Design Comum ou Evolução Independente?

Download PDF
Tempo de leitura: 3 min.
Ilustração de Field Museum, Chicago / ©

Nota do tradutor: Este texto é de Dezembro de 2017 e apresenta o raciocínio darwiniano clássico em que a ignorância é tomada por evidência de algum caso típico, no caso a evolução convergente em múltiplas instâncias.


Por Cornelius Hunter

Uma das principais revistas científicas do mundo, a Nature, publicou o que parece ser um artigo inovador. O artigo alega ter encontrado evidências para a evolução independente das semelhanças do sistema nervoso em toda a Bilateria. Como o resumo explica:

Nossas descobertas sugerem que as semelhanças no padrão dorsoventral e nas neuroanatomias do tronco evoluíram independentemente na Bilateria.

Ao final do artigo, os autores estão ainda mais confiantes:

Portanto, a expressão dos fatores de transcrição dorsoventral evoluíram independentemente da neuroanatomia do tronco, pelo menos em certas linhagens bilaterianas.

Esta é uma afirmação monumental, mas há apenas um problema: é flagrantemente falsa. As conclusões do artigo não “sugeriram” a evolução, independente ou não, dos padrões de expressão do fator de transcrição. Eles certamente não demonstraram, mostraram ou encontraram uma conclusão tão incrível.

Seria difícil exagerar o quão enganoso é este artigo. Ele fornece literalmente zero evidência para qualquer evolução desse tipo. Nada.

Simplesmente não existe tal evidência científica no artigo. A alegação de que eles descobriram que a expressão de fatores de transcrição dorsoventral evoluíram independentemente em certas linhagens bilaterianas nem sequer está errada.

Sejamos claros sobre isso. Não estou dizendo que a reivindicação deles é fraca. Não estou dizendo que a alegação deles está com algum defeito. Não estou dizendo que eles não apresentaram seu argumento conclusivamente. O problema é que eles não têm nenhum caso.

Não podemos criticar a ciência porque, bem, não há ciência. Para um artigo intitulado “Evolução convergente dos cordões nervosos bilaterianos”, seria de esperar pelo menos algumas evidências e explicações para a evolução dos cordões nervosos bilaterianos.

Infelizmente, artigos como esse informam jornalistas e escritores científicos. Eles relatam que os cientistas descobriram agora outro aspecto da evolução. É mais um exemplo de como a ciência prova a evolução.

De fato, se alguém está procurando uma proposta significativa, o que o estudo encontrou é que as expectativas da evolução — que as semelhanças do sistema nervoso se alinhavam com a árvore evolutiva – se revelaram, como tantas outras previsões da evolução — falsas. Mas isso não se encaixa na narrativa.

Tópicos relacionados:


Original: Cornelius Hunter. Evolutionists: Our Findings Suggest Similarities in Bilateria Evolved Independently. December 22, 2017.


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 242 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*