A Anêmona-do-Mar Que É Como Um “Coelho Pré-Cambriano”

Download PDF
Tempo de leitura: 4 min.
Nematostella vectensis por Heather Mossman / ©

Por Cornelius Hunter

Quando perguntado sobre quais evidências refutariam a evolução, o famoso evolucionista do século 20 JBS Haldane teria dito que respondeu: “um fóssil de coelho no pré-cambriano”. Em outras palavras, um fóssil de coelho teria que ser encontrado em estratos que datam muito antes de onde os coelhos ou mamíferos são encontrados normalmente.

E por “muito antes”, queremos dizer algo entre aproximadamente meio bilhão e vários bilhões de anos. Foi um exercício no que os filósofos chamam de protecionismo teórico — erguendo barreiras de proteção insuperáveis em torno de uma teoria. O registro fóssil era suficientemente compreendido nos dias de Haldane para se saber que tais descobertas eram altamente improváveis. E também se sabia que descobertas fósseis muito menos surpreendentes e mais viáveis poderiam (ou pelo menos deveriam) causar sérios problemas para a teoria da evolução.

De fato, existem muitas dessas contradições nas rochas, mas se um coelho no pré-cambriano é o padrão evidencial, a evolução está confortavelmente segura. A resposta pré-cambriana de coelho de Haldane também foi um exercício de falsificação ingênua – o pensamento de que um único achado vai derrubar uma teoria tão profundamente enraizada em nosso pensamento, e tão seguramente considerada verdadeira. De fato, a teoria da evolução sobreviveu a inúmeras evidências contraditórias de pelo menos tanta gravidade quanto um coelho pré-cambriano, sem sequer trepidar.

Considere, por exemplo, o genoma da anêmona-do-mar, Nematostella vectensis. Aqui está como um relatório o resumiu:

O genoma da anêmona-do-mar, uma das espécies animais mais antigas da Terra, compartilha um surpreendente grau de similaridade com o genoma dos vertebrados, relatam pesquisadores da Science desta semana. O estudo também descobriu que essas semelhanças estavam ausentes nos genomas da mosca da fruta e dos nematóides, contradizendo a crença amplamente difundida de que os organismos se tornam mais complexos com a evolução. As descobertas sugerem que o genoma animal ancestral era bastante complexo, e os genomas de moscas e vermes perderam parte dessa complexidade à medida que evoluíam.

Em outras palavras, era o equivalente genômico do coelho pré-cambriano de Haldane — um genoma pré-cambriano tinha, erradamente, toda a complexidade das espécies que viriam centenas de milhões de anos depois. Em outros casos, tem mais complexidade do que espécies como vermes e moscas, que, de acordo com a evolução, devem ter perdido enormes quantidades de complexidade genética.

O principal autor do estudo da anêmona-do-mar explicou: “Agora temos este kit básico de ferramentas para todo o reino animal”. É claro que a ideia de previsão é contraditória à teoria da evolução. Como admitiu um evolucionista, é surpreendente encontrar um “alto nível de complexidade genômica em um animal supostamente primitivo, como a anêmona do mar”. Isso implica que o animal ancestral “já era extremamente extremamente complexo, pelo menos em termos de sua organização genômica e regulatória e circuitos de transdução de sinais, se não necessariamente morfologicamente.”

Ou, como outro evolucionista colocou:

Acredita-se que organismos complexos surgiram a partir de organismos simples. No entanto, análises de genomas e de seus genes transcritos em vários organismos revelam que, no que diz respeito aos genes codificadores de proteínas, o repertório de uma anêmona do mar – um animal evolutivo basal bastante simples — é quase tão complexo quanto o de um humano.

Nada disso faz sentido à luz da teoria da evolução. É claro que os evolucionistas acreditam que “organismos complexos surgiram de organismos simples”. Isso seria fundamental para a teoria. No entanto, encontramos repetidamente complexidade precoce. Este é outro exemplo de como a evolução é resistente a testes e falsificações.


Original: Cornelius Hunter. Sea Anemone Is a Proverbial “Precambrian Rabbit”. January 27, 2017.


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 242 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*