Uma Teoria em Crise: Anomalias Acumuladas

Download PDF
Tempo de leitura: 10 min
Fradinho ou Papagaio-do-mar (Fratercula arctica) / ©

O Darwin Day, 12 de fevereiro, está a apenas uma semana de hoje! Para ajudar a celebrar, aqui estão algumas descobertas recentes que contradizem o darwinismo. A palavra chave é recente. Listar todos eles nos últimos 160 anos exigiria um livro grande. Uma teoria só pode sobreviver a tantas anomalias quanto o darwinismo se é apoiada por uma ideologia fundacional altamente desejada.

Bicos do pássaro

O bico rotundo e colorido do papagaio-do-mar acompanha esta manchete da Universidade de Bristol: “Bicos de pássaros não se adaptaram a tipos de alimentos como se pensava anteriormente”. Não aprendemos que os bicos de pássaros se adaptam à fonte de alimento pela seleção natural? Os tentilhões de Darwin não são o exemplo clássico?

A observação de que as espécies de tentilhões de Galápagos possuíam diferentes formas de bico para obter diferentes alimentos era central para a teoria da evolução pela seleção natural, e foi assumido que essa relação forma-função é verdadeira em todas as espécies de aves. 

No entanto, um novo estudo publicado na revista Evolution sugere que os bicos das aves não são tão adaptados aos tipos de alimentos que eles se alimentam como geralmente se acredita. [Enfase adicionada.]

Não é que não haja ligação, mas “a conexão entre formas de bico e ecologia alimentar em aves era muito mais fraca e mais complexa do que esperávamos”, confessou um dos pesquisadores. A verdade é que os pássaros usam seus bicos para muitas funções, além de apenas pegar comida – essencialmente, tudo. Vincular a forma do bico apenas ao comportamento alimentar é simplista. Como tal mito poderia sobreviver por tanto tempo? Resposta: por suposição, sem rigor empírico. Outro membro da equipe diz: “Essa é, até onde sabemos, a primeira abordagem para testar um princípio de longa data na biologia: que o formato e a função do bico dos pássaros estão intimamente ligados às suas ecologias alimentares”. Por que demoraram tanto?

Periodicidade do Genoma

O neodarwinismo atribui a maior parte do crédito a todas as mudanças genéticas nas mutações que são influenciadas pela seleção natural. Mas os cientistas do Instituto de Pesquisa em Biomedicina de Barcelona descobriram que a “misteriosa periodicidade do genoma” é na verdade uma trilha deixada pelos processos de reparo de DNA. Ao contrário dos pressupostos, a seleção natural não teve nada a ver com isso. “A explicação dada foi que a seleção natural favoreceria o aparecimento de bases de A/T, uma vez que essas bases forneceriam à estrutura do DNA um maior grau de flexibilidade, permitindo que ela se enrolasse em torno das histonas para formar nucleossomas.” 

Cientistas do Instituto de Pesquisa em Biomedicina (IRB Barcelona) descobriram uma explicação para uma periodicidade na sequência dos genomas de todos os eucariotos, de levedura a humanos. Os resultados publicados na revista Cell oferecem uma explicação alternativa à baseada na seleção natural, que foi aceita pela comunidade científica até o momento.

Os pesquisadores demonstram que os danos no DNA e os processos de reparo podem desempenhar um papel na geração da periodicidade da sequência nos genomas de organismos eucarióticos. Estes processos são influenciados pela orientação da estrutura do DNA quando esta molécula é empacotada dentro do núcleo da célula, favorecendo assim uma certa composição com uma natureza periódica nos genomas eucarióticos.

Isso soa mais como design, porque o reparo do DNA é um sistema altamente eficiente e intrincado para manter a integridade do genoma, e porque “a estrutura do DNA dentro do nucleossomo favorece o aparecimento de regiões propensas a danos e reparos”. Assim, mutações que convertem bases C/G em A/T tendem a ocorrer em intervalos de 10 pares de bases.

Lixo Funcional

Muitos neo-darwinistas esperavam que o lixo se acumulasse no genoma ao longo do tempo. Aqui está outro caso em que essa suposição levou os cientistas ao erro, onde até recentemente não conseguiram ver uma razão para transcrições “não-codificadoras” de DNA em quadros de leitura aberta (open reading frame [ORFs]), que haviam sido falsamente classificados como lixo (sem função). Isto é da Nature, “A tradução de quadros de leitura abertos não canônicos controla a imunidade da mucosa.”

Embora a ideia de que tais ORFs não-canônicos possam codificar proteínas funcionais seja controversa, identificamos uma série de ORFs curtos e não iniciados por ATG, que podem gerar proteínas estáveis ​​e espacialmente distintas. Notavelmente, mostramos que a tradução de um novo ORF ‘oculto’ dentro do longo RNA não codificante Aw112010 é essencial para a orquestração da imunidade da mucosa durante a infecção bacteriana e a colite. Este trabalho expande a nossa interpretação do genoma de codificação de proteínas e demonstra que os produtos proteicos gerados a partir de ORFs não canônicos são cruciais para a resposta imune in vivoPortanto, propomos que a interpretação errada de genes não-canônicos contendo ORF como RNAs não-codificantes pode obscurecer o papel essencial de uma multiplicidade de genes codificadores de proteínas não descobertos na imunidade e doença.

Um resumo deste artigo sobre Phys.org adverte que, ao classificar equivocadamente trechos de DNA como não-codificadores, os cientistas estão perdendo funções importantes que poderiam levar à cura de doenças:

As descobertas sugerem que muito mais genes codificadores de proteínas e funções podem ser descobertos. “Uma grande parte de importantes genes codificadores de proteínas foi perdida em virtude de sua anotação“, disse a primeira autora, Ruaidhri Jackson. Sem investigar e identificar esses genes, “não podemos entender completamente o genoma codificador de proteínas ou rastrear adequadamente os genes para fins de saúde e doença”.

Compartilhando Genes

Híbridos devem ser estéreis. Novas funções devem evoluir através da especiação por seleção natural. Diga isso aos pesquisadores da Universidade de Nebraska-Lincoln que, de acordo com a Phys.org, ficaram surpresos ao descobrir que um gene saltou entre duas espécies de mosca da fruta. Enquanto eles chamam de um “gene egoísta” procurando se propagar, este processo tem o potencial de compartilhar informações genéticas através de hibridização, ignorando o mecanismo do neodarwinismo.

“O que isso sugere é que, em algum momento no passado, houve um evento de hibridização”, disse [Colin] Meiklejohn, professor assistente de ciências biológicas em Nebraska. “ E (o gene) entrou, tipo, ontem, em termos de tempo evolutivo. Foi super recente. Então isso foi uma surpresa . Nós não sabíamos que essa coisa tinha se movido entre as espécies.

Convergência Extrema

Papagaios são pássaros; os humanos são mamíferos. Quaisquer semelhanças devem ser distantes e simples, mas a New Scientist diz, sem derrubar a crença darwiniana, que “papagaios são inteligentes porque seus cérebros evoluíram da mesma forma que os nossos”. Entre os fatos surpreendentes que levam o neodarwinismo ao ponto de ruptura estão as semelhanças genéticas que, para serem atribuídas à evolução, exigiriam emergência independente por acaso. Não só isso, eles nunca evoluíram depois disso. Isso não está seguindo a evidência; está bloqueando a conclusão para a evidência contrária.

É uma surpresa, no sentido de que esses animais são tão diferentes dos seres humanos , mas também é gratificante que você pode prever que, desde que evoluíram características semelhantes, eles têm alguns mecanismos semelhantes“, diz Claudio Mello na Oregon Health & Science University. Os papagaios podem produzir vocalizações complexas e são altamente sociais, muito parecidos com os humanos.

Para aprender mais como os cérebros desses pássaros se desenvolvem, Mello e sua equipe compararam o genoma do papagaio da Amazônia com o de outras 30 aves. Eles descobriram que as regiões do genoma do papagaio que regulam quando e como os genes para o desenvolvimento do cérebro são ativados são as mesmas encontradas em seres humanos. Esses chamados elementos ultra-conservados evoluíram em ambas as espécies em diferentes momentos, mas com resultados semelhantes.

Emergência Precoce e Estase

A idade de um organismo marinho “apenas” triplicou. De acordo com as notícias da Universidade Friedrich-Alexander, os paleontólogos alemães e australianos descobriram uma espécie de alga vermelha muito mais cedo no registro fóssil do que o esperado:

As algas vermelhas coralinas existem há 130 milhões de anos, ou seja, desde o período Cretáceo, época dos dinossauros. Pelo menos essa era a visão estabelecida dos paleontólogos em todo o mundo até agora. No entanto, essa classificação terá que ser revisada depois que fósseis descobertos por pesquisadores do GeoZentrum Nordbayern na FAU, em conjunto com pesquisadores da Universidade La Trobe, em Melbourne, na Austrália, provam que as algas vermelhas existiam há 430 milhões de anos.

A descoberta feita pelos paleontologistas da FAU, Dr. Sebastian Teichert, Prof. Dr. Axel Munnecke e seu colega australiano Dr. William Woelkerling tem consequências de longo alcance. “Nossas descobertas significam que agora devemos olhar para o registro fóssil de uma maneira completamente nova”, explica o Dr. Sebastian Teichert. Até agora, acreditava-se que uma idade maior para as algas vermelhas era tão improvável que os fósseis encontrados em camadas de rocha mais antigas que o período Cretáceo não eram sequer considerados como algas vermelhas coralinas simplesmente devido à sua idade.

Como essas poucas coisas mostram, o darwinismo levou a ciência ao erro, não pela observação. Repetidamente, os evolucionistas impõem sua visão do mundo e como características complexas emergem e progridem ao longo do tempo para a biologia como um dogma. Mas quando eles realmente olham em detalhes nos organismos, eles ficam surpresos. Anomalias suficientes podem matar um paradigma, mesmo que ele sobreviva por mais de um século pela crença voluntária de uma ideologia arraigada.


Original: Evolution News. A Theory in Crisis: Darwinian Anomalies Accumulate. February 4, 2019.


Junior Eskelsen
Sobre Junior Eskelsen 203 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*