A Origem da Vida: O Desafio da Informação

Download PDF
Tempo de leitura: 12 min.
Ilustração: dupla hélice, códons e aminoácidos / ©

Por Brian Miller

Anteriormente, respondi a um artigo de Vincent Torley sobre a origem da vida, corrigindo os erros em sua compreensão da termodinâmica e na pesquisa sobre o estado das origens. Hoje, corrigirei erros relacionados à teoria da informação e identificarei as abordagens fundamentalmente diferentes dos defensores e críticos do Design Inteligente para avaliar as evidências.

Informação Semântica

A primeira questão diz respeito à comparação da sequencia de aminoácidos em proteínas com as letras de uma frase. Essa analogia é geralmente desacreditada pelos críticos de design, uma vez que revela com clareza a poderosa evidência da inteligência a partir das informações contidas na vida. Ela também ajuda o público leigo a ver os jargões e o desorientamento muitas vezes usados ​​para enganar o público, ainda que não intencionalmente.

A crítica de Torley centra-se na afirmação de que sequências de aminoácidos na vida demonstram informação funcional, mas não semântica.

O Dr. Miller, assim como o Dr. Axe, está confundindo informações funcionais (que são encontradas nos seres vivos) com as informações semânticas encontradas em uma mensagem (…) informações funcionais são muito mais fáceis de gerar do que informações semânticas, porque não precisam formar palavras, se conformar a regras da sintaxe ou fazer sentido no nível semântico.

Infelizmente, essa afirmação contradiz completamente a opinião de especialistas na área, como Shen e Tuszynski.

As estruturas primárias de proteínas têm a mesma estrutura de linguagem que as línguas humanas, especialmente inglês, francês e alemão. Ambos são compostos de vários símbolos básicos como blocos de construção. Por exemplo, o inglês é composto por 26 letras, enquanto as proteínas são compostas por 20 aminoácidos comuns. Uma sequência de proteínas pode ser considerada como representando uma frase ou um parágrafo, e o conjunto de todas as proteínas pode ser considerado como representação da linguagem inteira. Portanto, a estrutura semântica é semelhante a uma estrutura de linguagem que vai de “letras” a “palavras”, depois a “frases”, a “capítulos”, “livros” e, finalmente, a uma “biblioteca de idiomas”.

(…)

Os objetivos da análise semântica para a estrutura primária da proteína e para as linguagens humanas são basicamente os mesmos. Ou seja, encontrar as palavras básicas das quais são compostas, os significados dessas palavras e o papel que elas desempenham no sistema da linguagem como um todo. Em seguida, passa-se à análise da estrutura da gramática, sintaxe e semântica.

Da mesma forma que as letras se combinam para formar sentenças significativas, os aminoácidos em proteínas formam sequências que fazem com que as cadeias se dobrem em formas 3D específicas que atingem tais objetivos funcionais como formar a maquinaria de uma célula ou dirigir reações químicas. E as sentenças se combinam para formar um livro da mesma forma que várias proteínas trabalham em conjunto para formar as estruturas celulares altamente integradas e manter o metabolismo celular. A comparação é quase exata.

Raridade de Sequência

Uma segunda questão levantada por Torley é a questão da raridade das sequências de proteínas. Em particular, ele argumenta que a pesquisa de Doug Ax, que demonstrou extrema raridade, era inválida. Críticas contra o trabalho de Axe foram abordadas no passado, mas o desafio de probabilidade é tão grande que tal resposta é desnecessária. As enzimas precoces mais essenciais teriam que encadear a decomposição de alguma molécula de alta energia, como o ATP, com uma reação metabólica que se move energeticamente para cima. Um experimento examinou a probabilidade de uma sequência aleatória de aminoácidos se ligar ao ATP e os resultados indicaram que a chance era da ordem de um em um trilhão. As chances de encontrar uma sequência tão funcional na Terra primitiva já estão forçando a credibilidade. No entanto, uma proteína útil teria requerido pelo menos um outro sítio de ligação, o que aumenta a improbabilidade, e um sítio ativo que oriente apropriadamente as moléculas alvo e crie o ambiente químico correto para conduzir e encadear as duas reações – a quebra do ATP e do alvo um metabólico. As chances de uma sequência aleatória tropeçando em tal enzima teriam que ser bem menores que 1 em um trilhão de trilhões, claramente além do alcance do acaso.

O desafio para enzimas baseadas em nucleotídeos (ribozimas) é igualmente intimidante. Tropeçar em uma sequência aleatória que poderia realizar até mesmo uma das reações mais básicas também requer uma biblioteca de busca na casa  dos trilhões. Assim, qualquer processo multiestágio também estaria além do alcance do acaso. Um vislumbre de esperança foi oferecido por Jack Szostak quando ele publicou um artigo que pretendia mostrar que o RNA poderia se auto-replicar sem o auxílio de qualquer enzima. A auto-replicação sem ajuda teria colaborado muito no processo de busca. No entanto, mais tarde ele retratou o artigo (despublicação) depois que os resultados não puderam ser reproduzidos.

Desde então, o problema tem se mostrado ainda pior. Em particular, Eugene Koonin determinou que a probabilidade de um sistema de tradução de RNA-a-proteína formada através de mecanismos aleatórios de nucleótidos é menor do que 1 em 10 mil o que equivale a uma impossibilidade em nosso Universo. Sua solução para esse pesadelo matemático foi propor um deus ex machina probabilístico. Ele realmente defendeu a existência de um multiverso que conteria um número virtualmente infinito de planetas semelhantes à Terra. Nós simplesmente passamos a viver em um universo de sorte no planeta certo, onde a vida ganhou uma vasta série de loterias.

Código genético

A próxima edição refere-se ao problema de explicar como uma sequência de proteínas foi codificada em RNA ou DNA usando um código genético, onde cada aminoácido corresponde a conjuntos de três nucleotídeos conhecidos como códons. O principal desafio é encontrar um processo causal para a codificação quando não existe conexão física ou química entre um determinado aminoácido e seus códons correspondentes. Torley argumenta que existe uma conexão. Ele cita Dennis Venema, que afirmou que certos códons se ligam diretamente aos seus aminoácidos. Infelizmente, essa afirmação é falsa. Venema estava fazendo referência à pesquisa de Michael Yarus, mas ele interpretou mal. Yarus afirma que não existe conexão física direta entre aminoácidos individuais e códons individuais. Em vez disso, ele argumenta a favor de correlações em cadeias de nucleotídeos (aptâmeros) entre aminoácidos e códons que residem onde o último se liga ao primeiro. No entanto, Koonin argumentou que as correlações só existiam para um punhado de aminoácidos, e eles eram os menos prováveis ​​de se formarem na Terra primitiva.

Torley faz referência ao artigo em que Koonin rejeita o modelo de Yarus, mas ele o interpreta erroneamente ao sugerir que o código poderia ser parcialmente explicado por alguma conexão química. Koonin faz referência à possibilidade da evolução do sistema moderno de tradução ser auxiliada por atrativos químicos entre aminoácidos e partes no tRNA. Mas ele afirma que as sequências nessas partes teriam sido “arbitrárias”, de modo que não se relacionariam com o código real. Como resultado, não existe explicação física para a codificação de sequências de aminoácidos em códons, nem o processo de decodificação pode ser explicado ou diretamente ligado ao processo de codificação. Tal ligação é crucial porque a codificação e decodificação devem usar o mesmo código. No entanto, sem qualquer conexão física, o código deve ter preexistido a célula particularmente porque ambos os processos teriam que ter sido instanciados ao mesmo tempo. O único lugar em que um código pode existir fora do espaço físico está em mente.

Examinando Suposições

Nas minhas respostas a Torley, resolvi vários problemas com sua interpretação de experimentos específicos. No entanto, uma questão mais fundamental é a diferença entre nossas abordagens gerais para avaliar as evidências, que ilustrarei com uma analogia. Imagine que uma luta de boxe está marcada entre Daniel Radcliffe, ator que interpretou Harry Potter, e Manny Pacquiao, ex-campeão mundial de boxe. Você aprende que a luta acontecerá em três dias e Radcliffe recentemente quebrou a perna e dois braços em um acidente de esqui. Você diz ao seu amigo que você está certo de que Pacquiao vai ganhar. Seu amigo então diz que você está enganado, já que Radcliffe simplesmente curará seu corpo com um movimento de sua varinha mágica e então transformará Pacquiao em um rato.

A mesma diferença de perspectivas existe entre os proponentes do DI e os cientistas materialistas. Os primeiros desejam se concentrar em experimentos que tentam modelar com precisão as condições na Terra primitiva e nos processos físicos reais que foram demonstrados. Em contraste, os últimos desejam se concentrar em experimentos altamente orquestrados que não têm conexão com condições precoces realistas e em processos físicos que existem apenas na imaginação de pesquisadores ou em mundos artificiais criados por meio de simulações. Por exemplo, Torley faz referência a um artigo que propõe peróxido de hidrogênio poderia ter ajudado na geração de misturas homoquirais de nucleotídeos, mas o autor reconhece plenamente que suas idéias são puramente especulativas. Da mesma forma, Koonin descreve um cenário de como o sistema de tradução de proteínas poderia ter evoluído, mas quase todo passo é plausível somente se inteligentemente guiado. Em outras palavras, ele está constantemente usando o design sem dar o devido crédito. Aceitar qualquer uma dessas teorias requer fé cega nas suposições filosóficas materialistas.

No final de seu artigo, Torley navega para fora dos mares tempestuosos da análise científica para as águas mais calmas do discurso filosófico que é sua especialidade. Ele argumenta que nunca se pode provar o design. Neste ponto, ele está correto, se por provar isso significa demonstrar com certeza matemática. O programa do Design Inteligente não pretende oferecer o tipo de prova absoluta que um matemático usaria para demonstrar a verdade do teorema de Pitágoras. Em vez disso, estamos argumentando que a identificação do design é uma inferência para a melhor explicação que pode ser feita com a mesma confiança que alguém teria na identificação do design no padrão de faces no Monte Rushmore ou em um sinal do espaço que contenha os esquemas de design de uma nave espacial.

Um cético poderia sempre argumentar que alguma explicação materialista poderia eventualmente ser encontrada para explicar esses padrões, de modo que o design não pode ser provado. No entanto, a identificação do design ainda é eminentemente razoável. A evidência de design na célula mais simples não é ambígua, pois contém tecnologia de conversão de energia, processamento avançado de informações e montagem automatizada de todos os seus componentes, para citar apenas alguns recursos. A verdadeira questão não é a evidência, mas se as suposições filosóficas das pessoas permitiriam que elas negassem o absurdo e adotassem o óbvio.


Original: Brian Miller. The Origin of Life: The Information Challenge. December 15, 2017.


Junior Eskelsen
Sobre Junior Eskelsen 218 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*