O que é o Design Inteligente? Uma Perspectiva Tomista

Download PDF
Tempo de leitura: 6 min.
Triunfo de São Tomás de Aquino Sobre os Hereges de Filippino Lippi / ©

Por Michael Egnor

Toda a natureza manifesta design. O design está em toda parte – nas leis da física, na mecânica quântica, na biologia, na cosmologia relativista, em toda fresta da natureza. Há pouco coisa no universo que não é projetado. Acidentes acontecem, mas até acidentes são a conjunção de eventos planejados. Dois carros colidindo em uma interseção são veículos projetados conduzidos por motoristas inteligentes em estradas planejadas. O acaso em si pressupõe uma estrutura de design na qual esse acaso possa ocorrer.

Um tomista poderia dizer que o design em biologia não é qualitativamente diferente do design na mecânica quântica. Ambas manifestam teleologia – direcionamento em ato. Essa tem sido a raiz da crítica de muitos tomistas à ciência do Design. Os tomistas costumam afirmar que o Design Inteligente faz uma falsa distinção entre design na física e design na biologia. Isso fornece uma “cunha” para criticar a ciência do Design, e acredito que essa “cunha” esteja equivocada.

Uma cunha mal orientada

Considere a pesquisa SETI, que é um bom exemplo de pesquisa de ID. Pesquisadores do SETI procuram evidências de artefatos inteligentes no universo, usando as ferramentas da astronomia. Não há dúvida de que, se encontrarmos um sinal de rádio transmitindo uma linguagem, uma sonda interestelar ou uma esfera de Dyson, poderíamos (justificadamente) inferir o design inteligente. Como esse design difere do design que é óbvio em todas as leis da física?

Os teóricos do Design Inteligente (DI) propuseram filtros de design, que são métodos bastante válidos para inferir o design e são usados ​​implicitamente em muitas disciplinas científicas (por exemplo, arqueologia, criptografia, astronomia). Mas o que é, metafisicamente, poderíamos dizer, que distingue o design no sentido de DI do design teleológico onipresente, em um sentido tomista?

Eu sugeriria que o design do DI é uma manifestação da vida, em um sentido tomista. São Tomás perguntou: O que é que caracteriza os seres vivos e os distingue dos objetos inanimados? Ambas as coisas inanimadas e animadas podem mudar, mover, aparecer e se desintegrar, etc.

Causação imanente versus causação transiente

As coisas vivas, observou São Tomás, diferem das coisas inanimadas em que as coisas vivas agem por sua própria perfeição. Por perfeição, ele quis dizer que as coisas vivas agem para se tornar versões mais realizadas de seu tipo. Um esquilo procura alimento, se defende, tem filhos, cura feridas, etc., todas essenciais para o que significa ser um esquilo. Uma rocha não faz nada para se tornar uma rocha melhor. Apenas é o que é. As coisas vivas têm uma causação imanente – causação que surge de dentro e tende à melhoria do organismo. Coisas inanimadas têm causação transversal – causalidade que surge de fora e que atua sobre, e não pelo próprio objeto. A causalidade transiente não tende ao aprimoramento do objeto.

Na ciência do design inteligente, inferimos design procurando evidências de que o sistema em estudo atua de uma maneira que se aperfeiçoe ou realize um objetivo que o melhore. Isso nós chamamos de “complexidade especificada” que, acredito, é equivalente a inferir causalidade imanente. Na arqueologia, inferimos design identificando um objeto como parte de um edifício ou uma ferramenta ou uma amostra de escrita, em vez de uma pedra aleatória. Construir ou fabricar ferramentas ou escrever são exemplos de causalidade imanente – atos de agentes inteligentes que buscam realizar sua natureza. Agentes inteligentes procuram abrigo, fazem ferramentas e expressam pensamentos. Objetos inanimados não.

Causação na Pesquisa SETI

A mesma distinção entre causação imanente e causação transiente aparece na pesquisa do SETI. Os astrônomos procuram artefatos da vida – dispositivos de captação de energia como as esferas de Dyson ou veículos como naves espaciais ou comunicações como sinais de rádio significativos – cada um dos quais é o tipo de coisa feita não só pela inteligência genérica, mas pelos agentes vivos. Aproveitamento de energia e transporte e comunicação não são apenas evidências de design, eles são evidências de vida.

Em biologia, a pesquisa do Design Inteligente procura características de organismos vivos que impliquem inteligência viva não originária do próprio organismo. Uma bactéria não conhece nada de genética molecular, mas o DNA do organismo é essencial para sua sobrevivência e prosperidade. Um rato não sabe nada de cardiologia, mas o funcionamento adequado de seu coração é essencial para o seu florescimento.

A ciência do Design procura distinguir as coisas naturais que manifestam uma teleologia genérica de todas as coisas naturais que manifestam a característica da teleologia de um agente vivo. De uma perspectiva metafísica, pode-se dizer que a ciência do Design não busca apenas design e não apenas inteligência (que se manifesta em toda a natureza), mas inteligência viva – causalidade imanente – que é um marco da biologia. Nesse sentido, o tomismo tem muito a contribuir para a teoria do DI, e a teoria do DI pode ser entendida como uma aplicação dos insights tomistas básicos sobre a vida à ciência moderna.

Nota do editor¹: Para mais informações sobre a relação entre o design inteligente e a filosofia de Tomás de Aquino, consulte o site Aquinas.Design.


Original: Michael Egnor. What Is Intelligent Design? A Thomistic Perspective. March 1, 2019.


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 242 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*