A Manutenção do Neo-Darwinismo é uma Rejeição ao Método

Download PDF

O texto de Casey Luskin apresenta de forma resumida e clara uma publicação da BIO-Complexity*, revista do Biologic Institute, que aborda a grande descontinuidade nos supostos caminhos evolutivos de proteínas funcionais.

Adaptado do texto original no Evolution News & Views.



Por Casey Luskin

Em uma nova publicação na BIO-Complexity, “Famílias de Enzimas Compartilham Uma História Evolutiva ou Compartilham Design? Um Estudo da Família GABA-aminotranferase”, Mariclair Reeves, Ann Gauger e Douglas Axe descobriram que enzimas atuais não adquirem novas funções facilmente ao sofrerem mutações. Um estudo de 2009 que o seu papel cita afirma: “Muitas tentativas de intercâmbio de atividades em diversas superfamílias têm sido tentadas mecanicamente, mas poucos sucessos foram alcançados.” Isto sugere que as enzimas modernas não são passíveis de conversões evolutivas.

A resposta típica dos evolucionistas é que talvez enzimas ancestrais eram diferentes e mais facilmente mutáveis na aquisição de novas funções. Possivelmente isso. No entanto, como Reeves, Gauger, e Axe explicam, isso significa que os cientistas evolucionistas devem, então, ignorar a evidência experimental que mostra que as conversões de proteína requerem muitas mutações. Isso revelaria o darwinismo como sendo baseado na especulação em vez de dados experimentais. Em seu novo artigo, eles escrevem:

Estamos perguntando se as enzimas já presentes na vida são tão passíveis de conversão funcional como enzimas ancestrais devem ter sido para que a evolução funcione. Se a resposta é não, então o cenário de recrutamento clássico não funciona hoje, de qualquer maneira. Essa percepção seria de grande importância na medida em que exigiria uma análise cuidadosa de como os processos, que não funcionam hoje, de alguma forma deram certo há muito tempo. Em outras palavras, seria reforçar a importância de fundamentar as explicações evolutivas na ciência observável.

A mesma resposta pode ser oferecido aos defensores da hipótese da “promiscuidade” da evolução de proteínas. De acordo com este modelo, talvez enzimas ancestrais realizavam muitas funções. Então, ao longo do tempo algumas dessas funções podem ter sido perdidas e outros afinadas, resultando nas enzimas de hoje, que executam funções específicas extraordinariamente bem. Enzimas modernas mostram o tipo de promiscuidade que as enzimas ancestrais supostamente necessitavam? Isso não é claro. Além disso, este modelo baseia-se em perda de função para explicar a especificidade da enzima e não contribui para a origem de novas funções enzimáticas em primeiro lugar. Reeves, Gauger, e Axe continuam:

Esta ideia de divergência funcional a partir de enzimas ancestrais promíscuas, embora possivelmente de algum valor, deixa os aspectos mais fundamentais sobre as questões sobre as origens inalterados. Se enzimas ancestrais se assemelhavam muito ou apenas vagamente com as modernas, os mais modernos são ambas: as coisas a serem explicadas e as coisas que podemos observar. A importância de fundamentar as explicações evolutivas no estudo real de enzimas modernas, portanto, continua a ser tão importante agora como nunca. No entanto, a hipótese de promiscuidade deixa a verdadeira origem de novas funções enzimáticas inexplicável. No final, então, conversão funcional por mutação ainda é a única explicação evolutiva para os primeiros surgimentos.

Como vimos anteriormente, os seus dados experimentais sugerem que muitas mutações – incluindo aquelas deletérias – seriam necessárias para gerar novas funções em proteínas. Levaria longos períodos de tempo – mais do que a idade da Terra – para gerar as mutações necessárias para novas funções de proteínas. Quando os conflitos de dados experimentais com as previsões da teoria, o que é um darwinista de fazer?

A resposta é que eles ignoram os dados experimentais. Eles assumem que os sistemas biológicos no passado poderiam evoluir porque eles trabalharam muito diferente de hoje. Esta não é uma forma científica de raciocínio. É ditada não pela evidência, mas pela fé na doutrina geral darwiniana.

Vimos o mesmo tipo de coisa quando o paleontólogo Charles Marshall, da UC Berkeley, debateu com Stephen Meyer, do Discovery Institute, em 2013, sobre a origem de nova informação biológica. Um ponto que surgiu onde Marshall foi simplesmente encurralado com a questão da origem de novas informações. Ele ignorou as evidências mostradas que a moderna rede de transcrição de desenvolvimento (dGRNs) não tolera mutações tornando muito difícil a evoluir novos planos corporais. Quando você mutar a rede de transcrição de desenvolvimento, o organismo morre. Em resposta a Meyer, Marshall argumentou que, talvez, no passado, as dGRNs eram mais plásticas do que são hoje, permitindo assim que novos planos corporais evoluíssem. Meyer explicou na contestação que Marshall tinha parado de usar o raciocínio uniformista:

Marshall e outros defensores da teoria evolutiva invertem a prioridade epistemológica do método científico histórico como iniciada por Charles Lyell, Charles Darwin e outros. Ao invés de tratar o nosso conhecimento presente com base experimentalmente como a chave para avaliar a plausibilidade das teorias sobre o passado, Marshall usa uma suposição evolucionária sobre o que deve ter acontecido no passado (transmutação) para justificar desconsiderando as observações experimentais que ocorrem, e não ocorrem, em sistemas biológicos. Os requisitos da doutrina evolucionista, portanto viciam nossas observações sobre como a natureza e os organismos vivos realmente se comportam. O que sabemos melhor a partir da observação leva um bagagem de crenças prévias sobre como a vida deve ter surgido.

À luz dos dados experimentais do Biologic Institute, muito do mesmo poderia ser dito dos defensores do modelo de co-opção na evolução proteica. Como Meyer pontuou, aqueles que simplesmente assumem que as enzimas ancestrais eram mais passíveis de conversões evolutivas “invertem a prioridade epistemológica do método científico histórico”. Os evolucionistas são bem-vindos a ignorar o funcionamento do mundo real, experimentalmente derivado da biologia moderna, se é isso que eles querem fazer, mas eles devem reconhecer que eles estão pedindo um tratamento especial para sua teoria. Em defesa do darwinismo, eles se afastaram dos métodos estabelecidos de ciência histórica.

Texto original.


* A BIO-Complexity é uma revista científica revisada por pares com um objetivo único. Destina-se a ser o principal fórum para testar o mérito científico da alegação de que o design inteligente (DI) é uma explicação credível para a vida. Porque questões sobre o papel e a origem da informação em sistemas vivos estão no centro da controvérsia científica sobre o Design Inteligente, esses tópicos —vistos de todos os ângulos e perspectivas — são fundamentais para o escopo da revista.


Junior D. Eskelsen
About Junior D. Eskelsen 92 Articles

Responsável pelo portal tdibrasil.org e pela página Teoria do Design Inteligente no Facebook. Colabora com as atividades do movimento do Design Inteligente no Brasil.

1 Trackback / Pingback

  1. O Castelo de Areia – TDI Brasil +

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*