No Debate Sobre a Explosão Cambriana, O Design Vence por WO

Download PDF
Tempo de leitura: 9 min.
Anomalocaris, Katrina Kenny e Universidade de Adelaide / UNE Photos

Às vezes você ganha um jogo por padrão. O perdedor pode não reconhecer a perda, mas não aparece. 

Imagine um campeão mundial que tenha o favoritismo na mídia. Ele ouve um desafiante que diz que vai o nocautear, mas se recusa a entrar no ringue com ele. Em vez disso, ele corre para a mídia e diz que há, de fato, um grande desafio, mas que ele “pode” vencer. É isso aí. Os repórteres correm com a história e relatam: “Ele pode vencer o desafiante”. Nada é dito sobre o adversário ou seu nocaute. Pergunta: nestas circunstâncias, quem vence a luta?

Essa é a impressão que você tem lendo a grande mídia a respeito do debate sobre a explosão cambriana. Stephen Meyer ofereceu um grande desafio no Doubt de Darwin, alegando que a evolução darwinista não é apenas incapaz de explicar o evento cambriano, mas que a informação hierárquica necessária para explicar quase 20 novos planos corporais que apareceram repentinamente em camadas cambrianas dá evidência positiva do design inteligente. Seu desafio não foi esquecido pelos proponentes de Darwin. O livro criou uma forte reação dos evolucionistas nos blogs, mas apenas um darwiniano entrou no ringue com Meyer, por assim dizer, mas pelo menos assumindo seu desafio. Aquele era o paleontologista “peso pesado” Charles Marshall, e resultou num intercâmbio cavalheiresco. Meyer respondeu os contra-argumentos demonstrando que não explicavam o ponto principal: a origem da informação necessária para criar planos corporais hierárquicos (ver Debating Darwin’s Doubt , Seção III). O desafio permanece.

Ainda esperando o combate

O restante de Debating Darwin’s Doubt respondeu a vários críticos que haviam atacado do lado de fora do ringue. Nenhum deles derrotou o desafio de Meyer. Paul Nelson escreveu no Capítulo 34, “Still Waiting Engagement” (Ainda esperando o combate): 

Assim, no final das contas, não importa se os teóricos evolucionários contemporâneos discutidos por Meyer no Darwin’s Doubt estão tentando suplementar a teoria neodarwiniana, substituí-la por algo fundamentalmente novo ou substituir algumas, mas não todas, partes da teoria. O que importa é se alguma dessas teorias pode explicar o que precisa ser explicado: a origem dos novos planos corporais dos animais e as informações biológicas necessárias para produzi-los. [Enfase adicionada.]

Isso foi em 2015. Nos quatro anos que se seguiram, os evolucionistas tiveram muitas oportunidades para “engajar-se” e oferecer sua explicação, mas todos os trabalhos relatados aqui na Evolution News simplesmente se esquivaram da questão. Eles fingem que o desafio não existe. Em vez disso, eles murmuram entre si que “a luta pode ser vencida” e dão à mídia a impressão de que Darwin continua sendo o campeão mundial na categoria pesada de explicação científica.

O mais recente é um ensaio de Michael SY Lee e James B. Dorey em Current Biology, “Evolução: Amortecimento da Explosão Cambriana”. Lee e Dorey praticam todos os mesmos movimentos antigos que falharam antes. Eles contam com dois artigos recentes, um já abordado pela Evolution News: o de Deline et al e outro de Graham Budd, que foi citado várias vezes no Evolution News, mais recentemente aqui .

Uma lista dos movimentos

Aqui está uma lista dos movimentos no novo artigo da Current Biology. Esta é a última resposta dos darwinistas sobre a explosão cambriana. Fique de olho no gancho certo (a origem da informação biológica) e veja se eles estão prontos para isso.

  • O movimento da Pequena Explosão: “A diversidade cambriana não era maior do que a diversidade viva – pelo menos para os artrópodes, o grupo mais diversificado de animais de então e de hoje”.
  • O Toque Suave: Claro, artrópodes e vertebrados desenvolveram partes duras que aceleraram sua diversificação, mas “a maioria dos filos tem ou corpos moles (por exemplo, anelídeos, nematoides) ou esqueletos simples e relativamente inertes (moluscos, braquiópodes) e permanecem confinados a ambientes aquosos .
  • A distração: Os animais cambrianos do xisto de Burgess não se encaixavam em filos vivos, mas “quando vistos da perspectiva da explosão cambriana, pássaros e besouros modernos pareceriam ainda mais bizarros ”.
  • A finta “Got All Day”: “A disparidade animal ainda está aumentando, e a extensão da inovação pós-cambriana rivaliza com a explosão cambriana, embora reconhecidamente ocorra em um período de tempo mais longo.
  • A tática Prometo-Lutar-Mais-Tarde: “Filo mais complexo realmente tem genomas maiores” – resultado de uma análise que “deve, portanto, fornecer terreno fértil para testes adicionais ”.
  • A estratégia de Churchill: “A história é escrita pelos vencedores”, disse Churchill. Torcendo esse princípio em apoio a Darwin, eles alegam que “focar apenas em táxons vivos pode dar uma visão muito distorcida da dinâmica das radiações evolutivas. O que vemos como uma explosão pode ser apenas um artefato de ter apenas sobreviventes no registro.
  • Soco ao acaso: “Budd e Mann ainda especulam que se as taxas de especiação estão correlacionadas com as taxas de mudança morfológica e molecular – uma associação muito debatida – então os clados sobreviventes também exibem taxas elevadas de evolução fenotípica e mudança genética, novamente devido a chance apenas.”

É isso aí. Você viu algumas respostas à origem da informação biológica para novos planos corporais? Há muito soco no ar e bater nas luvas macias do parceiro de treino. Basicamente, eles reafirmam Darwin como o campeão indiscutível, mesmo sem uma luta justa. Aqui está o parágrafo final. Eles reconhecem que um grande desafio está em andamento, mas eles dizem à mídia para não superestimá-lo, prometendo-lhes que “a luta pode ser vencida”.

Embora haja pouca dúvida de que a explosão cambriana tenha representado uma proliferação maciça e rápida de formas e linhagens animais , os dois estudos advertem contra superestimar sua magnitude [ie, Meyer “pode ser um empurrão”]. O trabalho empírico de Deline e colegas demonstra que o Cambriano não representava o apogeu da diversidade animal, e essa grande inovação continua até hoje, enquanto o estudo teórico de Budd e Mann sugere que taxas elevadas na especiação na base de tais radiações poderiam ser, pelo menos em parte, atribuíveis a altos aumentos estocásticos. do que mecanismos evolutivos não usuais.

“Inovação” ou possíveis milagres?

Você sempre pode confiar em Darwin para ser o “campeão do mundo”, eles prometem. Em linguagem darwiniana, “inovação” refere-se a verdadeiros milagres do acaso, como novos planos corporais aparecendo de repente. Esses milagres evidentemente acontecem mais rapidamente em períodos de “ascensão estocástica” dentro dos “mecanismos evolutivos usuais” (pura sorte).

O mais interessante neste artigo é uma sugestão que realmente prejudica mais a perspectiva evolutiva. É a ideia de que pode ter havido ainda mais planos corporais no Cambriano que não vemos! Isso faz todo o sentido – se você acredita que o acaso cego tem um poder criativo infinito. Como o neodarwinismo está sempre em movimento, eles especulam, e como a história é escrita pelos vencedores, a evidência explosiva no registro fóssil pode ser apenas um artefato do que sobreviveu. Lógico, certo? Comentando sobre o artigo de Deline, eles dizem:

Em um grande desafio à visão da insuperável diversidade Cambriana, todos os fósseis cambrianos estão próximos (entre ou dentro de) filos vivos: por exemplo, o famoso Anomalocaris ajuda a ligar vermes e artrópodes modernos. Assim, pelo menos algumas lacunas entre os diferentes planos corporais dos filos modernos são artefatos de extinção de táxons “intermediários”, em vez de descontinuidades evolutivas fundamentais. 

Como isso vai ajudar a perspectiva evolutiva no “grande desafio” que ele enfrenta (Darwin chamou a explosão cambriana de “a objeção mais óbvia e séria que pode ser imposta contra a teoria”) ninguém sabe.

Além disso, o morfoespaço ocupado pelas formas cambrianas é muito menor do que o morfoespacial ocupado pelas formas vivas , mesmo após considerar a não preservação de feições suaves na maioria dos fósseis.

Mas, novamente, esse não é o desafio que Meyer faz. É sobre disparidade, não diversidade. Eles podem chamá-lo de pequeno, mas o morfoespaço inclui pelo menos 20, e até 30, novos planos corporais, cada um distinto, portando sistemas complexos como músculos, nervos, sistemas digestivos, sistemas sensoriais, locomoção e sistemas reprodutivos sem precursores no sistema pré-cambriano. Todos eles aparecem de repente. Onde estão os “táxons intermediários”? Eles não estão no registro das rochas após mais de 150 anos desde que se esperava que eles fossem encontrados.

Então essa é a situação acontecendo seis anos após o desafio de Meyer. Marshall tentou alguns argumentos depois que o livro saiu, mas depois desistiu. Os blogueiros pularam e gritaram das arquibancadas, nada mais. Meyer ainda está sozinho no ringue. Ele vence por WO.

 


Original: In Cambrian Explosion Debate, ID Wins by Default. December 6, 2018.


Junior Eskelsen
Sobre Junior Eskelsen 228 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*