O Governo Financia… Design Inteligente?

Download PDF
Tempo de leitura: 10 min.
Observatório de Arecibo, Porto Rico / ®

Alguns projetos de pesquisa envolvendo princípios do Design Inteligente são aceitáveis ​​para a comunidade científica dominante. O SETI não existiria se não fosse possível distinguir os sinais intencionais dos naturais. Como o termo SETI carrega alguma bagagem política, a palavra-chave preferida atualmente é “tecnoassinaturas” (tecnosignatures). Cunhada pela especialista de carreira do SETI Jill Tarter em 2007 como uma contração de “assinaturas tecnológicas”, elas são indicadores de “atividade tecnológica… que poderia indicar não apenas vida, mas inteligência avançada”. 

Em abril passado, de acordo com o Universe Today, o Projeto de Orçamento dos Congressos determinou que a NASA “começasse a apoiar a busca científica de assinaturas tecnológicas como parte de sua maior busca por vida extraterrestre” (grifo nosso). No final de setembro de 2018, a NASA realizou o Workshop de Tecnoassinaturas no Lunar and Planetary Institute em Houston, Texas. O relatório deste workshop foi lançado em 28 de novembro. 

Prêmio “Golden Fleece”

O financiamento do governo para o SETI foi de baixo para inexistente desde que o senador William Proxmire deu seu notório “Golden Fleece Award” em 1982 como um exemplo de desperdício do governo (Wired Magazine). Depois disso, a NASA reduziu seu caro “Project Cyclops”, um sonho da época de Sagan para ligar uma vasta gama de grandes rádios na busca por sinais alienígenas. Proxmire concordou com um compromisso que permitiria que os centros da NASA, incluindo o JPL, trabalhassem em tecnologias de varredura do céu. Os entusiastas do SETI tiveram que continuar com o financiamento privado, mas fizeram progressos constantes na tecnologia de detecção. Os alienígenas esquivos, no entanto, permanecem sem serem detectados.

A palavra SETI continua sendo um albatroz de ouro no pescoço da NASA, fazendo os administradores ficarem ouriçados para reviver o projeto. O termo “tecnoassinatura” é apenas bastante obscuro para fugir da maioria dos caçadores de lixo do Congresso. Uma palavra jargão relacionada, “astrobiologia”, tem sido sucedida na NASA. De fato, a busca pela “vida” genérica no espaço tornou-se um objetivo principal em toda a agência. Dificilmente um planeta ou corpo é informado sem especulações altamente imaginativas sobre a vida nele.

Ciência Legítima

Investigar se outros corpos são habitáveis ​​é ciência legítima e não é controverso para os membros da comunidade de Design Inteligente. Habitabilidade não significa que um planeta seja habitado. Guillermo Gonzalez, por exemplo, escreveu sobre a “zona habitável galáctica” antes de seu livro com Jay Richards, The Privileged Planet. É bom poder caracterizar os requisitos para um habitat que permita a vida com dados reais, mesmo que nenhum organismo seja encontrado. Se nada além disso, tal conhecimento pode ao menos nos ajudar a apreciar o mundo improvável em que vivemos.

Por mais empolgante que seja encontrar micróbios ou plantas em outro mundo, o verdadeiro sentimento entre os entusiastas do SETI vem do sonho de se comunicar com outras mentes – ou mesmo de saber que elas existem. É aí que a palavra “tecnoassinatura” vai além da simples “bioassinatura”. A biologia usa uma infinidade de sinais, da célula única à baleia jubarte cantante. Embora os secularistas possam debater sobre a semelhança da inteligência das baleias ou papagaios com a inteligência humana, nenhuma criatura além do ser humano usa ferramentas para fabricar ferramentas. Nenhum outro mamífero constrói radiotelescópios para enviar mensagens para o vazio solitário, buscando respostas para questões filosóficas que nada têm a ver com reprodução, aptidão física ou sobrevivência. O eu no SETI especifica uma pesquisa direcionada para esse tipo de inteligência: mentes que constroem coisas para um propósito. 

Este último movimento do SETI é mais sobre como escutar do que escutar. O techno em tecnoassinaturas especifica pesquisas direcionadas para informações especificadas complexas. Mesmo que os extraterrestres não estejam se comunicando conosco, devemos ser capazes de detectar sua tecnologia. Deveríamos ser capazes de distinguir entre assinaturas naturais e assinaturas tecnológicas. Por quê? Porque os artefatos tecnológicos exibirão intencionalidade, desde que apresentem complexidade irredutível e um nível suficiente de improbabilidade. A interseção do SETI com Design Inteligente é inescapável. Ao financiar a busca por assinaturas tecnológicas, não importa o quão modesto seja o nível de financiamento neste momento, a NASA está financiando essencialmente a pesquisa de Design Inteligente.

Não se aplica ao Design Inteligente?

Os caçadores de tecnoassinaturas podem argumentar que o Design Inteligente não é aplicável, porque, na visão deles, os seres alienígenas evoluíram por evolução darwiniana. Os métodos reais de busca, no entanto, bem como os alvos de busca, envolvem o design por seres inteligentes. Ambas as partes da palavra “tecno-assinatura”, na verdade, implicam Design Inteligente. Deve ser tecnologia (comportamento dirigido por objetivos além de causas naturais ou instinto), e deve ser interpretado como uma assinatura, um sinal apontando para algo além de si mesmo. Tal como acontece com o antigo SETI, toda a premissa é que as causas inteligentes podem ser distinguidas das causas naturais.

É aqui que as notícias sobre o workshop da NASA se tornam curiosas. A busca por tecnologia extraterrestre requer princípios de Design Inteligente, mas os participantes do workshop não ousam usar a frase proibida “design inteligente”. Navegando nos artigos, encontramos suas palavras e frases alternativas, mas as mesmas ideias:

  • Informação: “Que características de uma civilização como fenômeno físico não podem ser evitadas? Esta questão pode assumir um caráter termodinâmico ou de informação-teórica: quais  traços podem e não podem ser evitados durante o processo de construção da civilização?
  • Deliberada: “Uma assinatura tecnológica rica em informação, como uma mensagem deliberada ou a descoberta de um artefato do sistema solar extraterrestre, imediatamente possibilitaria um intenso acompanhamento e traria ganhos científicos significativos”.
  • Intencional: “sinais possíveis, incluindo a transmissão não intencional e intencionalmensagens semelhantes a Arecibo.”
  • Engenharia: “É concebível que os sinais da engenharia planetária possam se estender a mais de um planeta em um sistema multi-planetário.”
  • Pesquisa direcionada: “Os excessos de IR terão alvos identificados para pesquisas direcionadas de sinalizadores de rádio, laser ou dispersão de assinaturas de rádio”.
  • Natural: “As pesquisas por assinaturas de tecnologias normalmente procedem da hipótese de uma assinatura tecnológica específica e da realização de uma pesquisa em um contexto que confunde fatores naturais ou instrumentais.
  • Artifício, artefato: “como procuramos sinais de artifício entre um enorme conjunto de confusão de fatores naturais”.
  • Distinguir: “Por exemplo, o calor residual da tecnologia tem uma assinatura observacional semelhante à poeira astrofísica, o que dificulta a distinção, enquanto certas emissões de rádio de banda estreita podem não ter uma fonte natural”.
  • Falso positivos: “ ocultadores naturais , como exoplanetas, como falsos positivos ”.

Uma agulha no palheiro cósmico

Em sua palestra, Charles Beichman, do JPL, deu vários exemplos históricos de falsos positivos, nos quais os fenômenos naturais foram inicialmente confundidos com sinais alienígenas. A descoberta dos pulsares é um incidente famoso. Seu ponto era que a busca por tecnoassinaturas é como “procurar uma agulha no palheiro Cósmico”, e os pesquisadores precisam ter cuidado para não ser enganado por fenômenos desconhecidos que têm uma causa natural. Isso parece muito com o filtro de design de Dembski. É preciso descartar o acaso ou as causas naturais até um grau suficiente de complexidade especificada antes de concluir o design inteligente.

Matt Williams correspondeu-se com Jason Wright, um dos autores do relatório da NASA, que perguntou:

Que espécie de assinatura tecnológica geraria uma espécie tecnológica extraterrestre ? Quais desses são detectáveis ? Como saberemos se encontramos um? Se encontrarmos, como podemos ter certeza de que é um sinal de tecnologia e não algo inesperado, mas natural ?

Williams elabora essa importante distinção em seu artigo para o Universe Today, depois de apontar que os planetas “potencialmente habitáveis” não precisam ser “parecidos com a Terra”:

Da mesma forma, a busca por assinaturas de tecnologias é limitada a tecnologias que sabemos ser viáveis. No entanto, existem também algumas diferenças fundamentais entre as assinaturas de tecnologias e as bioassinaturas.

Como explicam, muitas tecnologias avançadas propostas são “auto-luminosas” (isto é, lasers ou ondas de rádio) ou envolvem a manipulação de energia de fontes naturais brilhantes (isto é, Dyson Spheres e outras megaestruturas ao redor das estrelas). Existe também a possibilidade de que as assinaturas de substâncias técnicas sejam amplamente distribuídas, porque as espécies em questão podem ter espalhado sua civilização para os sistemas estelares vizinhos e até para as galáxias.

Engenharia Alienígena

Observe que as assinaturas de tecnologia podem consistir de “fontes naturais” que foram “manipuladas” fora de seu estado natural. Estrelas sem ajuda nunca se tornarão Esferas de Dyson, onde estruturas foram posicionadas ao redor de uma estrela moribunda para conservar toda a sua energia. Isso iria requerer engenharia alienígena. Engenharia humana manipula materiais naturais para formar pirâmides, skywriting e livros. Não é o material, mas o modo como foi arranjado, que qualifica um artefato como uma assinatura tecnológica.

A propósito, ninguém parece estar reclamando do “naturalismo metodológico” (NM) neste novo programa SETI. Suponha que eles encontrem uma assinatura tecnológica. Eles terão encontrado evidências de uma mente no trabalho – a mente de um ser sobre o qual nada sabem. Pode até não ser uma entidade física, pelo que eles sabem. Os naturalistas metafísicos chamariam tal descoberta de fora dos limites da ciência? Todos nós sabemos o que as mentes podem fazer, como criar o Monte Rushmore e a Torre Eiffel. Se seria insensato limitar a explicação de nossos monumentos a causas naturais, é mais insensato exigir que o NM compreenda as assinaturas tecnológicas.

Textos recomendados:


Original: Evolution News. Government Funds…Intelligent Design? January 16, 2019.


Junior Eskelsen
Sobre Junior Eskelsen 228 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*