disso, as alegações devem ser excluídas do ensino de ciências quando as evidências não as sustentam, independentemente de serem designadas como ‘naturais’ ou ‘sobrenaturais’.https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-90-481-2779-5_9

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*