A Humanae Vitae e o Design Inteligente

Download PDF
Tempo de leitura: 6 min.
Humanae Vitae (“Da vida humana”), encíclica escrita pelo Papa Paulo VI. Publicada em 25 de Julho de 1968.

Por Michael Egnor

Em 25 de julho de 1968, o beato Papa Paulo VI publicou sua encíclica Humanae Vitae. Foi, e é, o documento católico mais controverso do século passado, e talvez de qualquer século. A encíclica afirmou a proibição da Igreja à contracepção, desafiando a maioria dos membros da comissão do papa formada para estudar a questão, e desafiando o espírito sexual da era moderna. Daí a tempestade de fogo.

Paulo VI compreendeu que a aceitação da contracepção e da ética sexual do mundo moderno seria uma reviravolta radical na compreensão da Igreja sobre os seres humanos e a lei moral. O que quer que se pense sobre contracepção, é inegável que a Humanae Vitae era profética. Paulo VI previu que a modernidade sexual, exemplificada pela contracepção, levaria à infidelidade e ao declínio moral , à perda de respeito pelas mulheres, ao abuso de poder por parte das autoridades públicas e a afirmações destrutivas e radicais de autonomia sobre nossos corpos.

Uma Reflexão Profunda

A Humanae Vitae foi uma profunda reflexão sobre homens e mulheres, sobre a natureza humana e sobre os propósitos inerentes à sexualidade e à procriação. A encíclica é uma afirmação da lei natural – da visão de que existe bem e mal objetivo e que uma compreensão da natureza pode guiar a conduta moral. A encíclica é uma reafirmação enfática de que o “dever” pode ser derivado do “ser”. É uma afirmação de que a natureza tem finalidades e que o homem é moralmente obrigado a cumpri-las.

A Humanae Vitae é uma profunda reflexão moral sobre a lei natural – de propósito – na sexualidade. O mundo natural, do qual fazemos parte, está imbuído de propósito, e esse propósito pode ser inferido a partir de um estudo cuidadoso e objetivo da natureza e do homem. Paulo VI observou que o propósito da sexualidade – o fim último para o qual existe – é a procriação, e fechar o ato sexual à procriação é uma violação da lei natural e, portanto, da lei moral.

Agora existem diferentes perspectivas sobre esta invocação da lei natural, mesmo dentro da Igreja, e há muitos que não aceitam a lei natural como um guia moral genuíno. Mas o ponto de vista do pontífice é baseado no discernimento de propósito na sexualidade, e o discernimento de propósito na natureza é a pedra angular da ética tradicional baseada na lei moral.

Propósito na natureza

O discernimento do propósito na natureza não se limita à lei moral e à sexualidade. A ciência é o estudo do propósito no mundo físico, assim como a ética, apropriadamente entendida de acordo com a lei natural, é o estudo do propósito na esfera moral. O objetivo do ciclo de Krebs é gerar energia; o propósito do coração é bombear sangue; o propósito da relação sexual é procriar. Nenhum conhecimento genuíno – científico ou moral – do mundo natural pode excluir a inferência do propósito¹. Todo ato na criação tem um telos – uma meta pela qual ele age. Nem a ética nem a ciência podem ser feitas apropriadamente sem inferência à teleologia – ao design – na natureza. Assim como a lei natural é uma exploração moral do propósito nos assuntos humanos, o design inteligente é uma exploração científica do propósito – da teleologia – na biologia.

Nota do autor ¹: Não é exclusivamente a teleologia intencional, compreende ainda as tendências dos sistemas para um estado final determinado. Mas na biologia, tal como na engenharia, isso é mais que verdadeiro: Temos que considerar os organismos como alcançando ou falhando em certos objetivos, caso contrário, não podemos compreender o que os organismos estão fazendo a qualquer momento (Gatherer, 2010, citando Polanyi [acessar]).

Neste 50º aniversário da Humanae Vitae, vale a pena refletir sobre a onipresença do propósito no universo. Existe propósito em toda a criação – manifesto nas leis científicas, na cosmologia, na genética e na biologia molecular, na fisiologia e na psicologia, não menos que na lei moral. O mundo está saturado de design, na natureza física, assim como nos assuntos morais. E vale a pena notar que a ciência do design inteligente tem sido confrontada com intransigência e até mesmo com o ódio que não diferente daquele que saudou a Humanae Vitae de Paulo IV cinquenta anos atrás.

Um apelo por dignidade

A negação de propósito na biologia pelos darwinistas é veemente. Talvez haja um objetivo maior nessa negação. A negação de propósito inerente à biologia é entrelaçada com a negação do propósito inerente à moralidade. O reconhecimento do propósito de qualquer tipo inerente à natureza é um repúdio da concepção modernista do homem como o fim de todas as coisas e como o legislador moral final. Tal negação de um propósito superior – de lei moral independente dos desejos do homem – é o fundamento indispensável dos costumes sexuais modernos.

A Humanae Vitae era um apelo para reconhecer que a sexualidade humana tem dignidade que transcende o homem e tem objetivos além dos nossos. A lei moral natural, afirmada de maneira tão eloquente na Humanae Vitae, é uma inferência do design na moralidade que é semelhante à inferência do design na biologia. Mas para ateus e materialistas, não deve haver nenhum desígnio na ciência, porque isso abriria a porta para um “pé Divino”, e assim abriria a porta também para propósito e transcendência na lei moral.

Suspeita-se que é a aversão ao propósito moral, ainda mais do que a aversão ao design biológico, que está na raiz da negação darwinista do design inteligente.

Michael Egnor. Humanae Vitae and Intelligent Design. August 6, 2018.
(Acessar)


Júnior Eskelsen
Sobre Júnior Eskelsen 229 Articles
Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*